Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

TECNOLOGIA

Windows 95 tem easter egg descoberto após 25 anos

Publicados

em


source

Tecnoblog

Windows 95 tem easter egg descoberto após 25 anos
Reprodução

Windows 95 tem easter egg descoberto após 25 anos


Nesta semana, quase 25 anos depois do lançamento oficial do Windows 95 , um desenvolvedor encontrou um easter egg dentro do sistema operacional da Microsoft . Ele aparece em forma de créditos para o time de desenvolvimento de um programa deste sistema, que só é exibido quando você escreve uma palavra dentro do app.

Easter eggs são divertidos, curiosos e desafiadores justamente pela dificuldade que podem ter para aparecer. Eles são tão famosos que até receberam um livro dedicado ao assunto dentro dos games , com o Jogador Número 1 , que depois virou filme nas mãos de Steven Spielberg.

Agora, beirando os 25 anos após o lançamento oficial do Windows 95, que aconteceu em 24 de agosto deste mesmo ano, um easter egg foi encontrado dentro do sistema operacional , escondido no programa Internet Mail. O conteúdo não é festivo, não faz a tela piscar e nem altera muito da interface. Ele apenas mostra uma lista de nomes em vermelho.

Se você tem um computador com o Windows 95 em casa, certamente abaixo de uma capa protetora de plástico e que já está amarelada, você precisa fazer o seguinte: clicar no botão do menu Iniciar, ir em Programas, depois abrir o Internet Mail. Nele, clique em “Ajuda” e depois em “Sobre o Microsoft Internet Mail e Notícias”.

Leia Também:  Câmara aprova projeto que libera streamings de contribuir para o cinema nacional

Você viu?

O programa então abre uma tela com informações sobre o próprio app , como versão instalada e algumas dlls envolvidas com ele. Selecione a comctl32.dll e escreva “MORTIMER” no teclado – teclando, mesmo sem aparecer nada na tela.

Se a palavra estiver correta, a tela de Sobre terá a interface removida para um fundo preto com nomes em vermelho que vão subindo, como nos créditos de um filme. Cada nome exibido neste momento é de um desenvolvedor responsável pela criação do Internet Mail para a Microsoft.

Easter egg como no Windows 95 já apareceu anos depois

Easter eggs estão literalmente espalhados por todo lugar, escondidos pelos desenvolvedores e são muito comuns em games. Mesmo nos jogos, alguns levam muitos anos para aparecer em algum lugar. Um deles está dentro de GoldenEye 007 e foi descoberto 15 anos depois do lançamento do game para o Nintendo 64 .

Leia Também:  Facebook, Twitter e Google depõem nos EUA; entenda o que está em jogo

Dentro do código do jogo de tiro em primeira pessoa de James Bond, existem 10 games e um emulador para rodar todos eles, do ZX Spectrum (versão britânica do Commodore 64). A lista inclui Lunar Jetman , Gun fright , Alien 8 e Knight Lore . Este easter egg precisa do trabalho de um desenvolvedor , já que o acesso dele dentro de GoldenEye 007 foi removido por completo antes do lançamento do título.

Outro Easter Egg que tomou tempo para ser descoberto foi em Donkey Kong , na versão do game para o Atari 400/800. Um desenvolvedor colocou as iniciais de seu nome (LMD) no game em 1983, para a informação ser encontrada apenas em 2009, 26 anos depois.

Por fim, Punch-Out escondeu um segredo em forma de easter egg por mais de 29 anos. Nele, um espectadores com barba (o único no lado esquerdo da platéia que não usa barbeador) da luta de boxe para o NES se abaixa sem indicar nada neste momento, mas se o jogador apertar o botão de soco quando ele fizer isso, vence imediatamente duas partidas específicas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Robôs ajudam a desafogar sistema de saúde na pandemia; saiba como

Publicados

em


source
Robôs ajudam durante a pandemia
Unsplash/Franck V

Robôs ajudam durante a pandemia

O uso de inteligência artificial por meio de robôs pode ajudar a fazer a triagem de pacientes para aliviar o sistema de saúde sobrecarregado durante a pandemia da Covid-19. Pesquisadores desenvolveram a Laura, uma assistente virtual capaz de identificar e interpretar informações de quem busca atendimento hospitalar.

O projeto é da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Fundação Getulio Vargas (FGV) e Instituto Laura Fressatto. O algoritmo é capaz de descrever a gravidade da doença de um paciente a partir dos sintomas informados. Isso ajuda no direcionamento dessa pessoa para um profissional adequado, evitando tempo de triagem e encaminhamento.

Caso a pessoa seja identificada com sintomas leves, ela continua sendo monitorada pelo robô, sendo coletadas informações a cada três dias de seu estado de saúde. Caso haja uma piora, um enfermeiro entra em contato por meio de chamada de vídeo, para entender o quadro.

“O paciente entra em contato com a plataforma do robô Laura e digita algumas informações que o robô identifica e interpreta. O paciente tanto pode receber informações, como prevenção, vacinas e orientações sobre Covid-19, mas também pode descrever os sintomas [que está sentindo] para o algorítimo”, disse o médico Murilo Guedes, líder do estudo, à Agência Brasil.

Leia Também:  Correção da Microsoft ainda não resolve falha grave do Windows

Você viu?

Robô capaz de ajudar na saúde

A pesquisa compilou atendimentos realizados na plataforma da Laura com 24,1 mil pessoas entre julho e outubro de 2020. As tiragens foram feitas em três cidades brasileiras: Curitiba (PR), São Bernardo do Campo (SP) e Catanduva (SP).

44,8% dos pacientes analisados foram classificados com sintomas leves de Covid-19, 33,6% dos casos foram considerados moderados e apenas 14,2% foram diagnosticados como casos graves da doença. Os resultados preliminares de viabilidade dessa tecnologia foram publicados no jornal Frontiers in Digital Health.

O estudo segue em andamento e os próximos passos envolvem analisar a segurança do robô para fazer diagnósticos de saúde. Isso é feito medindo a precisão das avaliações médicas fornecidas pela inteligência artificial. Outros testes com a tecnologia já estão sendo aplicados.

Leia Também:  Câmera do WhatsApp com zoom: atualização traz bug no mensageiro

“O que a gente ainda precisa fazer, daqui para a frente, é mostrar que a ferramenta tem eficácia na avaliação dela e que ela é segura. O grande objetivo aqui é otimização de recursos em saúde para desafogar as instituições de saúde”, finalizou Murilo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA