Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

TECNOLOGIA

Prazo apertado: TikTok tem sete dias para resolver situação nos EUA

Publicados

em


source

Olhar Digital

tiktok
Unsplash/Kon Karampelas

TikTok ganha mais sete dias para resolver sua questão nos EUA

O prazo para a compra do TikTok por uma empresa norte-americana foi prorrogado mais uma vez. Inicialmente previsto para o dia 20 de setembro, o banimento do aplicativo nos Estados Unidos foi adiado por diversas vezes, e agora tem uma nova data: 4 de dezembro.

A mudança mais recente se deu após um pedido da ByteDance , controladora do TikTok, por conta da falta de resposta do governo norte-americano sobre os planos apresentados para a continuidade do aplicativo no país. A empresa alegou que não recebe resposta do Comitê de Investimento Estrangeiro dos EUA (CFIUS) há semanas, e pediu mais 30 dias para esclarecer a situação. Com isso, o prazo se estendeu para o dia 27 de novembro.

Leia Também:  Instagram está virando o TikTok? Mario Jr. analisa recurso Reels

Entretanto, a Bloomberg e a Reuters relatam que, em processos judiciais recentes, o TikTok vem usando o dia 4 de dezembro, dizendo que recebeu uma extensão de sete dias.

Segundo um porta-voz do Tesouro dos EUA, o atraso é para que o governo possa analisar com calma uma apresentação da empresa ao CFIUS. Além disso, o TikTok e alguns influenciadores da plataforma levantaram diversos desafios legais para evitar que as proibições propostas entrem em vigor.

Outro ponto de desacordo é a questão presidencial. Com a derrota do atual presidente Donald Trump nas eleições, o novo governo pode não continuar com o processo de banimento. Ainda não está claro qual é o posicionamento do presidente eleito, Joe Biden , sobre a proibição do TikTok, então possivelmente ainda teremos mais alguns capítulos dessa novela.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Rede social anti-Facebook e sem anúncios bomba em número de usuários; conheça

Publicados

em


source

Olhar Digital

MeWe Facebook
Divulgação

MeWe cresce com polêmicas envolvendo o Facebook

Com foco na privacidade dos seus usuários e livre de propagandas, a rede social MeWe ganhou 2,5 milhões de usuários em uma semana. As políticas de privacidade invasivas, a falta de segurança cibernética e os recentes episódios de suspensão de milhares de contas após a  invasão do Capitólio foram alguns dos fatores que têm gerado uma migração massiva e recente do Facebook  a outras plataformas menos populares.

Desde o seu lançamento, em 2016, até outubro do ano passado, os números do MeWe revelam que o serviço ganhou mais 6 milhões de usuários, ultrapassando a marca dos 15 milhões.

Você viu?

De acordo com o MeWe, isso se deve ao fato das pessoas procurarem uma “rede social que respeite seus usuários”. O objetivo da plataforma é aproveitar esse cenário positivo para tentar se tornar a rede social mais popular do momento.

Por enquanto, o principal desafio é trabalhar com uma infraestrutura capaz de suportar esse crescimento tão rápido sem apresentar falhas ou interrupções no serviço. Segundo os investidores da plataforma, o MeWe está pronto para receber novos usuários.

Leia Também:  TikTok removeu mais de 100 milhões de vídeos da plataforma

Aplicativo mais baixado no Android

Vale destacar que o MeWe chegou a ocupar, na última sexta-feira (15), a primeira posição no ranking de aplicativos mais baixados da categoria ‘Social’ na Google Play Store .

O aplicativo, entretanto, acabou perdendo a liderança para o Signal e o Telegramduas alternativas que também vêm crescendo graças às novas políticas de privacidade e compartilhamento de dados do WhatsApp .

Com tradução para 20 línguas diferentes, a rede social também ocupou a primeira posição entre os aplicativos mais baixados em Hong Kong.

Além de gratuito, o MeWe também oferece um serviço premium dentro da plataforma por US$ 1.99 para páginas de negócios. Por fim, resta saber como as outras plataformas rivais, ainda dependentes do formato tradicional de anúncios e coleta de dados , vão responder à ameaça desse novo concorrente.

Leia Também:  Celulares da Black Friday: veja 6 modelos com super descontos

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA