Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

TECNOLOGIA

Netflix pode ficar mais cara em breve, sugere analista

Publicados

em


source
Netflix
Reprodução/Pixabay

Netflix pode ter assinatura mais cara em breve

A Netflix pode aumentar em breve o preço de sua assinatura, de acordo com o analista de mercado Alex Giaimo, da Jefferies. Em nota aos clientes, ele disse que o aumento é provavél no curto e médio prazo, mas pode não afetar o Brasil tão cedo. 

Alex analisou os balanços trimestrais da Netflix e percebeu uma mudança de tom por parte da empresa. “Após uma mudança na linguagem sobre os preços da chamada (do segundo trimestre), acreditamos que um aumento potencial é provável no curto a médio prazo”, disse ele. “No primeiro trimestre, a Netflix disse que ‘nem mesmo estava pensando em aumento de preços’, enquanto a linguagem no segundo trimestre era mais direta”.

Leia Também:  'Falcão e o Soldado Invernal' e mais: veja os lançamentos da semana no Disney+

O analista ainda afirma que uma mudança de um ou dois dólares nas mensalidades da América do Norte e Europa já poderiam gerar uma receita extra entre US$500 milhões e US$1 bilhão à Netflix. 

E a expectativa é justamente essa: de que o ajuste de preço sofra variações pequenas e atinja mercados específicos. Para Alex, o mais provável é que Europa , África e Oriente Médio vejam o preço da Netflix subir. No dia 20 de outubro, a empresa vai revelar o balanço do seu terceiro trimestre de 2020, que pode conter mais informações a respeito de possíveis alterações no valor das assinaturas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Soneca lucrativa: lives com pessoas dormindo crescem na Twitch

Publicados

em


source
Twitch tem 'boom' de lives com pessoas dormindo
Unsplash/Caspar Camille Rubin

Twitch tem ‘boom’ de lives com pessoas dormindo

Um relatório produzido pelo portal Rainmaker.gg, em parceria com o StreamElements, mostrou que cresceu o número de lives em que as pessoas simplesmente se filmam dormindo. Ao todo, as transmissões alcançaram, no mês passado, mais de dois milhões de horas assistidas na Twitch .

A plataforma de livestreaming da Amazon não para de bater recordes de audiência e março foi o maior mês neste quesito, com mais de 2,6 bilhões de horas assistidas. É um aumento de 105% em relação ao ano anterior. Já o sucesso das sonecas ao vivo começou a ser notado há pouco tempo, quando alguns streamers atingiram picos repentinos de visualizações enquanto dormiam.

Mas será que é tão interessante assim assistir alguém cochilando? Analistas foram atrás da resposta e notaram que desde o início da internet os usuários sempre demonstraram um fascínio em saber tudo da vida da outra pessoa, até mesmo como ela dorme.

Leia Também:  'Falcão e o Soldado Invernal' e mais: veja os lançamentos da semana no Disney+

Você viu?

O streamer da Twitch que soube se aproveitar desse fascínio foi Ludwig Ahgren, que acumulou 1,5 milhão de horas assistidas enquanto dormia . Ludwig lançou um desafio em que adicionaria 100 segundos à live a cada novo assinante que ganhasse. A proposta bombou e a live permaneceu ininterruptamente no ar por 31 dias seguidos.

Com o sucesso conquistado, o americano decidiu mudar o desafio. Dessa vez, ao invés de adicionar 100 segundos à live, ele doará US$ 5 para a Humane Society of America ou para o Hospital de Pesquisa Infantil de St. Jude a cada inscrito que conseguir. Antes mesmo de chegar a 200 horas de streaming , Ludwig já tem 200 mil assinantes ativos, chegando perto do recorde de Tyler “Ninja” Blevin, que alcançou 269 mil antes de deixar a Twitch.

Matthew “Mizkif” Rinaudo é outro streamer da Twitch que ganhou notoriedade após filmar sua soneca. Durante uma live em março, o jovem decidiu reposicionar a câmera, arrastar uma roupa de cama para a sala e apagar as luzes. Os espectadores começaram a fazer doações para tocar músicas para acordá-lo. Em pouco mais de cinco horas, “Mizkif” arrecadou US$ 5,5 mil (cerca de R$ 31 mil). Em vez de usar o dinheiro para si, ele presenteou um seguidor com um Nintendo Switch .

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA