Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

TECNOLOGIA

Diagramas vazados de novo Macbook podem comprometer Apple; entenda

Publicados

em


source
Diagramas vazados de novo Macbook devem ajudar consertos por assistências independentes
Rafael Arbulu

Diagramas vazados de novo Macbook devem ajudar consertos por assistências independentes

Um grupo hacker conhecido como “REvil” conseguiu, em abrll, roubar diagramas de um novo Macbook , o laptop vendido pela Apple, pedindo à empresa por um resgate de US$ 50 milhões (R$ 263,6 milhões na conversão direta) ou ela arriscaria ver o material vazado na internet.

A Apple não pagou e, fiel à ameaça, o grupo especializado em ataques de ransomware divulgou alguns materiais roubados. Embora a ação não traga nenhum benefício aos concorrentes da empresa de Cupertino, ele deve beneficiar outro grupo que, ocasionalmente, se vê em combates com ela: as assistências técnicas independentes. 

A premissa é a de que os diagramas (datados de março de 2021, o que confirma que eles se referem a um produto ainda não lançado), da forma como estão, não teriam nenhuma utilidade em ajudar, por exemplo, uma empresa concorrente a construir a sua “versão” de um Macbook.

Mas especialistas em reparos de computadores e dispositivos da Apple, ouvidos pela VICE americana, dizem que as informações postadas configuram, para eles, um “tesouro”: “Nosso negócio depende de coisas como esse vazamento”, disse Louis Rossmann, dono do grupo Rossmann Repair, especializado no conserto de placas mãe e outros componentes lógicos computadorizados. “Isso vai me ajudar a recuperar os dados [supostamente perdidos] de alguém. Alguém vai recuperar suas informações por causa disso”.

O que Rossmann se refere é a dificuldade de conserto de placas lógicas de computadores – especialmente, computadores da Apple. Os diagramas dos Macbooks mostram os meandros e funcionamentos das ditas placas, o que é um diferencial para reparadores independentes. Ainda que consertos comuns, como a troca de uma bateria ou da tela, sejam simples de serem conduzidos, até mesmo especialistas patrocinados pela “Maçã” têm dificuldade em trabalhar com danos mais aprofundados – isso, quando conseguem fazê-lo.

Leia Também:  Tralli, Maju e Bocardi podem substituir Bonner em bancada do JN

“Não dá para você simplesmente chegar [em uma loja] na Apple e dizer ‘Eu te dou R$ 4 bilhões para me devolver esses dados”, disse Rossmann. “Mas quando nós consertamos a placa, nós podemos preservar essas informações”.

Intel compara Core i7 com o novo M1 Apple
Componentes do Macbook, como o processador M1, não necessariamente trazem segredos comerciais, mas mesmo assim são protegidos por leis de direitos autorais. Imagem: Nanain/ Shutterstock

Da forma como são hoje, os diagramas dos Macbooks (ou de qualquer outro computador, aliás) são propriedade intelectual fechada e, consequentemente, o seu compartilhamento sem a permissão dos donos é uma atividade ilegal. Assistências técnicas independentes, por isso, fazem uso de materiais vazados ao compartilhá-los em mídias físicas, como pendrives ou CDs. Para eles, não há falha ética nisso pois tais documentos deveriam ser abertos. E eles não estão sozinhos.

Legisladores norte-americanos vêm há anos tentando reverter o secretismo que gira em torno desse tipo de propriedade, argumentando que o reparo é um direito irrestrito do consumidor e, portanto, desde smartphones até aviões, tais diagramas deveriam ser públicos. Legalmente, a Apple não tem nenhuma obrigação de compartilhar diagramas do Macbook ou de qualquer outro produto, então a empresa simplesmente “escolhe” não fazê-lo.

Contra a Apple, há ainda o fato de que, mesmo que protegidas por direitos de propriedade, os diagramas do Macbook não revelam segredos de indústria ou intenções comerciais. Logo, não podem ser explorados por suas concorrentes. Literalmente, são documentações técnicas sem nenhum tipo de referência a conteúdos protegidos.

“Eu não estou dizendo que sou a favor das pessoas hackearem computadores para obterem essa informação”, complementou Rossmann. “Mas eu preferiria ir à Apple e pagar mil dólares todo ano para obtê-la”.

Leia Também:  Oficial! iPhone 12 tem preço divulgado no Brasil e chega a R$ 14 mil

“A ideia de que há algum trabalho criativo na forma como essas linhas são desenhadas é meio ridícula, mas essa é a regra [hoje]”, disse Gay Gordon-Byrne, diretor executivo da Associação de Assistências Técnicas. “Com diagramas em mãos, você não pode construir um smartphone ou um Macbook. Ele é, basicamente, um guia de como conectar essa parte com aquela parte. Você não sabe o que são as partes ou o que elas fazem. Você apenas percebe que elas se conectam”.

O benefício de um vazamento como esse, segundo os entrevistados, é o de que experts poderão fazer a engenharia reversa para entender como as partes de um Macbook conversam entre si. Hoje, os processos são conduzidos por tentativa e erro, um aprendizado que pode levar anos e cujos resultados são imprevisíveis.

Para simplificar: imagine um carro, com todos os seus componentes. Um motorista quer que você, especialista, explique para ele a relação entre pistões, motores, combustíveis e velas de ignição. Você poderia desmontar um carro e mostrar componente por componente – ou mostrar para ele um diagrama que estabeleça essa relação de forma didática.

No caso dos diagramas do Macbook, ainda há um outro argumento contra a Apple: a empresa praticamente não muda a tecnologia entre as gerações dos aparelhos. “A Apple age como se eles não estivessem usando os mesmos circuitos há anos”, disse Justin Ashford, youtuber dono do canal Art of Repair, um dos mais acessados por entusiastas do mercado. “Tem tanta coisa que é idêntica de, por exemplo, telefone para telefone, que elas estão trocando de lugar. Toda essa conversa sobre ‘segredos comerciais’ é um monte de m****”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Quem é Jorginho d’Orkut, o primeiro influenciador digital do Brasil

Publicados

em


source
Jorginho d'Orkut
Arquivo pessoal

Jorginho d’Orkut



No início de 2020, Jorge Batista Bento da Paz estava em um shopping em Belo Horizonte (MG), quando percebeu que um casal o estava encarando. Depois de um tempo, a dupla se aproximou e perguntou: você não é o  Jorginho d’Orkut ? O próprio.

Jorginho, como é chamado pelos amigos e familiares, fez sucesso na rede social em meados de 2006, quando fez sua campanha eleitoral para deputado estadual por Minas Gerais completamente online – uma inovação para a época. O político, hoje sem mandato, garante que é reconhecido nas ruas pela sua fama no Orkut até hoje, principalmente na sua amada Guaxupé.

“Muitos acreditam que a primeira campanha a utilizar fortemente as redes sociais foi a de Obama, em 2008, mas a minha que foi a pioneira”, afirma Jorginho, que também diz ser o primeiro influenciador digital do Brasil. Ele conta que, em 2006, chegou a ter quase 500 mil amigos no Orkut distribuídos em diversos perfis, já que a rede social não permitia mais que mil amigos por conta. Procurado pela reportagem, o Google , então dono do Orkut, não quis confirmar se o número é verdadeiro.

Campanha 100% virtual

A relação de Jorginho com o Orkut começou alguns anos antes da campanha de 2006, quando ele percebeu que a rede social poderia ser uma boa forma de conseguir votos para o sonhado cargo de deputado estadual. Sem dinheiro para realizar uma boa campanha física, a virtual foi o investimento escolhido.

“Ali, eu enxerguei uma ferramenta poderosa e eficiente que poderia ajudar a realizar uma campanha pela internet. Até então, o que os candidatos faziam era criar um site, com a biografia e as principais propostas de campanha. Ali eu vi um leque muito rico para fazer campanha”, lembra.

Com seus 20 e poucos anos, ele decidiu, então, chamar seu irmão e mais alguns amigos para ajudá-lo. “Todo mundo achou que ia ser uma boa ideia”, conta Thiago Bento, irmão mais novo de Jorge.

O aspirante a influenciador, então, comprou computadores e reformou o fundo da casa onde morava com os pais. “Parecia uma lan house”, lembra. Os amigos eram pagos com algo em torno de um salário mínimo para ficarem trabalhando na imagem de Jorginho d’Orkut.

Site da campanha eleitoral de Jorginho d'Orkut em 2006
Arquivo pessoal

Site da campanha eleitoral de Jorginho d’Orkut em 2006

O nome foi escolhido para associar, ao máximo, Jorge à rede social. Pelo mesmo motivo, seu site de campanha tinha o layout da plataforma, como na imagem acima. Cada um dos membros da equipe improvisada ficava responsável por uma certa quantidade de perfis no Orkut , todos com o mesmo nome. O objetivo era entrar em comunidades de cidades de Minas Gerais e adicionar o máximo possível de pessoas.

Leia Também:  Fundador do Alibaba desapareceu? Entenda os rumores do sumiço do bilionário

O time trabalhava de madrugada, quando a internet, ainda discada, era mais barata e rápida. “Pegamos a relação das 853 cidades de Minas Gerais, por ordem alfabética e criamos uma grande quantidade de perfis. A ideia era adicionar todos os membros da comunidade no Orkut de cada cidade mineira, um por um”, conta Jorginho. “Essa turma folgava só de sábado para domingo”, lembra.

Ele lembra que a estratégia para ‘hitar’ na rede social era baseada em três pilares. Além da imagem atrelada à do Orkut e do grande número de amigos, a interação também era essencial. Todos os amigos de Jorginho recebiam mensagens de aniversário e scraps do amigo virtual, que foi se tornando famoso na região.

Thiago lembra que a fama foi tanta que começaram a surgir comunidades sobre Jorginho. “Tinham várias engraçadas, porque muita gente de Minas Gerais recebia solicitação de amizade dele, aí ninguém entendia muito bem o que que era”.

Você viu?

‘Jorginho d’Orkut é um vírus’, ‘Sou amigo do Jorginho d’Orkut’, ‘Jorginho d’Orkut é carente’ e ‘Jorginho d’Orkut não existe’ eram algumas das comunidades, lembram os irmãos.

Campanha ficou para a história

Jorginho conta que sua fama extrapolou os limites do Orkut e, em passagens por outras cidades, como Belo Horizonte, chegou a ser reconhecido nas ruas e até a dar autógrafos. A campanha, conta ele, ficou famosa em todo o Brasil.

Depois de dois anos se popularizando na rede social , Jorginho partiu, de fato, para a campanha. Ele lembra que muitos políticos o contataram para tentar fazer campanhas parecidas. “Foi bem estruturado o trabalho e com bastante antecedência. Muito candidato procurou, na hora que o trem bombou, nas vésperas das eleições, querendo informações. Eu explicava: não é de agora, é um trabalho feito desde 2004”, afirma.

Até hoje, é possível encontrar referências à campanha de Jorginho em artigos científicos da área do direito e do marketing político. A advogada Ana Amelia Menna Barreto, que acompanha a legislação eleitoral a respeito de campanhas na internet desde 2004, lembra que Jorginho foi um  case de sucesso.

“A coisa foi muito grande. Ele ousou, ele virou um case porque ele ousou utilizar a rede social. Ele foi um precursor, se fala de Orkut e se lembra dele. Teve uma badalação muito grande acerca do candidato, que usou as redes sociais quando nem se usava. Depois que ele abriu esses caminhos, outros utilizaram. Ele definitivamente foi um case que ficou para a história, como o primeiro a ter usado as redes sociais como plataforma de campanha [no Brasil]”, afirma a advogada.

Leia Também:  Agora vai? Libra, moeda digital do Facebok, pode ser lançada em janeiro

Na ocasião, diz ela, a legislação eleitoral a respeito do uso de redes sociais ainda era muito nebolusa por estar em desenvolvimento. Por isso, alguns candidatos tinham medo por não saberem se era permitido, de fato, utilizar as plataforma digitais para este fim.

Campanha de sucesso? Quase!

O grande  case de sucesso de Jorginho d’Orkut é, também, uma grande frustração para Jorge. E nem foi porque a legislação eleitoral encontrou algum problema em sua campanha, mas sim porque o próprio Orkut derrubou todos os seus perfis. “Foi trágico”, afirma.

Banner da campanha eleitoral de Jorginho d'Orkut em 2006
Arquivo pessoal

Banner da campanha eleitoral de Jorginho d’Orkut em 2006

“Na reta final da campanha, o Orkut simplesmente apagou todos os perfis do Jorginho d’Orkut da plataforma. Todo o trabalho realizado em mais de dois anos havia sido apagado em um piscar de olhos, do dia para a noite. Não pude nem ao menos pedir o voto de confiança de seus amigos virtuais”, conta o político.

Jorginho conta que, na época, chegou a ir à sede do Google em Belo Horizonte e enviou um email a Orkut Büyükkökten , o fundador da rede social, mas não obteve retorno. “Até hoje, eu não sei o que aconteceu, simplesmente apagaram todos os perfis em um momento crucial”. Procurado pela reportagem, o Google optou por não comentar o caso.

“É lógico que não era todo mundo que iria votar. Mas se 5%, 10% retornassem em voto, seria mais do que o suficiente para ser eleito. Mas, infelizmente, aconteceu isso deles apagarem. Então, foi um balde de água fria na nossa campanha na última hora”, lembra. Ao todo, Jorginho conseguiu 16.360 votos, insuficientes para elegê-lo como deputado estadual por Minas Gerais. “Infelizmente, tudo se findou restando apenas uma boa história a ser contada”.

Hoje, Jorge segue na vida política, mas confessa que “ficou com trauma” das campanhas por redes sociais . Em 2020, tentou se eleger prefeito de Guaxupé, mas acabou em terceiro lugar na disputa.

Do Jorginho d’Orkut , restou apenas um fã saudosista da rede social mais amada pelos brasileiros. “Hoje é muito capitalista, aparece propaganda de muita coisa, então isso estraga as redes sociais. Eu ainda sou fã do Orkut, acho que deveria voltar uma versão com o nome Orkut mesmo. Eu sei que o dono criou uma outra rede social lá, mas acho que ele tinha que criar um Orkut versão 5G com o nome Orkut mesmo. Não sendo capitalista igual são as demais redes sociais, acho que ia ter mais graça”, opina.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA