Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

TECNOLOGIA

Cuidado com o WhatsApp Rosa: novo golpe pode controlar celulares das vítimas

Publicados

em


source
WhatsApp Rosa? Novo golpe pode assumir controle de celulares afetados
Gabriel Sérvio

WhatsApp Rosa? Novo golpe pode assumir controle de celulares afetados

Um novo malware que visa os usuários do WhatsApp está circulando pelos grupos do mensageiro. A ameaça, chamada “WhatsApp Pink”, envia um link suspeito que promete acesso a “novos recursos” e a mudança do tema do aplicativo da cor verde, marca registrada do serviço, para o rosa.

A recomendação dos especialistas em cibersegurança , como de costume, é evitar acessar links suspeitos em qualquer situação. Para atingir mais vítimas, o golpe se disfarça como se fosse uma atualização oficial do serviço.

O aplicativo emitiu uma nota ao site HackRead sobre o problema, declarando que “qualquer pessoa pode receber uma mensagem incomum ou suspeita”. Sempre que isso acontecer, o mensageiro encoraja seus usuários a terem cuidado.

Leia Também:  Apple tentou comprar startup de carros elétricos em 2020, diz site

Você viu?

Malware bloqueia conta do WhatsApp

Caso o usuário eventualmente clique no link, seu celular pode ser invadido e a conta do WhatsApp comprometida. A má notícia é que muitos estão compartilhando o vírus sem saber ao certo do que se trata.

O especialista em segurança digital Rajshekhar Rajaharia, que inicialmente descobriu o malware, alertou os usuários: “Cuidado com o WhatsApp Pink ! Um vírus está sendo espalhado em grupos do Whatsapp com um link para download de um APK.” Arquivos APK (Android Package) são pacotes destinados ao sistema Android . Ele pode ser comparado, por exemplo, com os arquivos de instalação de software do Windows.

Rajaharia reforça para que os usuários não acessem o link, já que isso também pode travar o acesso ao celular das vítimas: “Não clique em nenhum link com o nome #WhatsappPink. O acesso completo ao seu telefone será perdido.”

Outra dica que vale para evitar dores de cabeça, é não instalar nenhum arquivo em formato APK diferente daqueles disponíveis na Play Store . Segundo o especialista, outros aplicativos maliciosos também podem ser usados ​​para roubar dados pessoais como fotos, SMS, contatos e outros.

Por fim, o WhatsApp pede que os usuários utilizem as ferramentas disponíveis no mensageiro para enviar denúncias em caso de problemas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Apple barrou quase 2 milhões de aplicativos perigosos em 2020

Publicados

em


source
Apple barrou aplicativos fraudulentos
Unsplash/Mihai Moisa

Apple barrou aplicativos fraudulentos

A Apple barrou quase dois milhões de aplicativos da App Store durante o ano de 2020, de acordo com estatísticas divulgadas pela própria empresa. Além disso, cerca de US$ 1,5 bilhão em pagamentos possivelmente fraudulentos foram impedidos. Esse tipo de divulgação é inédita para a gigante de tecnologia.

O número exato de aplicativos bloqueados ao longo do ano não foi revelado, mas a Apple afirma que “quase um milhão” de novos apps e “quase um milhão” de atualizações em apps já existentes foram rejeitados. Destes, 215 mil realizavam alguma violação de privacidade , 48 mil tinham “funções ocultas”, 150 mil eram clones de outros aplicativos e 95 mil tentaram adicionar recursos maliciosos depois de ganhar a confiança dos usuários.

Esta é a primeira vez que a Apple divulga abertamente estes dados. Embora não tenha citado isso em seu relatório, é possível que a  disputa judicial com a Epic Games tenha motivado a companhia a aumentar a transparência da App Store .

Leia Também:  Celular com oito câmeras pode ser lançado por fornecedora de Apple e Samsung

No processo, a Epic Games mostrou um documento que revela que a Apple soube de mais de 128 milhões de usuários que instalaram aplicativos com comportamento oculto em 2015. No documento público deste ano, a gigante de tecnologia reconheceu que é impossível detectar todos os problemas.

No relatório, a Apple ainda informou que sua loja de aplicativos impediu, em 2020, o uso de três milhões de cartões de créditos roubados, bloqueou um milhão de contas e barrou transferências “potencialmente fraudulentas” que somam US$ 1,5 bilhão.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA