Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ALERTA

Variante Ômicron deixa 10 capitais em alerta crítico e intermediário

Publicados

em

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou uma nota técnica em que informa que um terço das unidades da federação e 10 capitais encontram-se nas zonas de alerta intermediário e crítico, segundo análise das taxas do dia 10 de janeiro em comparação com a série histórica e considerando a ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o Observatório Covid-19 da Fiocruz, entre as capitais, Fortaleza (88%), Recife (80%), Belo Horizonte (84%) e Goiânia (94%) estão na zona de alerta crítico e Porto Velho (76%), Macapá (60%), Maceió (68%), Salvador (68%), Vitória (77%) e Brasília (74%) na zona de alerta intermediário.

Segundo a análise, até o momento, o patamar de leitos é diferente do verificado em 2021, mas a fundação alerta para um crescimento nas taxas de ocupação de leitos de UTI diante da ampla e rápida proliferação da variante Ômicron no Brasil. Entretanto a Fiocruz avalia que “menções a um possível colapso no sistema de saúde, neste momento, são incomparáveis com o que foi vivenciado em 2021”.

Leia Também:  Acordo com indústria de pescado estabelece indenização de R$ 165 mil

De acordo com os pesquisadores do Observatório Covid-19, o número de internações em UTI hoje ainda é predominantemente muito menor do que aquele observado em 2 de agosto do ano passado, por exemplo, quando leitos começavam a ser retirados, mas ressalta que o grande volume de casos já está demandando de gestores atenção e o acionamento de planos de contingência.

“Sem minimizar preocupações com o novo momento da pandemia, consideramos fundamental ratificar a ideia de que temos um outro cenário com a vacinação e as próprias características das manifestações da covid-19 pela Ômicron. Não podemos deixar de considerar o fato de a ocupação de leitos de UTI hoje também refletir o uso de serviços complexos requeridos por casos da variante Delta e casos de Influenza”, disseram os pesquisadores.

Os pesquisadores alertam ainda que é importante também reorganizar a rede de serviços de saúde por conta dos desfalques de profissionais afastados por contrair a infecção, garantir a atuação eficiente da atenção primária em saúde no atendimento a pacientes empregando, por exemplo, teleatendimento, e prosseguir com a vacinação da população.

Leia Também:  Projeto social de empresário da mineração financia Hospital Geral de Poconé

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Prefeito anuncia início da vacinação para crianças de 5 a 11 anos em Cuiabá

Publicados

em

O prefeito Emanuel Pinheiro anunciou, por meio de live nesta terça-feira (18), que crianças com idade entre 5 a 11 anos serão imunizadas a partir do dia 20 de janeiro (quinta-feira), no aniversário de um ano da aplicação da primeira dose de vacina contra o coronavírus em Cuiabá. Pais ou responsáveis deverão entrar no site www.vacina.cuiaba.mt.gov.br , escolher o grupo no qual a criança se encaixa e preencher os dados com atenção.

Do dia 20 ao dia 22, apenas o polo da Unic Beira Rio realizará a vacinação deste público, devido ao baixo quantitativo de doses recebidas. Foram 3.580 doses exclusivas para crianças e, conforme dados do Ministério da Saúde, a estimativa é de 60.659 crianças de 5 a 11 anos que residem na Capital.

“Trago aqui uma boa notícia ao nosso povo cuiabano. A partir de quinta-feira, 20, começamos a imunizar os nossos cuiabaninhos e cuiabaninhas. Para acabarmos com esse vírus e esse momento terrível em que o mundo vive, só vacinando para conseguirmos sair dessa e voltarmos à nossa rotina. Peço aos pais ou responsáveis por essas crianças que cadastrem-as para que elas sejam imunizadas. Pelos amor de Deus, pai, mãe, avó ou tia que cuidam das nossas crianças, eu faço um apelo, vacinem as nossas crianças”, pediu o gestor.

Leia Também:  Mais de 3,6 milhões de vacinas da Pfizer chegam ao Brasil

Conforme o cronograma do Ministério da Saúde, crianças com morbidades ou com deficiência permanente devem ser os primeiros imunizados, seguidos pelas crianças quilombolas. Posteriormente, aquelas crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 (por exemplo: lares com pessoas com HIV positivo, pacientes oncológicos, pacientes que realizam hemodiálise rotineiramente e pessoas imunossuprimidas).

Só poderão vacinar crianças que tenham até 11 anos completos (nascidas entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2011).

Conforme o prefeito, a partir da próxima semana, mediante a chegada de maior quantitativo de doses, os polos de vacinação Unic Beira Rio (Região Leste), USF Paiaguás (Região Norte), USF Quilombo (Região Oeste), USF do Pedra 90 Ie II e ainda USF Parque Cuiabá (Região Sul) aplicarão a vacina nas crianças. Já nas zonas rurais, a USF Guia, o Programa Amor I e Amor II atenderão essas demandas.

Já as crianças acamadas serão atendidas por uma equipe do Consultório na Rua.

A Prefeitura de Cuiabá divulgará o começo de cada faixa etária nos seus canais de comunicação – (site e redes sociais).

Leia Também:  Covid-19: mortes voltam a passar de 2 mil por dia na média móvel

Até a última segunda-feira (17), a Prefeitura de Cuiabá aplicou mais de 400 mil primeiras doses para a população acima de 18 anos, o que corresponde a cerca de 90% da cobertura vacinal. Já com a segunda dose ou dose única foram aplicadas mais de 374 mil vacinas, que correspondem a 81,5% da população acima de 18 anos totalmente imunizada. Em relação às doses de reforço e doses adicionais (para imunossuprimidos), foram cerca de 100 mil aplicações, o que corresponde a 14,4% da população adulta.

Mais de 42 mil adolescentes de 12 a 17 anos tomaram a primeira dose, o que corresponde a 70% desse público imunizado. Com a segunda dose foram vacinadas cerca de 4100 adolescentes, ou 31% deste grupo com o esquema vacinal completo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA