Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

INFORMAÇÕES

Saiba as regras para a entrada de viajantes no Brasil

Publicados

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta segunda-feira (29) um guia com informações necessárias aos viajantes para a entrada no Brasil por via aérea, terrestre e marítima. O documento tem como base a Portaria 660/2021, publicada pela Casa Civil no sábado (27) e que estabelece restrições específicas e temporárias para a entrada de viajantes no país diante do surgimento da variante Ômicron.

Restrições

Estão proibidos, em caráter temporário, voos com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pelos seguintes países: República da África do Sul; República de Botsuana; Reino de Essuatíni; Reino do Lesoto; República da Namíbia e República do Zimbábue.

Está suspensa também, em caráter temporário, a autorização de embarque para o Brasil de viajantes estrangeiros, procedentes ou com passagem nos últimos 14 dias antes do embarque, por esses países.

Entrada de brasileiros

As regras, segundo a Anvisa, não restringem a entrada de brasileiros, de qualquer natureza ou origem. “Brasileiros não têm restrição de acesso ao país”, reforçou a agência, por meio de nota.

No momento, brasileiros que estiveram em um dos seis países listados precisam cumprir quarentena de 14 dias em sua cidade de destino final no Brasil.

É preciso também preencher a Declaração de Saúde do Viajante nas 24 horas anteriores ao embarque para o Brasil.

Leia Também:  A importância da atuação do biomédico na equipe multiprofissional

Os viajantes devem ainda apresentar um exame RT-PCR não detectável (negativo), realizado nas últimas 72 horas antes do embarque, ou exame negativo do tipo antígeno, realizado em até 24 horas antes do embarque.

Crianças menores de 12 anos de idade viajando acompanhadas não precisam apresentar o exame, desde que todos os acompanhantes apresentem documentos com resultado negativo ou não detectável.

Estrangeiros

De acordo com a Anvisa, estrangeiros que não passaram pelos seis países da lista de restrição podem entrar no Brasil desde que atendam às mesmas determinações válidas para viajantes brasileiros.

Está suspensa a entrada de estrangeiros procedentes ou com passagem, nos últimos 14 dias antes do embarque, por qualquer dos seis países listados, com exceção para estrangeiros que atendam um dos seguintes critérios: estrangeiro com residência de caráter definitivo, por prazo determinado ou indeterminado, em território brasileiro; profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que identificado; funcionário estrangeiro acreditado junto ao governo brasileiro; estrangeiro que seja cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador de brasileiro; cujo ingresso seja autorizado especificamente pelo governo brasileiro em vista do interesse público ou por questões humanitárias; e portador de Registro Nacional Migratório.

Leia Também:  Licenciamento de veículos com placas finais 5, 6 e 7 vence dia 30 de setembro

Chegada de voos

Estão proibidos voos com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pela República da África do Sul, República de Botsuana, Reino de Essuatíni, Reino do Lesoto, República da Namíbia e República do Zimbábue.

A restrição não se aplica à operação de voos de cargas, manipuladas por trabalhadores paramentados com equipamentos de proteção individual (EPIs), cujos tripulantes deverão observar os protocolos sanitários especificados na portaria da Casa Civil.

Cruzeiros

Viagens de navios de cruzeiro, segundo a Anvisa, continuam autorizadas, sendo obrigatório o cumprimento do protocolo estabelecido pela Anvisa.

Estão autorizados somente navios que naveguem exclusivamente em águas brasileiras durante a temporada de cruzeiro.

Navios de carga

A operação de navios de carga também segue autorizada. As embarcações, de acordo com a agência, devem seguir protocolos rígidos, que preveem exames para embarque e desembarque de tripulantes e quarentena diante de caso suspeito ou confirmado a bordo.

Acesso terrestre

A Anvisa destaca que permanece proibida a entrada no país de estrangeiros de qualquer nacionalidade por rodovias ou quaisquer outros meios terrestres.

As exceções previstas na portaria incluem, por exemplo, o transporte de carga e o trânsito entre cidades-gêmeas (municípios que sejam cortados pela linha de fronteira, seca ou fluvial).

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Prefeito anuncia início da vacinação para crianças de 5 a 11 anos em Cuiabá

Publicados

em

O prefeito Emanuel Pinheiro anunciou, por meio de live nesta terça-feira (18), que crianças com idade entre 5 a 11 anos serão imunizadas a partir do dia 20 de janeiro (quinta-feira), no aniversário de um ano da aplicação da primeira dose de vacina contra o coronavírus em Cuiabá. Pais ou responsáveis deverão entrar no site www.vacina.cuiaba.mt.gov.br , escolher o grupo no qual a criança se encaixa e preencher os dados com atenção.

Do dia 20 ao dia 22, apenas o polo da Unic Beira Rio realizará a vacinação deste público, devido ao baixo quantitativo de doses recebidas. Foram 3.580 doses exclusivas para crianças e, conforme dados do Ministério da Saúde, a estimativa é de 60.659 crianças de 5 a 11 anos que residem na Capital.

“Trago aqui uma boa notícia ao nosso povo cuiabano. A partir de quinta-feira, 20, começamos a imunizar os nossos cuiabaninhos e cuiabaninhas. Para acabarmos com esse vírus e esse momento terrível em que o mundo vive, só vacinando para conseguirmos sair dessa e voltarmos à nossa rotina. Peço aos pais ou responsáveis por essas crianças que cadastrem-as para que elas sejam imunizadas. Pelos amor de Deus, pai, mãe, avó ou tia que cuidam das nossas crianças, eu faço um apelo, vacinem as nossas crianças”, pediu o gestor.

Leia Também:  Telemedicina já era realidade na cardiologia antes da pandemia

Conforme o cronograma do Ministério da Saúde, crianças com morbidades ou com deficiência permanente devem ser os primeiros imunizados, seguidos pelas crianças quilombolas. Posteriormente, aquelas crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 (por exemplo: lares com pessoas com HIV positivo, pacientes oncológicos, pacientes que realizam hemodiálise rotineiramente e pessoas imunossuprimidas).

Só poderão vacinar crianças que tenham até 11 anos completos (nascidas entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2011).

Conforme o prefeito, a partir da próxima semana, mediante a chegada de maior quantitativo de doses, os polos de vacinação Unic Beira Rio (Região Leste), USF Paiaguás (Região Norte), USF Quilombo (Região Oeste), USF do Pedra 90 Ie II e ainda USF Parque Cuiabá (Região Sul) aplicarão a vacina nas crianças. Já nas zonas rurais, a USF Guia, o Programa Amor I e Amor II atenderão essas demandas.

Já as crianças acamadas serão atendidas por uma equipe do Consultório na Rua.

A Prefeitura de Cuiabá divulgará o começo de cada faixa etária nos seus canais de comunicação – (site e redes sociais).

Leia Também:  Brasil tem 171 mortes por covid-19 em 24h

Até a última segunda-feira (17), a Prefeitura de Cuiabá aplicou mais de 400 mil primeiras doses para a população acima de 18 anos, o que corresponde a cerca de 90% da cobertura vacinal. Já com a segunda dose ou dose única foram aplicadas mais de 374 mil vacinas, que correspondem a 81,5% da população acima de 18 anos totalmente imunizada. Em relação às doses de reforço e doses adicionais (para imunossuprimidos), foram cerca de 100 mil aplicações, o que corresponde a 14,4% da população adulta.

Mais de 42 mil adolescentes de 12 a 17 anos tomaram a primeira dose, o que corresponde a 70% desse público imunizado. Com a segunda dose foram vacinadas cerca de 4100 adolescentes, ou 31% deste grupo com o esquema vacinal completo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA