Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SUS

Pandemia derrubou em 35% número de consultas oftalmológicas em 2020

Publicados

em

A pandemia de covid-19 afetou de forma significativa o número de consultas e cirurgias relacionadas à visão no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS) em 2020. De acordo com dados apurados pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a partir de registros do Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS, cerca de 3,7 milhões de consultas deixaram de ser realizadas, uma queda de 35%. No caso das cirurgias, houve uma redução de 390 mil procedimentos, redução de 27%. A comparação é em relação a 2019, ano pré-pandemia.  

Sem a realização de consultas e exames para detectar problemas logo na fase inicial, milhares de pessoas foram prejudicadas. “Certamente, elas receberão um laudo sobre o estado de sua saúde ocular com os problemas instalados em estado mais avançado. Desta forma, o controle dessas doenças fica mais complexo e difícil, com aumento da possibilidade de comprometimento da visão, seja total ou parcial”, avalia o presidente do CBO, José Beniz Neto.

Consultas

Segundo o levantamento do CBO, em 2019, foram realizadas 10,8 milhões de atendimentos médicos em oftalmologia pelo SUS. No ano seguinte, a quantidade baixou para 7,1 milhões, a maior queda em termos absolutos entre todas as especialidades disponíveis na rede pública, segundo a entidade. Os dois primeiros meses após a decretação de calamidade pública (abril e maio de 2020) apresentaram os piores índices, com redução de 74% e 71%, respectivamente, no total de procedimentos.

Nestes dois meses, foram realizadas, em 2019, um total de 1,8 milhão de consultas. No mesmo intervalo, durante o primeiro ano da pandemia, foram oferecidas 509 mil, o que representa menos de um terço. Para a CBO, “esse resultado tem consequência direta no diagnóstico e no tratamento precoces de doenças oftalmológicas, como glaucoma, catarata ou retinopatia diabética”.

Leia Também:  Servidores da Desenvolve MT participam de palestra sobre câncer de próstata

Cirurgias

No caso das cirurgias, os dados do SIA/SUS também mostram que, em 2020, no primeiro ano da pandemia, foram realizados quase 390 mil procedimentos cirúrgicos no aparelho da visão a menos do que em 2019. Em 2020, foram realizadas pouco mais de 1 milhão de cirurgias oftalmológicas. No ano anterior, houve o registro de 1,4 milhão.

Na avaliação do CBO, os protocolos que restringiram o acesso dos pacientes às cirurgias eletivas para ampliar a infraestrutura de atendimento para pessoas com covid-19, assim como para reduzir a exposição ao vírus dentro das unidades, foram os fatores que contribuíram para que este quadro de queda na produção se instalasse.

Retomada

Os dados de janeiro a junho de 2021 sugerem uma tendência de recuperação no volume de consultas, mas os índices não devem superar a produção de 2019, último período em que o atendimento aconteceu sem intercorrências, prevê o CBO. Isso porque até o primeiro semestre de 2019, cerca de 5,2 milhões de consultas oftalmológicas haviam sido realizadas na rede pública. Já no ano atual, no mesmo intervalo, este total ficou em 4,8 milhões.

Na avaliação dos especialistas, esta melhora do desempenho é consequência do avanço da vacinação e da maior facilidade de acesso dos pacientes às unidades de atendimento ambulatorial e hospitalar. Neste processo de retomada dos cuidados com os olhos, o levantamento aponta que os pacientes de 60 a 64 anos foram os que mais realizaram consultas no primeiro semestre de 2021, com 534,5 mil atendimentos. Pessoas entre 60 e 74 anos representaram 31% do total de consultas feitas, em seguida, a faixa de menores de 1 ano ocupa o quarto lugar nos consultórios oftalmológicos, com o total de 412,1 mil atendimentos no período analisado.

Leia Também:  Covid-19: 354 milhões de doses estão asseguradas em 2021, diz Pazuello

O levantamento revela ainda que a faixa etária de 65 a 69 anos foi a que mais realizou cirurgias nos olhos no primeiro semestre de 2021. Pessoas a partir dos 55 anos representam 67% de todos os procedimentos cirúrgicos realizados no período, somando 404 mil cirurgias do aparelho da visão. Considerando o primeiro semestre deste ano, a cirurgia do aparelho de visão mais realizada foi a facoemulsificação com implante de lente intraocular dobrável. Ela corresponde a 37% do total dos procedimentos realizados, somando 265 mil cirurgias. Em seguida, aparecem: tratamento cirúrgico de pterigio (79,3 mil) e fotocoagulação a laser (70,8 mil).

Entre janeiro e julho de 2021, com a retomada das cirurgias eletivas nos hospitais, houve uma melhora no número de cirurgias do aparelho da visão, mas o cenário ainda é preocupante, na avaliação do CBO. Neste intervalo, foram registrados 717,7 mil procedimentos, patamar 29% superior aos 555,4 mil de 2020, mas ainda é 13% inferior aos dados de 2019 (829,5 mil).

Em termos regionais, o levantamento aponta que o Nordeste teve a redução percentual mais significativa, com 39% menos cirurgias em 2020, em comparação com o ano anterior. Em seguida, estão Centro-Oeste (-34%), Sul (-33%) e Sudeste (-22%). O Norte sofreu déficit de apenas 1%.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Busca por cirurgias bariátricas crescem no Brasil durante a pandemia

Para falar de cirurgia bariátricas é preciso inicialmente entender como funciona e, qual a importância desse processo na vida de uma pessoa. A busca pelo procedimento teve um número acentuado no último ano.

Publicados

em

Por: Mailson Prado

Para um leigo, ao falar de cirurgia bariátrica a resposta é basicamente a mesma; ‘’operação do estômago’’, fala sucinta de fato. Mas a verdade é que, a gastroplastia, também chamada de cirurgia bariátrica abrange um campo muito maior na vida do paciente. Um dos fatores que levam ao procedimento são os efeitos da obesidade.

Imagem: Doutor Felipe Mota

Durante a pandemia descobrimos que algumas comorbidades agravam os sintomas da Covid-19, neste caso o excesso de peso e suas consequências. Para o médico Felipe Mota, algumas questões com relação a concepção do procedimento, indicações e contra indicações, devem ser levadas em consideração, bem como o perfil do público e a rotina de cada paciente.

Segundo o médico, no ano passado foram observadas duas vias de crescimento na busca pela cirurgia, sendo elas os seguintes grupos: o primeiro é formado por pessoas obesas, que devido à pandemia ficou mais temeroso com a COVID, a obesidade acarreta comorbidades, um dos grandes fatores de risco para as complicações com a doença; já o segundo grupo é formado por pessoas que tiveram um ganho de peso considerável por conta da pandemia. Onde os especialistas observaram um número crescente de ‘’novos obesos’’ e candidatos à cirurgia bariátrica.

Os últimos dados apresentados pelo Ministério da Saúde reafirmam que a procura pela cirurgia bariátrica aumentou em 2020, e continua aumentando. As informações são ainda mais alarmantes no que diz respeito a sobrepeso e obesidade da população nacional. Cerca de 55% da população hoje está com IMC acima de 25%, isso signica sobrepeso. Já outros 20% com o IMC acima de 30, ou seja, 20% da população obesa. “A obesidade é multifatorial e suas causas podem estar relacionadas a aspectos genéticos, ambientais e emocionais, que atuam muitas vezes de forma simultânea”, explica o cirurgião.

Leia Também:  Covid-19: 354 milhões de doses estão asseguradas em 2021, diz Pazuello

A bariátrica é um procedimento que envolve muito estudo, muito cuidado e atenção, pois tem o mesmo risco que qualquer outra cirurgia. Felipe conta que, antes de todo o processo o paciente passa por uma análise onde são observados vários fatores, “nós avaliamos o Índice de Massa Corporal (IMC), idade, doenças associadas e o tempo de cada uma delas. Sobre o IMC, fazemos uma conta para classificar o paciente e o grau de obesidade”.

De acordo com o médico a conta para encontrar o IMC é básica, “nós calculamos o peso sobre altura ao quadrado, o resultado é uma prévia do grau que o paciente está classificado, a partir daí classificamos se é cirúrgico ou não”, esclareceu.

Mas atenção, os casos nem sempre são cirúrgicos. “Quando o paciente não atinge o índice de 40, por exemplo, e o IMC é calculado entre 30 e 35, na presença de diabetes tipo 2, classificada como uma doença grave, o protocolo é o encaminhamento para tratamento endócrino, para tratar dos sintomas hormonais e metabólicos”, revela.

Com relação à idade do paciente e a realização do procedimento é bem ampla. São pacientes de 18 a 65 anos, “os menores de 18 anos é necessário uma conscientização da família ou do responsável para autorizar a cirurgia. Acima de 65 anos é preciso uma avaliação individual pela equipe multidisciplinar, que trabalha junto do cirurgião, nutricionista, psicólogo e endocrinologista que atuam para avaliar a situação”, salienta Felipe Mota.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 165 mil mortes e tem 5,84 mi de casos

Cuidados no pré e pós-operatório

O começo, meio e o fim, em importante em tudo na vida, seja o que for. Para quem se submete a procedimentos cirúrgicos bariátricos é preciso seguir a risca todos os protocolos.

“Na fase do pré-operatório, o cirurgião recomenda que o paciente se esforce para perder um pouco de peso, os quilos perdidos vão ajudar numa melhor condição da anestesia e da cirurgia, já no pós-operatório o esforço tem que ser ainda maior, o sucesso depende muito da contribuição do paciente”, avalia o médico.

É preciso ter convicção dos passos que serão dados dia após dia, “alguns fatores são muito importante, é preciso disciplina e reeducação alimentar. Para a progressão da cirurgia é fundamental que o paciente siga a alimentação administrada pelo nutricionista, junto da utilização correta dos medicamentos prescritos pelo cirurgião”, pontua Felipe.

Outro ponto muito importante são os retornos médicos, como afirma o doutor Felipe. ‘’É muito importante o paciente ter esse retorno, se comprometer ao retorno ambulatorial para o acompanhamento presencial’’, diz o cirurgião.

Depois de toda essa jornada é aconselhável adotar uma vida saudável, com a prática de exercícios, “o fato de fazer a redução de estômago, não quer dizer que o paciente está livre de ganhar peso, por isso recomendamos, cuide do corpo e da mente, esses dois últimos são fundamentais para a conquista por completo”, motiva Dr. Felipe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA