Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

AVC

Atendimento rápido salva vidas e reduz sequelas de infarto

713 pessoas morreram vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) este ano em Mato Grosso

Publicados

em

O acidente vascular cerebral (AVC) é a segunda causa de morte e a primeira causa de incapacidade no mundo. No Brasil, de acordo com dados do serviço de tecnologia da informação do Ministério da Saúde (DataSUS), foram registrados mais de 100 mil óbitos por conta do AVC no ano de 2019.

Em Mato Grosso, este ano já foram registrados 952 óbitos, de 1º de janeiro a 11 de outubro, segundo o Portal da Transparência do Registro Civil. Nesse mesmo período de 2020 foram 713 mortes. Em todo o ano passado, 991 pessoas não resistiram ao AVC.

O reconhecimento dos sinais de alerta em conjunto com o rápido tratamento de urgência são fatores determinantes para salvar vidas e reduzir os riscos de sequelas.

Foi o que aconteceu há cerca de dois meses quando o assessor parlamentar, Antônio Pinheiro, de 36 anos, chegou à emergência do Hospital Santa Rosa com paralisia do lado esquerdo do corpo e fortes dores de cabeça. Antônio teve um AVC isquêmico e a agilidade no socorro e no atendimento garantiram que ele pudesse retornar à sua casa, sem sequelas.

“Era uma segunda-feira, dia 02 de agosto, depois de um final de semana com a família no Manso, precisei retornar para nossa chácara para buscar um remédio que minha esposa tinha esquecido lá. Estava com uma amiga e quando entramos na estrada de terra, comecei a sentir dores fortes na cabeça e em questão de minutos meu lado esquerdo paralisou. Na hora, pedi a ela que avisasse minha família e fosse dirigindo pra mim. Quando chegamos na chácara, minha esposa já tinha conseguido contato com meu médico e ele orientou que corressem comigo pro Santa Rosa, pois os sintomas eram típicos de um AVC. Foi o que me salvou. Se eu estivesse sozinho no carro, teria morrido”, relembra Antônio.

Leia Também:  Projeto anula norma do governo sobre segurança cibernética na rede 5G

Com menos de uma hora de sintomas, Antônio deu entrada no hospital e deram início ao protocolo AVC na unidade de emergência. “Começaram o atendimento na calçada, antes mesmo de eu sair do carro”, ressalta o assessor parlamentar.

.Antônio Pinheiro hoje faz monitoramento periódico. Foto: (Divulgação / Assessoria HSR)

De acordo com a médica neurologista, especialista em distúrbios do movimento e atual coordenadora do serviço de neurologia do Hospital Santa Rosa, Ariely Teotonio Borges, a rapidez no reconhecimento dos sintomas e o socorro em tempo curto foram determinantes para salvar a vida do Antônio.

“Tempo é fundamental nos casos de AVC. Graças ao protocolo de atendimento a pacientes com AVC, nossa equipe multiprofissional agiu de forma coordenada e em menos de 1h30  todos os procedimentos necessários foram realizados no paciente, salvando sua vida evitando sequelas”, explica a médica.

Nessa 1h30, Antônio Pinheiro passou por uma avaliação clínica, foi submetido aos exames laboratoriais e de imagem —tomografia de crânio, angiotomografia das artérias do pescoço e do cérebro — e encaminhado para um procedimento de alta complexidade, denominado tromboectomia, para liberar o trombo que estava causando o ACV isquêmico no cérebro dele.

Leia Também:  Queiroga: Programa de Imunização é esperança de por fim à pandemia

“A trombectomia mecânica é a introdução de um cateter que vai até o ponto de oclusão responsável pelo AVC. No caso do Antônio, foi feito via artéria femoral e na ponta desse cateter há um dispositivo chamado “stent retriever” (ou seja, um stent que é retirado), capaz de aderir ao trombo e resgatá-lo, desobstruindo o vaso acometido. Já no centro cirúrgico, após o procedimento, começamos a ver a melhora do paciente”, explica o médico neurocirurgião e neurorradiologista intervencionista, Wilson Novais, responsável pela cirurgia.

Da Redação / O Livre

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Busca por cirurgias bariátricas crescem no Brasil durante a pandemia

Para falar de cirurgia bariátricas é preciso inicialmente entender como funciona e, qual a importância desse processo na vida de uma pessoa. A busca pelo procedimento teve um número acentuado no último ano.

Publicados

em

Por: Mailson Prado

Para um leigo, ao falar de cirurgia bariátrica a resposta é basicamente a mesma; ‘’operação do estômago’’, fala sucinta de fato. Mas a verdade é que, a gastroplastia, também chamada de cirurgia bariátrica abrange um campo muito maior na vida do paciente. Um dos fatores que levam ao procedimento são os efeitos da obesidade.

Imagem: Doutor Felipe Mota

Durante a pandemia descobrimos que algumas comorbidades agravam os sintomas da Covid-19, neste caso o excesso de peso e suas consequências. Para o médico Felipe Mota, algumas questões com relação a concepção do procedimento, indicações e contra indicações, devem ser levadas em consideração, bem como o perfil do público e a rotina de cada paciente.

Segundo o médico, no ano passado foram observadas duas vias de crescimento na busca pela cirurgia, sendo elas os seguintes grupos: o primeiro é formado por pessoas obesas, que devido à pandemia ficou mais temeroso com a COVID, a obesidade acarreta comorbidades, um dos grandes fatores de risco para as complicações com a doença; já o segundo grupo é formado por pessoas que tiveram um ganho de peso considerável por conta da pandemia. Onde os especialistas observaram um número crescente de ‘’novos obesos’’ e candidatos à cirurgia bariátrica.

Os últimos dados apresentados pelo Ministério da Saúde reafirmam que a procura pela cirurgia bariátrica aumentou em 2020, e continua aumentando. As informações são ainda mais alarmantes no que diz respeito a sobrepeso e obesidade da população nacional. Cerca de 55% da população hoje está com IMC acima de 25%, isso signica sobrepeso. Já outros 20% com o IMC acima de 30, ou seja, 20% da população obesa. “A obesidade é multifatorial e suas causas podem estar relacionadas a aspectos genéticos, ambientais e emocionais, que atuam muitas vezes de forma simultânea”, explica o cirurgião.

Leia Também:  Mato Grosso registra 537.836 casos e 13.818 óbitos por Covid-19

A bariátrica é um procedimento que envolve muito estudo, muito cuidado e atenção, pois tem o mesmo risco que qualquer outra cirurgia. Felipe conta que, antes de todo o processo o paciente passa por uma análise onde são observados vários fatores, “nós avaliamos o Índice de Massa Corporal (IMC), idade, doenças associadas e o tempo de cada uma delas. Sobre o IMC, fazemos uma conta para classificar o paciente e o grau de obesidade”.

De acordo com o médico a conta para encontrar o IMC é básica, “nós calculamos o peso sobre altura ao quadrado, o resultado é uma prévia do grau que o paciente está classificado, a partir daí classificamos se é cirúrgico ou não”, esclareceu.

Mas atenção, os casos nem sempre são cirúrgicos. “Quando o paciente não atinge o índice de 40, por exemplo, e o IMC é calculado entre 30 e 35, na presença de diabetes tipo 2, classificada como uma doença grave, o protocolo é o encaminhamento para tratamento endócrino, para tratar dos sintomas hormonais e metabólicos”, revela.

Com relação à idade do paciente e a realização do procedimento é bem ampla. São pacientes de 18 a 65 anos, “os menores de 18 anos é necessário uma conscientização da família ou do responsável para autorizar a cirurgia. Acima de 65 anos é preciso uma avaliação individual pela equipe multidisciplinar, que trabalha junto do cirurgião, nutricionista, psicólogo e endocrinologista que atuam para avaliar a situação”, salienta Felipe Mota.

Leia Também:  Força-tarefa vacina 2.500 pessoas e nesta segunda realiza novo Corujão de Vacinação

Cuidados no pré e pós-operatório

O começo, meio e o fim, em importante em tudo na vida, seja o que for. Para quem se submete a procedimentos cirúrgicos bariátricos é preciso seguir a risca todos os protocolos.

“Na fase do pré-operatório, o cirurgião recomenda que o paciente se esforce para perder um pouco de peso, os quilos perdidos vão ajudar numa melhor condição da anestesia e da cirurgia, já no pós-operatório o esforço tem que ser ainda maior, o sucesso depende muito da contribuição do paciente”, avalia o médico.

É preciso ter convicção dos passos que serão dados dia após dia, “alguns fatores são muito importante, é preciso disciplina e reeducação alimentar. Para a progressão da cirurgia é fundamental que o paciente siga a alimentação administrada pelo nutricionista, junto da utilização correta dos medicamentos prescritos pelo cirurgião”, pontua Felipe.

Outro ponto muito importante são os retornos médicos, como afirma o doutor Felipe. ‘’É muito importante o paciente ter esse retorno, se comprometer ao retorno ambulatorial para o acompanhamento presencial’’, diz o cirurgião.

Depois de toda essa jornada é aconselhável adotar uma vida saudável, com a prática de exercícios, “o fato de fazer a redução de estômago, não quer dizer que o paciente está livre de ganhar peso, por isso recomendamos, cuide do corpo e da mente, esses dois últimos são fundamentais para a conquista por completo”, motiva Dr. Felipe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA