Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Capa

Bolsonaro avalia divulgar áudios e mensagens de conversas com Moro

Publicados

em

O presidente teria falado para um auxiliar que poderia devolver o ‘ataque’ de moro na mesma moeda

 Editar

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) considera divulgar o conteúdo de mensagens e áudios trocados com o ex-ministro da Justiça Sergio Moro em uma tentativa de contra-ataque às acusações feitas pelo ex-juiz da Lava Jato. Nesta terça-feira (5), foi divulgada a íntegra do depoimento prestado por Moro no sábado (2).

O ex-ministro falou em inquérito conduzido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que investiga se houve tentativa de Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal.

Nos últimos dias, o presidente disse a amigos e aliados, segundo relatos feitos à reportagem, que se sentia aliviado por não ter apagado as mensagens trocadas com o então ministro ao longo do governo.

Para resguardar o sigilo das conversas, Bolsonaro tem como hábito apagar de seu celular muitos de seus diálogos com ministros e deputados.

No fim de semana, de acordo com um auxiliar palaciano, Bolsonaro avaliou que pode, inclusive, divulgar trechos do material nas redes sociais caso não concorde com a interpretação feita por Moro sobre conversas travadas entre os dois. A ideia seria, assim, fazer um contraponto à versão do ex-juiz.

Leia Também:  Governo do estado contraria pedido dos setores produtivos e mantém mensagem na ALMT

Segundo um amigo do presidente, Bolsonaro disse que se esqueceu de eliminar as conversas com Moro e ressaltou ter ao menos uma ideia do que o ex-ministro usou para acusá-lo.

A quem o visitou nos últimos dias, o presidente tem repetido que Moro não tem provas e o mais sensível que há nos diálogos entre eles são palavrões proferidos pelo presidente.

O chefe do Executivo reclama da forma como o ex-ministro saiu do governo, porque afirma que tentou conversar com ele e até com o ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo durante os três dias que antecedera a demissão de Moro.

O ex-ministro entregou à PF o histórico de conversas recentes com Bolsonaro pelo WhatsApp. O material inclui o diálogo em que o presidente pressiona pela saída de Valeixo da diretoria-geral da PF.

No depoimento de sábado, Moro repassou ainda o conteúdo das conversas com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), aliada do presidente.

Numa das mensagens já reveladas pelo ex-ministro, a congressista tenta interceder para que ele fique no governo em troca de uma nomeação ao Supremo.

Leia Também:  Na CNN, Alexandre Garcia diz que Bolsonaro é a comprovação da cloroquina

Todo o histórico de conversa entre Moro e Bolsonaro foi copiado pelos investigadores que anexaram à investigação aberta pela PGR (Procuradoria Geral de República) para apurar se o presidente tentou ou não interferir em investigações da PF.

Parte da conversa foi apresentada por Moro ao Jornal Nacional, da TV Globo, no dia 24, logo após o presidente o chamar de mentiroso.

Na troca de mensagens, Bolsonaro lhe envia uma reportagem do site O Antagonista intitulada “PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas”.

Em seguida, o mandatário escreve: “Mais um motivo para a troca”, se referindo à sua intenção de tirar Valeixo do comando da corporação.

Moro também citou no depoimento, que durou mais de 8 horas, uma reunião que teve com outros ministros na qual Bolsonaro ameaçou demiti-lo.

Ministros de outras pastas confirmaram à reportagem o encontro, dizem que Bolsonaro não tratou apenas do cargo de chefe da PF. Teria falado genericamente, mas em recado explícito para Moro.

Da FolhaPress

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Capa

Liberados mais R$ 18,6 milhões para os hospitais filantrópicos em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Senador Wellington Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de vítimas e óbitos da Covid-19

O Ministério da Saúde liberou nesta segunda-feira, 1, a segunda parcela do auxílio financeiro emergencial às santas casas e hospitais filantrópicos sem fins lucrativos. Os recursos fazem parte dos R$ 2 bilhões de ajuda aprovada pelo Congresso Nacional, destinados ao combate à pandemia do coronavírus. Ao todo, foram depositados R$ 18,6 milhões para 21 unidades hospitalares, beneficiando 18 municípios de Mato Grosso.

Ao todo são beneficiados com essa ação emergencial um total de 17 unidades sem fins lucrativos em 14 municípios do Estado, que participam de forma complementar do Sistema Único de Saúde (SUS). Na semana passada, o Ministério já havia liberado R$ 3,1 milhões para Mato Grosso. O projeto de lei que deu origem ao auxílio emergencial havia sido aprovado no Senado no dia 31 de março e 19 de abril pela Câmara.

“Com essa segunda parte da liberação, com certeza os hospitais e santas casas beneficiados poderão ter fôlego para trabalhar de forma articulada com o Ministério da Saúde e os gestores do SUS, oferecendo r mais serviços, principalmente leitos de terapia intensiva” – destacou o senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do Bloco Parlamentar Vanguarda.

Leia Também:  PIB cai 0,1% no primeiro trimestre do ano

Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de casos confirmados e de mortes ocasionadas pelo novo coronavírus. No Brasil, os últimos números oficiais, indicam 519.704 casos com 29.534. Em Mato Grosso são 2.429 e 61 óbitos. “Nossa prioridade continua sendo a de salvar vidas” – frisou.

Nesse segundo repasse, serão beneficiados em Cuiabá o Hospital Santa Helena, com R$ 1,8 milhão; Hospital do Câncer, com R$ 1,1 milhão; e Hospital Geral, com R$ 2,8 milhões. Em Rondonópolis serão duas unidades: Associação Beneficente Paulo de Tarso, com R$ 871 mil; e Santa Casa de Misericórdia, com R$ 2,1 milhões.

Outros beneficiados são: Hospital São Luiz, de Cáceres (R$ 1.127 milhão); Centro Hospitalar Parecis, de Campo Novo (R$ 953 mil); Hospital Municipal Coração de Jesus, de Campo Verde (R$ 433 mil), Hospital Nilza Oliveira Pipino, de Claudia (R$ 223 mil); Hospital São João Batista, de Diamantino (R$ 648 mil); Hospital Bom Jesus, de Dom Aquino (R$ 145 mil); Hospital de Jauru, em Jauru (R$ 94 mil); Hospital São Lucas, de Lucas do Rio Verde (R$ 1.132 mil), Hospital Evangélico, de Vila Bela (R$ 428 mil) e Hospital Municipal de Nova Mutum (R$ 586 mil).

Leia Também:  Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição

Completam a lista: Hospital Geral de Poconé, R$ 594 mil; Hospital Vale do Guaporé, R$ 699 mil; Hospital São João Batista, de Poxoréu, R$ 485 mil; Hospital Amparo, de Rosário Oeste, R$ 677 mil; Hospital Santa Marcelina de Sapezal, R$ 578 mil; Hospital Santo Antônio de Sinop, R$ 1,013 milhão; Hospital e Assistência de Sorriso, R$ 10 mil.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA