Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

DHPP

Empresário é indiciado pela Polícia Civil por homicídio qualificado de morador de rua

Publicados

em

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá indiciou nesta semana um empresário de 42 anos pela morte de Cilce Pereira da Silva, 63 anos, ocorrida na noite de 16 de janeiro deste ano, no bairro Consil, na Capital. O empresário foi indiciado por homicídio duplamente qualificado (sem chance de defesa da vítima e por motivo fútil).

A vítima idosa, e em situação de rua, foi atingida com disparos na cabeça feito pelo empresário, próximo a um posto de combustível, na região da rodoviária. Cilce chegou a ser socorrido, já inconsciente, ao Hospital Municipal de Cuiabá, mas morreu logo depois em função da gravidade do ferimento, com perda de massa encefálica.

Em diligências para apurar informações sobre o crime, a equipe da DHPP coletou no local do crime um boné com uma perfuração de arma de fogo, além de marcas de sangue, inclusive com material encefálico. Durante a apuração, a Polícia Civil buscou pelo suspeito e recebeu a informação de que seria um empresário que teria uma cervejaria nas proximidades do terreno baldio em que a vítima foi executada.

No decorrer da investigação e com base em depoimentos coletados, a equipe coordenada pelo delegado Marcel Oliveira chegou à informação de que o autor do crime era de fato o empresário. “Diversas testemunhas foram ouvidas e todos os depoimentos são uníssonos no mesmo sentido, dando como certa a autoria criminosa contra o empresário”, afirmou o delegado.

Leia Também:  Homem tem prisão cumprida por estupro de menina de cinco anos em Cáceres

A DHPP reuniu outros elementos informativos que corroboraram os depoimentos, como os laudos periciais e as diligências investigativas. Imagens de câmeras de um circuito interno de segurança foram coletadas no local, onde foi possível ver o momento em que o empresário fez os disparos em direção à vítima. O laudo de necropsia atestou que o disparo atingiu diretamente a caixa craniana.

O laudo de confronto balístico produzido pela Politec constatou que o projétil extraído da cabeça da vítima era compatível com a arma de fogo de propriedade do suspeito, que foi apreendida durante a investigação. “Fato este que demonstra de forma cabal e técnica que o disparo de arma de fogo que matou a vítima partiu da arma do empresário”, complementa o delegado responsável pelo inquérito.

O empresário se apresentou na DHPP no curso da investigação e se manteve em silêncio durante a oitiva.

Foi só pra assustar

Em um dos depoimentos coletados pela DHPP, uma testemunha relatou que Cilce era um dos vários moradores em situação de rua que frequentava a região. Na noite do crime, um morador de rua foi visto próximo ao posto de combustível, quando o empresário foi até essa pessoa e a enxotou do local. A pessoa foi embora seguindo na direção da rua atrás do posto, quando minutos depois o indiciado foi na mesma direção. A testemunha relatou que a pessoa enxotada do posto não era a vítima, mas um homem mais jovem.

Leia Também:  Três pessoas da mesma família são presas em pontos de venda de drogas distintos na Capital

 O relato diz ainda que logo depois do empresário seguir na direção em que o morador de rua foi, ouviu-se um barulho que parecia ser disparo de arma de fogo, seguido de um segundo disparo e em seguida avistou o empresário voltando na direção do posto, guardando uma arma na cintura e dizendo que “foi só para assustar!”.

Com base em todos os elementos coletados, depoimentos testemunhais, relatórios de investigação e de imagens e as perícias, o delegado Marcel Oliveira indicou o investigado por homicídio qualificado praticado por motivo fútil e com recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O delegado também representou pela prisão do empresário, que foi indeferida pelo Poder Judiciário.

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Polícia apreende rapaz de 17 anos que “sequestrou” filho de empresário em Tangará

Publicados

em

Da redação – Única News

Tangará em Foco

image

O adolescente, de 17 anos, identificado como um dos autores do roubo com restrição de liberdade da vítima, cometido contra o filho de um empresário em Tangará da Serra (a 239 km de Cuiabá) foi apreendido pela Polícia Civil, no final da tarde desta sexta-feira (14), durante diligências ininterruptas para esclarecimento do crime. Ele foi reconhecido pela vítima, Rafael Lorenzetti, como um dos envolvidos no roubo e foi apreendido durante cerco policial na bairro Jardim Shangri-lá.

O crime ocorreu na quarta-feira (12), quando a vítima retornava da escola, conduzindo um veículo Volkswagen Polo. O rapaz foi abordado por dois suspeitos em uma moto, no momento em que reduziu a velocidade para entrar em casa.

Na ocasião, o suspeito que estava na garupa da moto, desceu em posse de uma arma de fogo rendendo a vítima e assumindo a direção do veículo Polo. A vítima foi levada junto a ele.

Assim que foram acionadas, as equipes da Polícia Civil e Polícia Militar iniciaram as diligências para localizar a vítima. Durante as buscas na zona rural do município na comunidade conhecida como Bezerro Vermelho, os policiais localizaram na noite de quarta-feira o veículo da vítima, fora da estrada e com avarias.

Em continuidade as diligências, os policiais encontraram a vítima em uma região de mata, próxima ao Distrito de Progresso, na MT-358. O adolescente foi entregue a família sem lesões corporais.

Investigação e apreensão do suspeito

Leia Também:  Advogada é presa pela Polícia Civil por apropriação indébita de valor de ação judicial

Desde que tomou conhecimento dos fatos, a Polícia Civil já vinha trabalhando com a hipótese de participação de dois suspeitos, já conhecidos do meio policial. Na delegacia, a vítima foi ouvida e fez o reconhecimento fotográfico do adolescente como um dos autores do crime, confirmando as suspeitas da equipe policial.

Com a informação, os policiais intensificaram as buscas pelo suspeito que a todo momento trocava de endereço para escapar de uma possível abordagem policial, inclusive conseguindo fugir dos policiais em uma tentativa de abordagem anterior, também no bairro Jardim Shangri-lá.

No final da tarde desta sexta-feira (14), os policiais receberam novas informações de que o suspeito havia retornado para o bairro e montaram uma operação para realizar a apreensão do menor. Ao perceber a presença dos policiais, o adolescente tentou fugir pelos quintais das casas, porém acabou detido durante o cerco.

Três pessoas que estavam nas imediações no momento da apreensão e que tem amizade com o suspeito foram conduzidas para prestar esclarecimentos, sendo ouvidos e liberados. Apenas dos menores conduzidos responderá a Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por uso de droga.

Tipificação

O caso está sendo tratado como roubo com restrição de liberdade da vítima, uma vez que não houve o pedido de resgate, não caracterizando assim o sequestro. Informações preliminares indicam que os suspeitos tiveram um desentendimento, pois um queria pedir o resgate pela vítima e o outro queria apenas roubar o veículo

Segundo o delegado, Adil Pinheiro de Paula, o adolescente que teve o envolvimento identificado no roubo, ficou todo momento com a vítima, sendo o responsável por realizar a abordagem, indo com ela em direção à Nova Olímpia e ficando escondido na região de Novo Progresso.

Leia Também:  PM apreende 405 Kg de drogas e prende cinco suspeitos em Sinop

“O caso está sendo tratado como roubo com restrição de liberdade da vítima, uma vez que não houve o pedido de resgate, não caracterizando assim o sequestro. Informações preliminares indicam que os suspeitos tiveram um desentendimento, pois um queria pedir o resgate pela vítima e o outro queria apenas roubar o veículo”, disse o delegado.

Diante das evidências, o delegado representou pelo pedido de internação do adolescente pelo ato infracional de roubo com restrição de liberdade da vítima, que foi deferido pela Justiça. O menor poderá ficar até cinco dias na Delegacia de Tangará da Serra aguardando a vaga no sistema socioeducativo.

As investigações seguem em andamento para prender o segundo envolvido no crime já identificado pela Polícia Civil.

O delegado-geral, Mário Derveval, parabenizou a equipe de Tangará da Serra pela rápida e brilnhante atuação no caso, que tirou de circulação um suspeito que apesar de ainda ser menor de idade, já pode ser considerado de alta periculosidade.

“A equipe está de parabéns pelo trabalho de investigação e campanas, que resultaram na apreensão do adolescente infrator. Esperamos que com a detenção do suspeito e em breve do seu comparsa, livrar a sociedade desse tipo de pessoas comprometidas com crimes tão graves”, disse o delegado-geral.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA