Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

RENATO DE PAIVA PEREIRA

Religiosos e magistrados

Publicados

em

Dois grupos de profissionais que permaneciam distantes das manchetes policiais e dos noticiários políticos negativos andam ocupando as páginas dos jornais: o magistrado e os religiosos.

Comecemos pelo segundo grupo. Os religiosos – padres, pastores e médiuns – começaram a frequentar o noticiário em 2018 com o escândalo do tarado João de Deus. Agora o João, julgado e preso, será confortado, ainda que à distância, pela Pastora Flordelis, como ele, dada a orgias sexuais.

Esta aguarda somente a autorização dos seus colegas deputados para tirar umas férias no presídio Bangu 8, no Rio de Janeiro. Este foi um caso que envolveu o também pastor Anderson do Carmo, marido da consagrada religiosa, assassinado a mando dela.

Lá, embora de outra ala, a ministra do evangelho receberá o discurso de boas vindas do Pastor Everaldo, famoso líder cristão, muito próximo do presidente Bolsonaro, acusado pelo Ministério Público de meter suas abençoadas mãos na grana da viúva.

Mas, para não dizer que há perseguição contra religiões minoritárias a justiça já está apontando o caminho da prisão para o Padre Robson, acusado de desviar volumoso dinheiro dos devotos do Pai Eterno em Goiás.

Leia Também:  Ondas de pressão ambiental

Também envolvido com a justiça está o padre Ramiro de Carlinda (MT) pelas inacreditáveis e insultuosas idiotices que publicou sobre o aborto previsto em lei da menina de 11 anos estuprada pelo tio.

No Outro grupo – magistrados – a situação é um pouco diferente. Neste time nem todos foram alcançados pela justiça, mas alguns apareceram negativamente nos jornais.

Veja o caso local do Dr. Julier. Este abandonou a carreira de magistrado federal para tentar a sorte na política e não teve – pelo menos por enquanto – o sucesso planejado. Agora não pode voltar ao antigo status quo e nem consegue viabilizar-se na política.

Outro exemplo da turma da justiça que aparece negativamente no Mato Grosso e no País é o da juíza Selma que foi cassada no Senado. Esta foi mais previdente, aposentou-se antes de ir para a política.

O mais recente é o caso do ex-juiz Wilson Witzel do Rio de Janeiro que deixou o cargo para governar seu Estado e está a um passo da cassação do mandato e já com a proa voltada para o presídio estadual de Bangu 8.

Leia Também:  Novamente o Pantanal

Deixamos por último o ex-juiz e ex-ministro da justiça Sérgio Moro. O antes todo poderoso e ídolo nacional vem dia a dia tendo sua imagem desconstruída por uma forte atuação do governo Bolsonaro, dos empresários condenados por ele e dos políticos que estão decididos a cobrar-lhe as noites indormidas e os quilos de calmantes que tomaram por medo da implacável caneta do então juiz da Lava-Jato.

“Quando vires a barba de teu vizinho arder, põe a tua de molho” é um bom ditado a ser observado pelos religiosos gananciosos que querem entrar na vida do crime, achando-se impunes; e também para os magistrados, que mordidos pela mosca azul, sonham em trocar a austera toga pelos aplausos, salamaleques e rapapés da política.

Renato de Paiva Pereira é empresário e escritor

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Agenda positiva na universidade pública

Publicados

em

Desde a última eleição presidencial e nos primeiros meses do novo mandato as universidades públicas vêm sendo alvo de muitos ataques. Se concentravam numa demolição, com falas como desaparelhar a educação, desesquerdizar,  despetizar, desideologizar, endireitar, balbúrdia e outras do gênero. O foco era numa negação destas instituições e sua privatização como a grande saída. O Ministério da Educação chegou a apresentar a proposta de um programa denominado Future-se. Mas teve pouco avanço e, até onde pude acompanhar, foi descontinuado com a troca de ministro. Espero que o atual titular do MEC possa apresentar um rumo para a educação brasileira.

Mas, enquanto isto, muita coisa boa continua acontecendo. As universidades vêm se mantendo e inovando nesse contexto de cortes orçamentários contínuos e dos enfrentamentos políticos citados. Tiveram que se adaptar a este contexto de aulas à distância gerado pela pandemia, eleições on line para a reitoria e a implantação de teletrabalho para boa parte dos seus servidores.

No caso da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) tivemos a divulgação de números positivos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Medicina de Cuiabá e Rondonópolis atingiram nota máxima (5), juntamente com  Arquitetura e Urbanismo na capital. O resultado vem de uma prova realizada pelos estudantes e que acaba sendo uma expressão da qualidade de todo o curso, já que os egressos são seu produto final.

Leia Também:  Jogo de gente grande

O curso de Medicina de Cuiabá é um excelente exemplo de como enfrentar as dificuldades e buscar um novo modelo. Saíram da nota 2 na última avaliação do Enade em 2016 para 5 agora. Eles vêm inovando bastante em aspectos pedagógicos, com formatos mais voltados para a resolução de problemas e integração das disciplinas, facilitados por tutorias. Houve também investimento em novos equipamentos acadêmicos capazes de melhorar o aprendizado, com a incorporação definitiva da tecnologia na relação ensino-aprendizagem.

Um outro ponto positivo foi o empreendedorismo, marcado pela relação com o setor privado. Um dos maiores projetos hoje desenvolvidos pela UFMT está lá. Trata-se da Revalidação de Diplomas de Medicina obtidos no exterior. Teve um salto gigantesco nos últimos 5 anos e tornou-se referência nacional. Além disto, os saldos positivos gerados por ele auxiliaram no financiamento na infraestrutura e nas inovações citadas.

A comunidade acadêmica está de parabéns por este sucesso, na pessoa da Diretora da Faculdade, Doutora Bianca Borsatto. Que o exemplo que estão dando de como buscar uma agenda positiva para a universidade pública no Brasil possa ser seguido e servir de estímulo nesse momento Brasil afora.

Leia Também:  Ondas de pressão ambiental

Vinicius de Carvalho é gestor governamental, analista político e professor universitário.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA