Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

RUI JÚNIOR

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV: O que é?

Publicados

em

O Coronavírus está em focoatualmente, vírus novo que vem contaminando milhares de pessoas e rapidamente tornou-se uma pandemia, merece sim total preocupação e atenção.

Porém, mesmo hoje, não podemos deixar de levantar temas prevalentes em nossa sociedade cuja incidência ainda é alta.Voltando a falarsobre o HIV (Vírus da Imunodeficiência Adquirida) e com o intuito de quebrar os milhares de tabus, vamos falar um pouco sobre a Profilaxia Pós-exposição (PEP).

Digamos que por algum motivo você tenha entrado em contato com o vírus, por exemplo: transou sem camisinha com algum parceiro e, após os dois fazerem o teste, um descobriu que tem o vírus e ainda não estava em tratamento.

Ou então você é um profissional da saúde e acidentou-se com perfurocortante de um paciente cujo Teste Rápido (TR) pra HIV tenha sido positivoou desconhecido. E agora, o que fazer?

Profilaxia Pós-exposição (PEP) que está disponível no SUS desde 1999
É justamente aí que entra a Profilaxia Pós-exposição (PEP) que está disponível no SUS desde 1999. Apartir da exposição ao vírus pode ser lançadomão de medicações por um período de tempo (28 dias) que quando aderidas diminuem em até 90% a chance de infecção.

Leia Também:  Exposição sobre Leonardo da Vinci retorna em formato virtual

A PEP é composta por trêsmedicamentos (dolutegravir, lamivudinae tenofovir), tomadas uma vez ao dia por 28 dias, sem interrupção. Para ter acesso à medicação é preciso ter entrado em contato com o risco de infecção pelo vírus HIV e que este contato tenha ocorrido em até 72 horas, após esteperíodo detempo a literatura traz que a eficácia da medicação reduz muito.

Por esta razão, caso isso aconteça é necessário procurar o Serviço de Atendimento Especializado de sua cidade e relatar o ocorrido, será avaliado pelo profissional como, quando e com quem ocorreu a exposiçãopara se ter a certeza se está ou não indicada a PEP. Alguns exemplos de exposições com risco de infecção:

1-Percutânea – Exemplos: lesões causadas por agulhas ou outros instrumentos perfurantes e/ou cortantes;

2-Membranas mucosas – Exemplos: exposição sexual desprotegida; respingos em olhos, nariz e boca;

3-Cutâneas envolvendo pele não íntegra – Exemplos: presença de dermatites ou feridas abertas;

4-Mordeduras com presença de sangue – Nesses casos, os riscos devem ser avaliados tanto para a pessoa que sofreu a lesão quanto para aquela que a provocou.

Leia Também:  Com quem você se identifica: a barata ou o elefante?

Confirmado o risco é então realizado um TRpara HIVna pessoa exposta e, caso o TR seja não reagente é prescrita a PEP pelo médico. Por outro lado, sendo reagenteo teste, inicia-se o tratamento para HIV. Finalizados os 28 dias da medicação profilática.

(PEP), faz-se um novo TR e a partir de então, repete-se com seis meses e com 12meses.E no caso de já ter passado as 72 horas após a infecção, como proceder? Como já discutimos anteriormente, não há indicação daPEP, porém é feito um acompanhamento rigoroso deste paciente, com TR sucessivos.

Desta forma, a PEP entra na mandala de prevenção ao HIV, juntamente com os métodos de barreira (camisinhas), PrEP (profilaxia pré-exposição),dentre outros. Falar em HIV não deve mais ser um tabu. É discutindo e interando sobre o assunto que nós somos capazes de vencer o preconceitoque tanto mata aqueles que vivem com o vírus.

Rui Júnior é médico residente em pediatria pela UFMT.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

É tempo

Publicados

em

Para tudo existe um propósito e não há nada que aconteça sem que antes já tivesse ocorrido. A verdade é que, na vida, tudo se repete e isso é uma eterna constância na existência humana.

Todos os momentos são importantes e devem ser valorizados, para que possamos ser felizes sem nos sobrecarregarmos.

Vejo algumas pessoas que, em poucas semanas de academia, conseguem um resultado assustadoramente positivo, entretanto, utilizam-se da ingestão ou aplicação de substâncias não saudáveis para alcançar o resultado desejável, de forma rápida.

Outros desejam ser aprovados em um concurso público de alta relevância em menos de três meses. O resultado disso são as baixíssimas possibilidades de sucesso, pois não houve tempo para expandir e fortalecer o aprendizado, consequentemente, a frustração e o desânimo os acometerão.

Se até uma fruta precisa de tempo para gerar-se, até que esteja madura, para ser consumida, assim também é com aquilo que almejamos alcançar, pois é indispensável que existam os ciclos, etapas e fases necessárias para uma evolução consistente.

Leia Também:  Abertas inscrições para exposição de trabalho de artistas LGBT

A Bíblia é categórica ao descrever o assunto, conforme Eclesiastes 3:1-8: “Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu:

tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar, tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de se conter, tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de lançar fora, tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar, tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz”.

Tudo o que você fizer, faça com um propósito.

O tempo é necessário para você possa aprender, reaprender e desfrutar das oportunidades da vida. Saiba organizar o seu tempo, sem atropelos ou ansiedade, para não comer do “fruto imaturo”.

Desenvolva a musculatura do seu corpo e do seu cérebro de forma consistente e permanente, pois o tempo de falar, de amar, de lutar e de viver em paz já chegou.

Leia Também:  Exposição sobre Leonardo da Vinci retorna em formato virtual

Francisney Liberato é auditor público externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA