Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

GABRIEL GUILHERME

“O jovem precisa e quer participar mais”

Publicados

em

É muito comum se ouvir por aí sobre a importância da participação do jovem na política e nos movimentos sociais.

Alguns, chegam a dizer, que os mesmos são o futuro da nação. Outros, a esperança, a alternativa mais viável e segura para se devolver credibilidade à nossa tão desgastada classe política.

Isso se torna nítido em todo processo eleitoral.

Durante o momento que compreende as campanhas políticas, a figura da juventude torna-se bastante assediada pelos pretensos candidatos.

Alguns, buscam à sua energia, outros à disposição ou até mesmo a capacidade que o jovem possui de aglutinar pessoas, de maneira rápida e volumosa.

No entanto, é triste saber que toda essa euforia chega ao fim assim que encerra o processo eleitoral, e o jovem continua sendo visto e utilizado como uma mera massa de manobra para muitos galgarem o poder.

Para ser bem fiel à verdade dos fatos, a força da juventude, o espírito aguerrido e de luta sempre fizeram parte da formação política nacional. E, isso é algo histórico, desde primórdios.

Se pararmos para analisar, veremos que a juventude, mesmo que de forma direta ou indireta, sempre esteve presente em todos os principais momentos marcantes da sociedade, sejam eles em defesa da democracia, na luta de direitos ou até mesmo durante a conquista dos mesmos.

Leia Também:  A nossa Cuiabá, pós-pandemia

Se o jovem está bem, toda a sociedade também estará bem, principalmente a família e os pais
Fatos históricos relevantes nos revelam essa realidade.

Ainda durante o “Brasil Império”, em 1822, quando Dom Pedro I declarou o “grito de independência”, o mesmo era um “Jovem líder”, defensor dos costumes da época, e que possuía apenas 22 anos de idade. Anos depois, o príncipe Dom Pedro II, assume prematuramente o trono com apenas 14 anos de idade.

Mais recentemente, momentos importantes com a presença intensa da juventude marcaram o último século, sejam eles durante a consolidação do direito ao voto aos 16 anos, ou até mesmo os “Caras pintadas” e as “Diretas já”, este último liderado por um saudoso líder mato-grossense, Dante Martins de Oliveira.

É, pessoal! Quantos momentos marcantes já participamos, não é mesmo? O quanto já contribuímos com o nosso Brasil.

Mas, você, leitor, deve estar aí se questionando, qual a real intenção desse artigo.

Pois bem, a real intenção é evidenciar que a responsabilidade para com o tratamento dos jovens deve ser de todos.

Comunidade escolar, pais, responsáveis, igreja e principalmente o Estado, devem caminhar em união quando o assunto for “JUVENTUDE”, ainda mais por vivermos em um sistema de Estado Democrático de Direito.

Se o jovem está bem, toda a sociedade também estará bem, principalmente a família e os pais que são a parte mais fragilizada quando se deparam com seus filhos lançados à criminalidade e as mazelas da vida social.

Leia Também:  Mulheres vítimas de violência participarão de cursos de qualificação

E, foi pensando nisso, que na semana passada, o Deputado Estadual Eduardo Botelho (DEM) ouviu um clamor da juventude, e apresentou uma indicação ao Governador Mauro Mendes (DEM), com o intuito de conquistar um espaço para os jovens dentro do poder público estadual.

O jovem quer participar, opinar e contribuir mais. Ser ouvido e ouvir também, tanto durante quanto pós processo eleitoral.

Conhecer o poder público e colaborar nas principais tomadas de decisões por parte dos nossos gestores também, uma vez que somente assim poderemos formar cidadãos cada vez mais conscientes de suas obrigações, direitos e deveres, para futuramente elegerem conscientemente seus líderes, ou senão tornar-se um deles.

A ministra Carmem Lúcia já dizia, “eu não queria que o jovem desacreditasse da política em razão dos erros de alguns”, afinal a juventude não é apenas o futuro, mas sim um presente confiável e seguro que construirá o nosso futuro.

 

Gabriel Guilherme é suplente de vereador por Cuiabá pelo DEM, palestrante, pós-graduando em Direito Eleitoral e coordenador estadual da Juventude Democratas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Partidos e Federações

Publicados

em

Há muito tempo as pessoas tem aversão à política. E atualmente, mesmo em movimentos sociais ou participando de passeatas, muitas pessoas fazem questão de dizer que não estão vinculadas a partido político algum.

No entanto, para que possam contribuir ainda mais, realizando ações legislativas ou administrativas como um agente político se faz necessário participar das eleições e se eleger e, para que isso possa acontecer não há outro caminho a não ser o da filiação partidária, além de ter que cumprir outros requisitos de acordo com o cargo para o qual queira se candidatar.

Os partidos são vistos há séculos como a união de pessoas que comungam de mesma ou similar visão social, de ideais afins. Alguns dizem, em tom de brincadeira, que se tais instituições fossem boas seriam chamadas de “inteiros” e não de partidos.

Mas os partidos decorrem justamente de motivos que ensejam a união de partes da sociedade. Por isso, há partidos criados para lutar pela democracia, desde os tempos da ditatura militar no Brasil; partidos com enfoque econômico liberal; partidos da social democracia; partidos da causa dos trabalhadores urbanos e rurais; partidos ligados ao militarismo; outros com vocação para determinada religião; partidos socialistas; aqueles mais conservadores; etc.

O que percebemos como sendo uma robusta crítica das pessoas que insistem em dizer que não tem vinculação político-partidária são algumas condutas dos políticos, sobremaneira aqueles detentores de mandatos, tais como a troca constante de partidos políticos; a falta de postura desses políticos em relação às finalidades estatutárias do próprio partido; o fato de que muitos políticos sequer conhecem o estatuto ou o programa do partido político ao qual estão filiados.

Leia Também:  Para não errar na harmonização facial

Mesmo com todos esses problemas, o partido político é fundamental no sistema de democracia representativa brasileira
Isso revela que muitas pessoas usam as agremiações partidárias não como órgão de união de pessoas que tenham entre si afinidades políticas, econômicas ou sociais, mas apenas como meio de estarem filiados a um partido que lhes dê condições de se manter no poder, mesmo porque muitos partidos políticos tem verdadeiros donos e, não raro, quatro anos antes da próxima eleição esses donos já escolheram quem serão os seus candidatos eleitos no pleito futuro, em detrimento do diálogo com as bases do partido em seus diretórios municipais.

Mesmo com todos esses problemas, o partido político é fundamental no sistema de democracia representativa brasileira, motivo pelo qual se faz necessário criar meios e instrumentos para que as pessoas se sintam interessadas em participar dos partidos, diminuindo as formas de autoritarismo e de medidas antidemocráticas intrapartidárias, a fim de que indivíduos possam verdadeiramente aproximarem-se para dialogar, aprenderem juntos, defenderem suas causas, formarem líderes e representantes.

Leia Também:  Jojo Todynho passa mal dentro de avião e precisa ser socorrida às pressas

Com o grande número de partidos existentes atualmente, 33 no país, aqueles que não alcançarem um número mínimo de votos deixarão de ter direito aos recursos financeiros do fundo partidário e ao tempo de televisão durante o processo eleitoral.

Também por conta disso, mas sobretudo para driblar a regra que impede as coligações partidárias nas eleições, tramita no Congresso Nacional (estamos em junho de 2021) em regime de urgência um projeto de emenda constitucional que pode introduzir na Lei Maior a figura da federação de partidos políticos com duração mínima de quatro anos, organização que pode vir a instituir espécies de blocos de partidos nacionalmente, devendo ser obrigatoriamente seguidos nos estados e nos municípios, trazendo, inclusive, penalizações para partidos ou agentes políticos que descumprirem o que restar estabelecido na ata de fundação de cada federação.

Com isso, fica enfraquecida a regra da cláusula de barreira, pois partidos se unirão em verdadeiras coligações, chamadas agora de “federações”, pelo período mínimo àquele do mandato/legislatura.

Enfim, em outras palavras, é a volta das coligações que podem facilitar a eleição dos que já estão exercendo mandatos eletivos, mesmo que atuando de forma contrária aos princípios do partido ao qual esteja filiado.

Nestor Fidelis é advogado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA