Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

LUCIANO VACARI

Nadando de braçada

Publicados

em

O setor da piscicultura brasileira está em franco desenvolvimento. A produção, o consumo e as exportações de peixes de cultivo vêm crescendo ano após ano e o setor trabalha com números desafiadores. O objetivo é tornar o Brasil o maior produtor de peixe cultivados em 20 anos, meta que conta com fatores favoráveis, como clima, disponibilidade de área e qualidade da água.

No último ano, o país superou a produção de 800 mil toneladas, sendo mais da metade de tilápia. As exportações também estão indo muito bem. No primeiro semestre deste ano foi registrado um crescimento de 35% nas vendas externas ante o mesmo período de 2020, totalizando US$ 7,2 milhões.

Em comparação com as outras cadeias produtivas de proteína animal, a piscicultura ainda é a mais tímida, mas também é a que mais cresce, e em proporções surpreendentes. Em 20 anos, a produção saltou 400%, enquanto a avicultura cresceu 174%, a suinocultura 72% e a bovinocultura 53%.

Dos produtores de alevinos aos grandes supermercados, uma cadeia importante de empregos é proporcionada quando se impulsiona o setor
Estimular a produção de peixes é estratégico do ponto de vista de mercado. O consumo interno vem crescendo com as mudanças de hábitos dos consumidores e com a facilidade de acesso ao produto. Um exemplo, é a variedade, a quantidade e a qualidade de espécies de peixes de cultivo disponíveis nas gôndolas de supermercados de todo o Brasil.

Leia Também:  O líder do Governo está certo: precisamos de nova Constituição

Antigamente grande parte dos pescados era importado e agora pode ser adquirido de produtores nacionais. Carne mais fresca, mais saudável e que gera emprego e renda no país. Assim como nas demais produções de proteína, a piscicultura também gera riquezas no campo e nas cidades. Dos produtores de alevinos aos grandes supermercados, uma cadeia importante de empregos é proporcionada quando se impulsiona o setor.

É claro que para alcançar as metas algumas barreiras ainda precisam ser superadas. Crédito, legislação ambiental e fundiária e programas de sanidade estão entre as prioridades do setor. Mudanças importantes já ocorreram, como a desburocratização para acesso às águas públicas e consequentemente ao Plano Safra viabilizaram a contratação de linhas de financiamento mais acessíveis.

Outro avanço foi com relação a regulamentação da legislação ambiental em alguns estados, para facilitar o licenciamento aos produtores e assim regularizar a cadeia produtiva.

O setor da piscicultura mostra a importância da diversificação não apenas do cardápio, mas principalmente de investimentos. Quanto mais setores forem estimulados, mais pessoas são capacitadas, empresas registradas, indústrias implantadas e a economia como um todo fica menos dependente de poucos agentes.

Leia Também:  Valeu o sacrifício do Verdão?

Nadar contra a maré pode ser mais desafiador e recompensador do que se pode imaginar.

Luciano Vacari é gestor de agronegócios e diretor da Neo Agro Consultoria

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Novos sabores para Cuiabá sem perder nossa regionalidade

Publicados

em

A arte de empreender é desafiadora, imagino que a disciplina, o comprometimento, o amor e a paixão são componentes do resultado de excelência de uma obra prima. E Cuiabá, confesso, é inspiradora e mãe de espíritos empreendedores. Nossa capital calorosa e carregada de tradições começou a mudar, como deve acontecer com toda metrópole em sua linha do tempo. Aqui aprendemos o valor de ter uma identidade gastronômica marcante, e de levar nossos pratos regionais para onde formos, nem que seja na memória, ou a mesa com amigos, ou mesmo no coração. Quem nunca passou longas semanas, ou meses fora, e sentiu uma saudade gigante de um bom pintado a moda cuiabana, de uma ventrecha bem sequinha, de um pirão do jeito cuiabano de surpreender, ou o aconchegante escaldado cuiabano?! Todos esses pratos têm a cara da nossa terra, são simples, porém com sabores inconfundíveis.
O contrário também ocorre, nós cuiabanos receptivos que somos, adoramos também provar as delícias da culinária mundial, afinal desconheço um povo mais acolhedor, e sentimos nostalgia ao sentir novamente os sabores e aromas que nos apresentam fronteiras afora. E exatamente por isso é que vislumbramos uma nova Cuiabá, repleta de novidades gastronômicas. É fantástico ver esse empreendedorismo saboroso por aqui, e veio para ficar, pois os corações cuiabanos se abrem para o novo, mesmo mantendo sua rica identidade sempre viva e pulsante. Neste solo fértil trago para Cuiabá o conceito Frutaria, reforçando o quanto podemos ter alimentos saudáveis e saborosos em nosso dia a dia, e mais uma vez sendo possível manter e exaltar nossa regionalidade. O interessante saber que mesmo introduzindo novos sabores através de conceitos mais atuais e antenados com uma vida mais saudável com opções mais nutritivas e leves, nunca deixamos de exaltar o que é da nossa terra e ressignificando pratos cuiabanos aclamados, a exemplo do nosso famoso Maria Izabel, sempre presente no Join Fit.
De fato, enriquece a alma saber que uma nova marca, um novo conceito, ou um novo jeito de servir sempre surge em nossa Capital. Hoje, temos pratos divinos em restaurantes italianos, havaianos, fit e Gourmet e por aí vai, e ao mesmo tempo que ganhamos novas escolhas, a felicidade aumenta, fica sempre pronta a atender. O quanto é bom saber que a cada ano nossa Cuiabá recebe novidades e mais respeito através do fortalecimento de quem aqui escolheu para investir, mesmo tendo essa oportunidade em qualquer outra parte deste gigante universo. Gratidão por amar essa terra e aqui poder trazer inovações, elevando sempre nossa essência, executar sempre com excelência, seja o que for, e principalmente sem perder a beleza de nossa regionalidade, vamos manter nossas tradições e costumes sempre a mesa!!!

Leia Também:  O líder do Governo está certo: precisamos de nova Constituição

Camila Piran, empresária do ramo gastronômico

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA