Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ANTERO PAES DE BARROS

Está surgindo o Biden brasileiro

Publicados

em

O presidente Fernando Henrique Cardoso, depois de um jantar que precisou ser explicado à opinião pública com Lula, retomou hoje, segundo matéria publicada na Folha de São Paulo, as articulações em torno de um nome que pode unir o centro democrático nessa disputa presidencial.

Os índices de rejeição de Lula e Bolsonaro que lideram as pesquisas são altíssimos. E desde que o STF devolveu a normalidade política para Lula – é bom deixar claro que não o inocentou – o centro está condenado a se unir para apresentar um nome decente ao País e que tenha credibilidade.

Pois bem, hoje, Fernando Henrique anunciou que vai tentar unir o PSDB em torno de Tasso Jereissati.

Pessoalmente fico torcendo para que essa articulação dê certo, pois pode trazer unidade e paz aos tucanos e, como colega de Tasso Jereissati por oito anos no Senado, posso dizer que o Brasil estaria muito bem servido com um político que tem a correta noção dos deveres de um homem público.

O PSDB só pode buscar a unidade do centro se tiver unidade interna e o presidente Fernando Henrique é a liderança mais autorizada a promover esse entendimento.

Leia Também:  Crianças e a Pandemia

Indicação de Tasso pode unir o Brasil. Tem tudo para repetir o sucesso de Biden
Vencida a etapa do PSDB, que espero seja breve, a candidatura Tasso pode decolar e finalmente poderemos ter um governo com programa e de união nacional. Ele tem capacidade pra isso. Vou elencar aqui as razões do meu otimismo.

– Tasso Jereissati foi governador do Ceará muito bem avaliado e está em seu terceiro mandato como senador da República. Empresário de muita credibilidade e tem facilidade também nesse setor. Até a sua idade avançada, não é nenhum jovenzinho inexperiente, facilita a unidade do PSDB e entre os outros postulantes do Centro, pois tem a exata compreensão que um mandato seria suficiente para colocar o Brasil nos trilhos e até para finalmente desfazer o grande erro do presidente Fernando Henrique de ter criado a reeleição. Tem autoridade moral e credibilidade para propor isso. Outro detalhe, até pela idade existe muita semelhança de que Jereissati pode ser o Biden que o Brasil procura para derrotar o populismo de direita e não permitir o retrocesso já barrado nas urnas na última eleição.

– Há sim um enorme espaço para construir uma candidatura de centro. Assim que fecharam as urnas das eleições municipais tive oportunidade de escrever um artigo mostrando que o resultado das urnas, do eleitor foi muito claro, Nem PT, Nem Bolsonaro. Com a decisão do STF devolvendo a cidadania política para Lula, os analistas passaram pano no resultado das urnas. Só pra refrescar a memória, onde Bolsonaro meteu a cara perdeu as eleições para prefeito e o PT quase foi varrido do mapa. Não acredito que a nova narrativa colocada à disposição do PT pelo STF possa convencer o povo brasileiro.

Leia Também:  VW inicia exportação do T-Cross brasileiro para sete países africanos

– O caminho a ser percorrido ainda é difícil e esbarra em algumas vaidades, mas chegou a hora do PSDB apresentar um sinal de maturidade e incensar o nome de Tasso. Muito bom para o partido, melhor para o Brasil. É hora de colocar as vaidades de lado e pensar na urgência de uma candidatura confiável de centro.

Fernando Henrique precisa apressar esses entendimentos. A indicação de Tasso pode unir o Brasil. Tem tudo para repetir o sucesso de Biden.

Antero Paes de Barros é jornalista, radialista, advogado, foi deputado constituinte e senador da República.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Partidos e Federações

Publicados

em

Há muito tempo as pessoas tem aversão à política. E atualmente, mesmo em movimentos sociais ou participando de passeatas, muitas pessoas fazem questão de dizer que não estão vinculadas a partido político algum.

No entanto, para que possam contribuir ainda mais, realizando ações legislativas ou administrativas como um agente político se faz necessário participar das eleições e se eleger e, para que isso possa acontecer não há outro caminho a não ser o da filiação partidária, além de ter que cumprir outros requisitos de acordo com o cargo para o qual queira se candidatar.

Os partidos são vistos há séculos como a união de pessoas que comungam de mesma ou similar visão social, de ideais afins. Alguns dizem, em tom de brincadeira, que se tais instituições fossem boas seriam chamadas de “inteiros” e não de partidos.

Mas os partidos decorrem justamente de motivos que ensejam a união de partes da sociedade. Por isso, há partidos criados para lutar pela democracia, desde os tempos da ditatura militar no Brasil; partidos com enfoque econômico liberal; partidos da social democracia; partidos da causa dos trabalhadores urbanos e rurais; partidos ligados ao militarismo; outros com vocação para determinada religião; partidos socialistas; aqueles mais conservadores; etc.

O que percebemos como sendo uma robusta crítica das pessoas que insistem em dizer que não tem vinculação político-partidária são algumas condutas dos políticos, sobremaneira aqueles detentores de mandatos, tais como a troca constante de partidos políticos; a falta de postura desses políticos em relação às finalidades estatutárias do próprio partido; o fato de que muitos políticos sequer conhecem o estatuto ou o programa do partido político ao qual estão filiados.

Leia Também:  Cassino Brasil

Mesmo com todos esses problemas, o partido político é fundamental no sistema de democracia representativa brasileira
Isso revela que muitas pessoas usam as agremiações partidárias não como órgão de união de pessoas que tenham entre si afinidades políticas, econômicas ou sociais, mas apenas como meio de estarem filiados a um partido que lhes dê condições de se manter no poder, mesmo porque muitos partidos políticos tem verdadeiros donos e, não raro, quatro anos antes da próxima eleição esses donos já escolheram quem serão os seus candidatos eleitos no pleito futuro, em detrimento do diálogo com as bases do partido em seus diretórios municipais.

Mesmo com todos esses problemas, o partido político é fundamental no sistema de democracia representativa brasileira, motivo pelo qual se faz necessário criar meios e instrumentos para que as pessoas se sintam interessadas em participar dos partidos, diminuindo as formas de autoritarismo e de medidas antidemocráticas intrapartidárias, a fim de que indivíduos possam verdadeiramente aproximarem-se para dialogar, aprenderem juntos, defenderem suas causas, formarem líderes e representantes.

Leia Também:  Os prejuízos da educação à distância

Com o grande número de partidos existentes atualmente, 33 no país, aqueles que não alcançarem um número mínimo de votos deixarão de ter direito aos recursos financeiros do fundo partidário e ao tempo de televisão durante o processo eleitoral.

Também por conta disso, mas sobretudo para driblar a regra que impede as coligações partidárias nas eleições, tramita no Congresso Nacional (estamos em junho de 2021) em regime de urgência um projeto de emenda constitucional que pode introduzir na Lei Maior a figura da federação de partidos políticos com duração mínima de quatro anos, organização que pode vir a instituir espécies de blocos de partidos nacionalmente, devendo ser obrigatoriamente seguidos nos estados e nos municípios, trazendo, inclusive, penalizações para partidos ou agentes políticos que descumprirem o que restar estabelecido na ata de fundação de cada federação.

Com isso, fica enfraquecida a regra da cláusula de barreira, pois partidos se unirão em verdadeiras coligações, chamadas agora de “federações”, pelo período mínimo àquele do mandato/legislatura.

Enfim, em outras palavras, é a volta das coligações que podem facilitar a eleição dos que já estão exercendo mandatos eletivos, mesmo que atuando de forma contrária aos princípios do partido ao qual esteja filiado.

Nestor Fidelis é advogado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA