Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

FRANCISNEY LIBERATO

Diga “não”

Publicados

em

Se você é um daqueles seres humanos que tem uma agenda superlotada, muitas tarefas a serem realizadas, é certo que tem dificuldades de dizer “não” para as demandas e pedidos de outros indivíduos.

Ou, você nem sempre tem uma agenda lotada, mas tudo o que as pessoas lhe pedem você aceita fazer. Não sabe dizer “não”. Com isso, você já tem a suas tarefas rotineiras, ainda assim, aceita novas demandas.

Se em um ser humano, sem nenhum problema emocional já se torna algo complicado, imagine para o indivíduo que tem ansiedade? A sua mente estará mais conectada e ligada, diante disso, estará proporcionando um agravamento na sua saúde mental.

Ao assumir tarefas e responsabilidades de outros, você se torna um “substituto”, tirando o problema da cabeça dele e inserindo na sua mente, ou seja, a prioridade de outra pessoa se torna a sua prioridade também.

Você não é de aço e, muito menos, um super-herói!

Contudo, se você está bem mentalmente e emocionalmente, não há problemas quanto a isso. Se há tempo disponível, não há problemas em ajudar o próximo. Faça isso com cautela e de forma racional.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Até quando Bolsonaro?

Dizer “sim” para tudo, não é saudável, de igual modo como dizer “não” para tudo que acontece na sua vida. Seja sapiente e saiba gerenciar melhor a sua vida e os seus compromissos. Ex.: Você não precisa aceitar todos os convites para sair. É melhor seguir a sua programação diária e semanal.

Mantenha domínio e controle da sua vida! Às vezes, o não fazer nada, pode até soar como uma preguiça, mas quem sabe pode ser necessário para sua vida, a depender da circunstância que está vivendo e do desgaste mental. Não adianta sair com os amigos, apenas para satisfazer as vontades deles, se você está cansado fisicamente, por exemplo.

O diga “não” vale para todas as áreas da nossa vida, e em todos os seus aspectos: financeiro, trabalho, atividades físicas, relacionamentos, estudo, descanso etc.

Se tem dificuldades para dizer “não”, sugiro que faça ensaios em casa, quem sabe olhando para o espelho ou gravando a sua apresentação. Troque ideias com amigos maduros e de confiança.

Busque sempre pelo equilíbrio! Saiba dizer “sim” quando for necessário, e “não” com base no parâmetro estipulado por você. O importante é reduzir a sua ansiedade pelo excesso de compromissos e obrigações, e ter paz consigo mesmo.

Leia Também:  A discriminação

Algumas situações comuns da vida de todos: Se recebeu convite para viajar, mas não pode, agradeça e diga “não” gentilmente. Se o amigo do trabalho não consegue realizar alguns cálculos, não entregue para ele as respostas, pelo contrário, ensine-o a pesquisar e oriente. Se não há recursos disponíveis comprar um produto, diga para si mesmo que está economizando. Se os familiares elegeram você para organizar a festa da família e você está sem tempo, diga “não”, sugira outro nome ou delegue.

Seja inteligente e não se sobrecarregue, diga “não’. Nem sempre as pessoas dizem “sim” para tudo que você pede, sendo assim, é normal dizer “não”, ainda mais se possui ansiedade.

Ter paz e tranquilidade para viver bem e feliz, sem dúvida alguma, é o que Deus espera de cada um de nós, portanto, diga “não”.

Francisney Liberato é auditor público externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

A visão médica: Covid -19

Publicados

em

A ideia desse artigo e dos próximos é compartilhar um pouco do dia a dia do médico que está na linha de frente de enfrentamento ao Covid-19. Descrever emoções, ações, e explicar também um pouco das tomadas de atitudes e compartilhar histórias baseadas em fatos reais, com claro, nomes fictícios e locais não identificados.

Vamos começar do princípio, eu estava em um dos plantões na terapia intensiva em meados de Abril de 2020 quando começo a ouvir falar de SARS-COv2, COVID-19, e confesso, num primeiro momento o que se passou na minha cabeça foi que era fake news, boato, exagero ou lenda. Mas comecei a ficar com medo, quando ouvi um áudio do whatsapp, com a voz de uma enfermeira brasileira que mora na Itália, desesperada, gritando que nunca tinha visto morrer tanta gente, rápido, de uma vez, com tamanha falta de ar.

Então, os cursos das sociedades médicas se voltaram para esse novo vírus, as discussões entre os melhores especialistas do Brasil vieram, junto com os casos positivos. E para o meu desespero, as discussões não levavam a nada. Ninguém sabia absolutamente nada. (Graças a Deus hoje posso usar o verbo no passado!) Tudo ali naquele cenário era diferente. Tudo! E desde então, mergulhamos num novo mundo, um mundo real, com uma doença avassaladora chamada COVID-19.

Começaram-se as revisões de literatura, todos buscando um norte, de como conduzir os pacientes, como “frear” esse vírus. E nesse turbilhão, olhamos para os lados e vamos vendo pessoas morrendo, nossos familiares adoecendo e por vezes morrendo também, nossos colegas partindo, adoecidos, internados na UTI que eles próprios trabalhavam.

Até que num dia comum, fui para o plantão, dia pesado, daqueles que você não para um minuto. Ainda pela manhã, comecei a sentir um frio grande, vesti um capote, me agasalhei e segui o plantão. A tarde, um cansaço além do habitual e uma tosse incessante

Até que num dia comum, fui para o plantão, dia pesado, daqueles que você não para um minuto. Ainda pela manhã, comecei a sentir um frio grande, vesti um capote, me agasalhei e segui o plantão. A tarde, um cansaço além do habitual e uma tosse incessante, que me dificultava falar, cheguei em casa e pensei:

– Nada como um bom banho quente, um chá de camomila, meias e cama! Doce ilusão a minha, tive uma noite muito mal dormida, no outro dia cedo já fui ao laboratório coletar mais um RT- PCR ( coletávamos quase que semanalmente o swab nasal) e , como estava com tosse, naquele momento mais esporádica, resolvi fazer uma tomografia de tórax.

Leia Também:  Levante a mão quem não tem medo da morte?

Assim fui, deitei naquela maca, horrorosa, diga-se de passagem, que sensação estranha eu senti quando aquela voz robótica falou para mim: – Puxe o ar e segure! Opa! Que dificuldade para “puxar” o ar. Que dificuldade para segurar o ar. Mas enfim, aguardei as imagens para sair com elas já dali, essa sou eu querendo ser minha própria médica.

E quando as recebo, quase não consigo parar em pé, meu coração acelera, tenho a sensação de que tudo por segundos parou. Meu Deus! Eu estou com COVID e com quase 50% de comprometimento pulmonar! Nunca imaginei que veria em mim uma imagem pulmonar daquelas, não porque pensasse que era inatingível, por que tenho certeza que não ( mas aí já é uma outra história), mas porque realmente não acreditava e, nessa hora, tudo que queria era não ter entendido o que vi naquele exame. Fui para casa, me isolei, fiquei afastada da minha família por longos 16 dias.

Dias esses que tudo o que eu sabia era que estava contaminada, com comprometimento pulmonar e que até o momento nada, absolutamente nada era possível de ser feito ou tomado com qualquer mínima garantia de “frear” esse vírus. Segui tentando me alimentar, mesmo com vontade zero, fazendo fisioterapia 3x ao dia, usando meu despertador quando dormia para me avisar para ficar na posição prona (de bruços) de 2/2h, acordando de madrugada com a sensação de estar com um saco plástico na cabeça e saturando 85%, querendo surtar, mas tentando de todas as formas manter a mente positiva, centrada, equilibrada. Ia para o banheiro, ligava o chuveiro no quente, tentava nebulizar ali gotículas de óleo de lavanda, meditar e focar no porque eu queria viver, porque eu precisava viver.

E aos poucos, era como se tudo fosse voltando ao eixo, voltando ao normal. E assim se passaram 16 dias de isolamento.

Entao, hoje eu me pergunto, depois de 1 ano e 2 meses que tive covid e de atualizações sobre o covid, respostas mais solidas aos tratamentos, níveis melhores de evidencia? Você faria tudo igual novamente? Isolamento em casa sozinha? Meditação com queda de oxigenação? Minha resposta com certeza é não! Absolutamente não, de jeito nenhum!

Leia Também:  Desapega da mentira, Brasil!

Mas funcionou não funcionou? Eu estou viva, e sabendo o que já sabemos dessa doença hoje, só estou viva porque não era o meu dia, simples assim! Hoje, eu iria para um hospital, com um médico da minha confiança, que faça ciência e não empirismo, e que me orientasse também a meditar e usar meu óleo de lavanda, como terapias que integrassem a medicina tradicional.

Hoje já temos como tomar medidas cientificamente, tanto na medicina tradicional quanto na medicina alternativa. Vamos buscar o respaldo cientifico, o Covid-19 não é brincadeira, todos sabemos disso, e quando digo todos, são todos mesmo.

Hoje não existe uma só pessoa no mundo inteiro que não tenha perdido alguém próximo, ou que ao menos não saiba de alguém conhecido que faleceu. Estamos caminhando nas descobertas, assim como aconteceu comigo, deu certo para outros e não deu para muitos, estamos caminhando na ciência, estamos caminhando na integração dos métodos alternativos e tradicionais, mas, por favor, vamos nos embasar, vamos nos certificar. Com saúde não se brinca!

Eu entendo que no momento que recebemos o diagnóstico isso gera em nós um medo tão grande que tudo o que nos orientarem a fazer, faremos, mas vamos tentar respirar um pouco, buscar uma segunda opinião, um médico da sua confiança, com protocolos de tratamento bem certificados, já temos material cientifico para isso. Todos devem estar abertos a mudanças, não existe nenhum dono da verdade, e infelizmente, existem aproveitadores para tudo neste mundo.

As medidas tomadas hoje já não são as de ontem. Sigamos com fé, focados no que nos faz viver e, vivendo sempre por um amanhã melhor. E eu sigo por aqui, buscando, lendo, estudando, tentando me atualizar para sempre levar o melhor para os que buscam minha ajuda, e como gosto de dizer diariamente imitando um “amigo meu”, Dr. Derek :

– Hoje esta um lindo dia para salvar vidas!

Jordannia Campos X. Bonillo Saddi é médica e trabalha na linha de frente da Covid-19

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA