Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MULHER

Megan Fox sobre dismorfia corporal: “Tenho um monte de inseguranças”

Publicados

em


source
Megan Fox revela que sofre dismorfia corporal
Reprodução/Instagram

Megan Fox revela que sofre dismorfia corporal

Megan Fox , 35, fala sobre como a  dismorfia corporal afeta sua saúde mental e seu trabalho. A atriz disse em entrevista à revista GQ que o fato de sempre ser associada à beleza e ter sua  imagem sexualizada criou problemas para sua saúde mental, como a dismorfia corporal, distúrbio que consiste na preocupação incomum por algum defeito, real ou imaginário.

“Sim, tenho dismorfia corporal. Tenho muita inseguranças muito profundas”, disse Fox, que alegra sofrer da doença há alguns anos e que isso a faz tentar manter sua figura a todo custo – a imagem de mulher sexy que vemos em filmes e tapetes vermelhos. “Você pode olhar para alguém e pensar: ‘Essa pessoa é linda, sua vida deve ser muito simples’. E a maioria delas não sente o que pensa dela”, disse a atriz.

Mãe de três filhos, esta não é a primeira vez que Megan Fox fala sobre sua saúde mental. Em 2019, em um programa de televisão, ela se abriu sobre como se sentir sexualizada pela mídia e pela indústria a afetou no cinema durante anos. “Acho que tive um colapso psicológico onde não queria fazer nada. Não queria ser visto, não queria ter que tirar foto, andar no tapete vermelho, não queria ser visto em público por medo ou crença de que eles vão tirar sarro de mim “, disse ele então.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

Outubro Rosa: reconstrução mamária devolve a autoestima da mulher

Publicados

em


source
Outubro Rosa: reconstrução mamária devolve a autoestima da mulher
Reprodução: Alto Astral

Outubro Rosa: reconstrução mamária devolve a autoestima da mulher

O que acontece após o diagnóstico do câncer de mama? A campanha Outubro Rosa promove debates de conscientização sobre a prevenção, detecção e também tratamento da doença. Uma vez que o tumor foi identificado, grande parte das mulheres passa por uma cirurgia chamada mastectomia para a retirada parcial ou total da mama. Mas e depois?

“A reconstrução da região tem um papel importante no resgate da autoestima, pois ajuda a minimizar os impactos físicos e emocionais causados pela mastectomia. Trata-se de uma cirurgia plástica reparadora com resultados naturais”, explica a cirurgiã plástica Leticia Odo, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

A também cirurgiã plástica Thamy Motoki explica que existem duas possibilidades: “A prótese de silicone é indicada para pacientes que retiraram toda a glândula. Já nas cirurgias mais extensas, é possível reconstruir a mama a partir de retalhos locais ou até mesmo com tecidos de outras regiões do corpo, como dorso e abdome”.

Impactos emocionais

O câncer de mama exerce um grande impacto no emocional das mulheres — tanto pelo medo da doença, quanto pelas modificações físicas —, por essa razão é indicado o acompanhamento psicológico durante o tratamento. Esse apoio se faz necessário também após a retirada do tumor, momento no qual a paciente verá um novo corpo refletido no espelho.

Leia Também:  Harmonização corporal: a nova era do autocuidado e estética

“O trabalho de um psicólogo, quando uma mulher opta por fazer a reconstrução mamária, é de entender primeiro como ela lidava com o corpo antes do diagnóstico. A partir daí, podemos compreender melhor sua relação com este novo corpo, diferente e com uma cicatriz, que carrega essa história”, destaca a psico-oncologista Marilia Zendron.

A especialista salienta que a decisão é muito subjetiva. Segundo ela, há mulheres que enfrentam a reconstrução com mais tranquilidade, pois sonhavam com um peito maior. Outras decidem deixar a cirurgia para outro momento ou sequer cogitam fazê-la, pois se sentem bem com o corpo. “Cada mulher saberá dizer o que a faz feliz e a deixa satisfeita com a própria imagem”, pontua.

Leia Também

Pós-operatório

Letícia relembra que os cuidados pós-operatórios são os mesmos de uma mamoplastia feita para fins estéticos e devem ser orientados pelo médico responsável, afinal, cada caso é único. “Nos primeiros dias, serão necessários a utilização de curativos sobre as incisões e repouso relativo, evitando ao máximo esforço ou movimento repetitivo com os braços. Para sustentar a mama e minimizar o inchaço, uma bandagem elástica ou sutiã apropriado deverão ser usados”, indica.

Leia Também:  Delegados da PF e especialistas internacionais discordam sobre lei brasileira da lavagem de dinheiro

ONG Orientavida

A ONG Orientavida vem promovendo a campanha Pense Rosa, que ajuda mulheres que estão na fila de espera do SUS (Sistema Único de Saúde) a realizarem mamografias. A cada 12 pulseiras vendidas no site da ONG, a venda é revertida em um combo de diagnóstico de câncer de mama. Até agosto deste ano, 11 mil mamografias foram realizadas. A meta da ONG Orientavida é atingir 15 mil até dezembro de 2021. Participe!

Fontes: Letícia Odo, cirurgiã plástica, especialista e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e médica dos corpos clínicos do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital Sírio Libanês; Thamy Motoki, cirurgiã plástica, membro titular da SBCP e médica no Hospital São Luiz, e Marilia Zendron, psicóloga especialista em psico-oncologia pelo A.C. Camargo Cancer Center e membro do corpo clínico da Clinonco.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA