Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MULHER

Feminicídio: filhos presenciam o assassinato das mães em quase 20% dos casos

Publicados

em


source
Feminicídio
Pikisuperstar/Freepik

Feminicídio

 No ano passado, em quase 20% dos casos de feminicídio no Rio de Janeiro, filhos presenciaram os assassinatos de suas mães. Apesar de a pandemia da Covid-19 e o isolamento social terem contribuído para subnotificação dos crimes,  o número de casos de violência contra mulher continuou, em 2020, em níveis alarmantes, segundo a nova edição do Dossiê Mulher, do Instituto de Segurança Pública (ISP), apresentada na manhã desta segunda-feira pelo governo estadual.

Foram registrados, em 2020, 78 feminicídios. Destas, Cinquenta e duas vítimas eram mães, e 34 tinham filhos menores de idade. Cerca de 20% desses feminicídios (15) foram presenciados pelos filhos; e  os companheiros ou ex-companheiros representam a maioria dos autores dos crimes (78,2%). Além disso, quase 75% das mulheres foram mortas dentro de uma residência.

Os dados mostram, conforme explicou a presidente do ISP, Marcela Ortiz, que a violência têm base no machismo estrutural da sociedade.

— A mulher parece não ter o direito de se manifestar dentro de casa ou de terminar um relacionamento — afirmou a delegada, que destacou a importância de se romper com essa estrutura. — Digo que é como uma escada. A cada degrau que sobe, a violência vai aumentando. São dados sinais, e então é importante interromper o relacionamento abusivo antes de chegarmos ao último degrau da violência.

Em 2019, foram registrados 85 feminicídios no estado, ou seja, sete casos a mais que em 2020. Mas essa estatística precisa ser interpretada de acordo com o contexto, frisou Marcela Ortiz. Primeiro, explicou a delegada, a redução ou aumento de registros podem estar atrelados às confianças nos órgãos de notificação, e não necessariamente na diminuição ou aumento da violência.

Leia Também:  Mato Grosso ultrapassa a marca de 500 mil casos de Covid-19

Leia Também

E, mais importante, pelo fator da pandemia. Com o isolamento social, mulheres ficaram mais tempo em casa, muitas vezes sob maior controle do agressor.

— O monitoramento mostra que, nos meses com menor circulação de pessoas nas ruas, os registros totais de ocorrência nas delegacias diminuíram. Por outro lado, as chamadas no Disque Denúncia e no 190 sobre violência contra mulher continuaram em número estável. Então isso sugere subnotificação, além do fato de esse tipo de crime já ser mais sujeito à subnotificação, por todas dificuldades que a mulher vítima enfrenta — disse Ortiz. — Dados mostram as mulheres que puderam denunciar, mas é preciso lembrar as outras que sofreram em silêncio.

Governador anuncia investimentos

Dentro do Pacto RJ, programa de investimentos do governo do Rio turbinado pelos recursos da venda da Cedae, está previsto o aporte de R$5 milhões para reformas nas 14 Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam) do estado. Segundo o governador Cláudio Castro, a equipe do ISP chegou ao número de R$3,5 a R$4 milhões como o valor necessário para modernizar as delegacias que estão, segundo Castro, “altamente sucateadas”.

— Essa verba é inicial, mas liberamos um número maior para reformas e, se possível, ampliar o trabalho. As Deams precisam ser um local que acolha bem as vítimas. Queremos ver manchas que ainda não conseguimos atender bem — explicou o governador, que considerou a violência contra mulher como uma prioridade do estado. — Sou a favor da liberdade total da mulher, de ter opinião em casa, e de poder terminar um relacionamento ou ter uma briga sem que sua vida seja ceifada. Os números impressionam e talvez a sociedade ainda não esteja sabendo dessa gravidade.

Leia Também:  Anel em alta: veja qual estilo tem a ver com o seu signo

Onze estupros por dia

De acordo com o dossiê, 4.086 mulheres foram vítima de estupro no Rio, ano passado, o que significa 11 mulheres por dia. Destas, 2.754 tinham até 13 anos. Ao todo, mais de 98 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica e familiar no estado, ou seja, 270 mulheres sofreram algum tipo de violência por dia em 2020

Mais da metade das vítimas de feminicídio tinha entre 30 e 59 anos de idade (57,7%) e era negra (55,1%). O Dossiê aponta ainda a dinâmica do crime: mais de 40% das mulheres foram mortas por faca, facão ou canivete e 24,4% por arma de fogo; a motivação do crime foi uma briga para 27 dos homicidas e o término do relacionamento foi apontado por 20. Uma média de sete a cada dez autores foi preso ou se entregou para a autoridade policial. Durante o processo, constatou-se que mais da metade das vítimas já tinha sofrido algum tipo de violência e não registrado.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

Dezembro laranja: confira os mitos e verdade sobre proteção solar

Publicados

em


source
Os itens essenciais do verão
Google Imagens/ Reprodução

Os itens essenciais do verão



O  mês de dezembro é dedicado à prevenção do câncer de pele . A campanha do Dezembro Laranja busca conscientizar para os riscos para saúde da exposição prolongada ao sol, uma vez que com a chegada do verão ficamos ainda mais expostos ao sol e recentemente os especialistas chegaram ao consenso de que  não existe mais horário seguro para tomar sol sem proteção.

Por isso, quanto mais proteção melhor. O ideal é sempre usar protetor solar quando for se expor ao sol e lembrar de passar em regiões como orelhas e mãos. Como existem muitas dúvidas e mitos sobre proteção solar, a Avon respondeu alguns mitos e verdades sobre como proteger a pele nesta época do ano. Confira.


Leia Também

Preciso passar protetor solar estando dentro de casa

VERDADE! A proteção solar dentro de casa é sim necessária, sendo tão importante como nos dias em que saímos à rua. Mesmo estando em ambientes internos, é praticamente impossível não estarmos expostos à radiação, principalmente a dos raios UVA, que são pouco filtrados pela atmosfera, e causam o envelhecimento precoce e marcas na pele. Além disso, em casa ficamos expostos à luz de lâmpadas e de aparelhos eletrônicos que também emitem radiações prejudiciais à saúde da pele. Portanto, a utilização de protetor solar dentro de casa é indispensável.

O protetor solar é o último passo do ritual de skincare

VERDADE! A proteção solar entra como a última etapa no seu ritual de cuidados com a pele, sendo o último produto a ser aplicado após a limpeza e tratamentos específicos. 

Não é necessário passar protetor solar em dias nublados

MITO! Mesmo em dias em que o sol está brilhando, não podemos pular a etapa de proteção solar no ritual de skincare, pois a nossa pele ainda está exposta à radiação. Inclusive quando utilizamos a máscara facial de proteção contra a Covid-19, ainda precisamos utilizar protetor solar, pois o tecido não protege a região dos efeitos nocivos da radiação.

Leia Também:  Mulher exagera no bronzeamento três dias antes de ir a um casamento

Não preciso passar protetor solar antes de aplicar a maquiagem

MITO! É necessário aplicar o protetor solar antes de se iniciar a preparação pois maquiagem, no geral, não possui FPS. Além disso, é importante destacar que um bom ritual de skincare prévio a produção da make garante benefícios visíveis a pele: desde o tão falado efeito glow, tendência já aprovada dentro do cenário de beleza, até mesmo a utilização de produtos mais mattes, que podem ajudar na duração da maquiagem ao longo do dia em períodos de clima mais quente.

A proteção solar ajuda na prevenção do envelhecimento precoce da pele

VERDADE! A radiação é uma das principais causadoras do envelhecimento precoce da pele, portanto o uso do protetor solar diariamente é essencial para a manutenção da saúde dessa região. 

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA