Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

INVESTIMENTOS

Governadores e senadores defendem consórcios intermunicipais e interestaduais

Publicados

em

Em audiência pública semipresencial, governadores e senadores destacaram a importância dos consórcios públicos para a criação de mecanismos que favoreçam o aprimoramento de políticas públicas e a atração de investimentos em diversas áreas, sobretudo nas regiões mais carentes do país.

O debate, promovido pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado (CDR) teve como tema a gestão associada de serviços públicos no desenvolvimento regional, prevista na Lei 11.107, de 2005. Essa lei contém as regras para a União, estados, Distrito Federal e municípios contratarem consórcios públicos para a realização de objetivos de interesse comum, com a constituição de associação pública ou pessoa jurídica de direito privado.

A audiência foi proposta pelo senador Jaques Wagner (PT-BA). Ele ressaltou que participou da elaboração dessa lei quando esteve à frente da articulação política do primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

— Depois de várias experiências reais acontecendo, o que nós fizemos simplesmente foi legalizar isso para que pudesse haver uma pessoa jurídica aceita institucionalmente que representasse uma experiência tão vigorosa — afirmou o senador.

Instrumento legal

Jaques Wagner disse que esse tipo de consórcio é consequência de uma demanda já existente que não dispunha de um instrumento legal, tendo início no âmbito municipal e, mais tarde, estadual. Ele também argumentou que o consórcio é importante para municípios pequenos em termos de população e orçamento, que têm dificuldades para implementar serviços mais amplos de atendimento à população. De acordo com o senador, a ferramenta já possibilitou a criação de 21 policlínicas para atendimento à população do interior da Bahia.

— A busca por consórcio cresceu 66% de 2015 a 2019. Há 491 consórcios que abrangem 4.081 municípios brasileiros. Destes, 3.600 são de pequeno porte — frisou o senador, citando dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Jaques Wagner defendeu ainda que os consórcios possam ter acessos a recursos do Orçamento da União.

— Essa é uma ideia que está prosperando. Que eles possam ter acesso à verba do orçamento público federal, seja por meio de fundos regionais ou emendas parlamentares. Um dos obstáculos que temos é a falta de musculatura. E os consórcios, para mim, representam a maturidade da classe política brasileira — declarou.

O senador Fernando Collor (Pros-AL), presidente da CDR, disse que, antes mesmo da entrada em vigor da Lei dos Consórcios Públicos, disseminavam-se pelo pais experiências de gestão pública compartilhada. Segundo ele, a formalização legal impulsionou o consorciamento, que ganhou importância em diferentes regiões do país, sobretudo nos pequenos municípios, que estariam se destacando na implementação de políticas públicas.

Leia Também:  Velório de Paulo Gustavo no Theatro Municipal será fechado para a família

Collor ressaltou que a colaboração de governos locais permite a contratação de serviços a custos mais baixos, e pode representar estímulo e fortalecimento de gestão pública de melhor qualidade e eficiência. Ele disse que, em Alagoas, os consórcios estão presentes nas áreas de coleta de lixo, saúde e veterinária.

Para o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), há duas vantagens nos consórcios: a otimização administrativa do conjunto, tanto na receita como na despesa, e o fortalecimento políticos dos seus integrantes.

Planejamento e defesa ambiental

Governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias defendeu a importância dos consórcios públicos para o desenvolvimento regional. Ele informou que o Consórcio Nordeste reúne nove estados com cerca de 53 milhões de habitantes, com Produto Interno Bruto (PIB) de mais de R$ 1 trilhão. Esse consórcio conta um comitê científico e 18 câmaras técnicas, nas áreas de saúde, educação, assistência social, turismo, cultura e energia, entre outras, que, segundo Wellington, permitem trabalhar modelagens de investimentos.

— [O Consórcio Nordeste] É um instrumento dos estados. Criamos a Previdência Nordeste complementar, que garante a autonomia dos fundos com regra de aplicação que tem a ver com a poupança de cada estado e possibilita melhores resultados nas aplicações com linha de fiscalização. A gente precisa ter uma área de referência junto ao governo federal. Essa integração com o governo federal é fundamental. É possível atuar na melhoria dos serviços. É um instrumento inovador e importante por parte dos municípios e estados e, com certeza, teremos ao longo do tempo bons resultados em favor da nossa população — argumento Wellington.

Governador do Maranhão e presidente do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, Flávio Dino afirmou que o mecanismo tem como temática prioritária a questão ambiental. Ele disse que os estados receberam recursos repatriados pela Lava Jato e os aplicaram em programas de valorização de parques e combate às queimadas.

— O consórcio funciona como um interlocutor da região, visando a recursos para que haja aporte em quatro eixos: freio ao desmatamento, produção sustentável, tecnologia verde e inovação e estrutura verde.

Leia Também:  Conselho de Ética ouve Daniel Silveira e Coronel Tadeu nesta terça-feira

Flávio Dino declarou que o fortalecimento dos consórcios exige liderança nacional, e que o Senado pode ser o eixo estruturante dos consórcios. Ele também defendeu a discussão de uma legislação de fomento para que consórcios possam captar recursos dos fundos regionais de desenvolvimento.

Saneamento e desburocratização              

Presidente da Rede Nacional de Consórcios Públicos, Victor Borges argumentou que o consórcio público é fundamental para levar adiante o desenvolvimento dos municípios. Como exemplo, ele citou a área do saneamento.

— 40 milhões de pessoas no Brasil não sabem o que é tomar um copo de água potável. Como superar essa chaga? Não podemos admitir que continuemos assim. É importante e fundamental unir as cidades em bloco para que elas possam ter escala e mostrar bons projetos para fazer a captação de recursos públicos e dialogar com a iniciativa privada, que vai atuar com quase R$ 600 bilhões em função do Marco Geral do Saneamento.

Victor Borges também apontou a necessidade de desburocratização dos consórcios intermunicipais.

— Precisamos de legislação para apoiar o consórcio, não só a lei de 2005, mas leis que desburocratizem a vida do parlamentar que quer botar verba na região por meio dessa autarquia. Não haverá espaço no mundo se não tratarmos da questão de recursos de forma compartilhada e estudando os impactos ambientais. Os consórcios serão hoje e doravante um mecanismo eficiente, transparente e de honradez da aplicabilidade dos recursos públicos, de maneira consentânea com a realidade — afirmou.

Prefeito de Andaraí (BA) e presidente da Federação Baiana de Consórcios Públicos, Wilson Paes Cardoso disse que o consórcio é importante para o desenvolvimento regional dos municípios de pequeno porte, sobretudo na área de infraestrutura. Cardoso afirmou, porém, que faltam políticas públicas direcionadas para que os recursos cheguem aos seus destinos por meio do consórcio e permitam o desenvolvimento, por exemplo, obras de potencial turístico. Ele sugeriu que as emendas parlamentares e de bancada sejam direcionadas diretamente para os consórcios, e que a inadimplência dos municípios consorciados seja descontada dos fundos de participação, como forma de dar mais agilidade à execução de diversas obras.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

LEGISLATIVO

Botelho participa da luta por investimentos em Santo Antônio de Leverger

Publicados

em

O trabalho em parceria está rendendo bons frutos para Santo Antônio de Leverger, cidade há 30 quilômetros de Cuiabá. Além de emendas para a revitalização da orla e melhorias na distribuição de água, o deputado Eduardo Botelho (DEM) trabalha para a ampliação do sinal de telefonia celular nas comunidades, como a agrovila das Palmeiras.

Nesta segunda-feira (27), Botelho participou da cerimônia para o anúncio de mais recursos. É que o senador Jayme Campos (DEM) destinou R$ 1 milhão em emendas para a reforma e ampliação do Hospital Municipal de Santo Antônio de Leverger. O senador também somará esforços com Botelho para articular, junto à Anatel, os investimentos para melhorar os serviços de telefonia, atendendo os moradores das comunidades.

“Esse recurso é muito importante para o hospital, temos emendas para a orla da cidade, uma demanda para resolver, junto a Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações], a questão da Agrovila, e outras comunidades onde não funciona o telefone celular. Temos emendas para o município, a Assembleia Legislativa está presente em todas as ações”, afirmou Botelho.

Leia Também:  Operadoras de turismo não atingem 25% da média de embarque neste ano

A prefeita Francieli Magalhães disse que a obra do hospital ficará em torno de R$ 3 milhões. “Fiquei muito feliz com essa emenda, já temos R$ 1 milhão em caixa e, aos poucos, as coisas vão dando certo. Tenho certeza que virão muito mais investimentos. Ninguém faz nada sozinho, por isso sempre buscamos apoio também da Assembleia Legislativa, que é fundamental para município pequeno como o nosso, que tem poucos recursos. Então, quando o deputado destina recursos quem ganha é a população”, afirmou a prefeita.

Construído na década de 90, durante o governo de Jayme Campos, atualmente, o hospital é mantido com 100% de recursos da Fonte 100. Com a reforma e adequação, o hospital poderá receber mais recursos, inclusive, voltar a fazer partos.

“Com certeza esse recurso é bastante substancial para esse hospital que merece a reforma e novos equipamentos. E o deputado Eduardo Botelho tem colaborado, não só com Santo Antônio, mas para todas as cidades já foram distribuídos milhões de reais de autoria do deputado Botelho, que sem sombra de dúvidas é um valoroso deputado. Tem se preocupado muito, sobretudo, com os mais humildes, mais carentes, faz um trabalho exemplar como deputado, sobretudo, como ser humano”, disse Jayme Campos.

Leia Também:  CPI: Diretor da Precisa fica calado, irrita senadores e tem sigilo quebrado

De acordo com o secretário Municipal de Saúde, Amilton José e Silva, com a reforma serão possíveis internações e outros procedimentos, pois atualmente a unidade funciona apenas como pronto atendimento, além de retornar a sala de partos. Habilitado para 21 leitos, também serão abertos mais quatro para melhorar o atendimento que fica em torno de 200 pacientes por mês.

“Vai ser uma satisfação gigantesca para a população voltar a ter os serviços de maternidade, resgatando o orgulho de falar que nasceu na cidade”.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA