Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

RECICLAGEM

TJMT faz o descarte para reciclagem de toneladas de resíduos

Publicados

em

O Departamento Administrativo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso realizou nesta semana mais um descarte de resíduos, oriundos do próprio acervo Coordenadoria Administrativa) e dos acervos dos Departamentos de Pagamento de Pessoal (Coordenadoria de Recursos Humanos), de Apoio ao Julgamento (Coordenadoria Judiciária), Judiciário Administrativo (Corregedoria-Geral da Justiça) e das Associações Clube da Criança e MGE Recreação Infantil. Essa ação totalizou nove toneladas de materiais do arquivo central do TJMT, que a exemplo dos descartes anteriores também foi doado à Associação de Catadores de Materiais Recicláveis e Reutilizáveis de Mato Grosso Sustentável (Asmats).
Mesmo com a paralisação das atividades presenciais, por força da Portaria-Conjunta 249/2020, da Presidência e Corregedoria-Geral da Justiça, a Gestão Arquivística do TJMT destinou 24 toneladas de resíduos à reciclagem, no período de um ano, de outubro de 2019 a outubro de 2020. Entre outros benefícios, o Projeto 7.3 da Gestão Arquivística permite o redimensionamento dos acervos e espaços físicos das unidades judiciárias, proporcionando significativa economia ao Poder Judiciário mato-grossense.
O Projeto 7.3 Gestão Arquivística (Documental e Informação) consiste no saneamento do acervo documental, aplicação das tabelas de temporalidade das áreas meio e fim ao acervo arquivístico de cada unidade judiciária, implantação e consolidação da política de gestão documental no âmbito do Judiciário estadual. Atualmente, os trabalhos da segunda fase do projeto se encontram no estágio intermediário na maioria das 79 Comarcas, o que corresponde à triagem de processos e elaboração e/ou publicação do edital de ciência de eliminação de autos.
De acordo com Bruna Penachioni, diretora administrativa, o Projeto 7.3 avançará agora para as terceira e quarta fases, que possibilitarão soluções tecnológicas de gestão e política documental.
Álvaro Marinho – Coordenadoria de Comunicação do TJMT
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Requisições de bens e serviços contra pandemia não dependem de autorização da Saúde
Propaganda

JUDICIÁRIO

Procuradora morre em decorrência da Covid-19 em São Paulo

Publicados

em

A procuradora de Justiça Julieta do Nascimento Souza, 71 anos, faleceu nesta quinta-feira (3), em decorrência da Covid-19, em uma unidade de saúde da cidade de São Paulo. A informação foi confirmada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso.

Procuradora morre em decorrência da Covid-19 em São Paulo

Foto: Reprodução

Ela estava internada e não resistiu na luta contra doença. Entre os amigos, é conhecida por ser uma pessoa solidária e engajada nas causas sociais.

Julieta do Nascimento Souza ingressou no Ministério Público do Estado de Mato Grosso em março de 1990. Ela tornou-se Procuradora de Justiça em junho de 2017. Atualmente, exercia o cargo de Ouvidora-Geral Substituta do MPMT.

O Procurador-geral de Justiça em exercício, Mauro Delfino César, lamentou o ocorrido e destacou que “Julieta do Nascimento dedicou grande parte da sua vida ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Incansável, ela sempre se manteve próxima da sociedade, exercendo com mister as suas atividades institucionais”, destacou.

Em seu discurso de posse ao cargo de Procuradora de Justiça, em 2017, Julieta do Nascimento Silva enfatizou: “Fiz dezenas de trabalhos, mas dois, em especial, me marcaram bastante. A participação na primeira edição do Projeto Ribeirinho Cidadão (em 2006), onde tive a honra de ser a primeira Promotora de Justiça a representar o Ministério Público em um projeto social de grande relevância para a população ribeirinha. Outro momento importante na minha carreira foi quando, em 2015, participei da implantação da audiência de custódia, visando a humanização do sistema prisional”.

Leia Também:  "Demorei quinze anos para entender que tive depressão pós-parto"

Por: Olhar Direto

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA