Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SERVIÇO PÚBLICO

Servidores da CGE fazem parte da primeira turma de especialista em Ouvidoria Pública do Brasil

Publicados

em

Servidores da Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso (CGE-MT) figuram na primeira lista de pós-graduados com especialização em Ouvidoria Pública do Brasil. O secretário adjunto de Ouvidoria Geral e Transparência, Vilson Nery, e a analista administrativo, Aline Landini, participaram dessa iniciativa inédita proporcionada pela parceria entre a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI) e a Controladoria Geral da União (CGU).

“É o primeiro curso no âmbito nacional de especialização de Ouvidoria Pública. Esses ouvidores e ouvidoras estão qualificados e antenados no que há de mais novo do ponto de vista de técnicas, de atendimento, de tratamento de informação”, frisou o adjunto da CGE.

Nos últimos anos, a atividade de ouvidoria no país vem passando por constantes mudanças tanto no âmbito da legislação, quanto tecnológicos e de comunicação com o cidadão. Posto isso, a especialização teve como objetivo de promover a atualização e a formação de novas habilidades e competências do ouvidor.

Para a analista Aline Landini a especialização colaborou para atualizar e ampliar os conhecimentos trazendo outras vivências que poderão ser aplicadas no Poder Executivo de Mato Grosso.

Leia Também:  Secretaria de Fazenda retoma o atendimento presencial com agendamento

“Essa especialização permitiu que saíssemos um pouco do operacional, do dia a dia da ouvidoria, ampliando os horizontes, conhecendo o que está sendo feito no mundo. Por outro lado, como foi um curso de ouvidoria pública, não perdemos o foco das características e também dos dilemas da gestão pública”, ressaltou Aline Landini.

Acerca das expectativas relativas à aplicação dos saberes adquiridas durante o curso, Vilson Nery assegurou que a troca de experiências contribuirá sobremaneira para o aprimoramento dessa atividade, que é um setor essencial da administração que permite o diálogo entre o cidadão, usuário dos serviços públicos, e as unidades de gestão.

“Outro motivo importante e de muita alegria, é que esse curso mostrou os bons exemplos, o que há de novo e interessante do ponto de vista das ouvidorias em atividade do Brasil. Vários produtos da Ouvidoria Geral do Estado de Mato Grosso foram demonstrados no curso, então, para nós começa uma fase nova bem mais estruturada, qualificada, e agora estamos dentro desse rol privilegiado dos poucos ouvidores especialistas em ouvidoria pública no Brasil”, festejou Vilson Nery.

Leia Também:  Brasil libera R$ 2,5 bilhões para aderir à aliança contra covid-19

Além dos servidores da Controladoria, também finalizou a especialização em Ouvidoria Pública a ouvidora da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Márcia Cristina Ourives da Silva, somando três agentes públicos da Rede de Ouvidorias do Estado de Mato Grosso na relação de primeiros especialistas na área.

A pós-graduação reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC) teve duração de (01) um ano, com carga horária de 380 horas, turma que envolveu 132 alunos, entre eles, ouvidores de diferentes esferas de governo, gestores e agentes de serviços públicos e representantes da sociedade civil.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JUDICIÁRIO

Marco Aurélio Mello adia aposentadoria para 12 de julho para adiantar acervo pendente

Publicados

em

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello encaminhou um ofício à presidência da Corte informando que vai se aposentar em 12 de julho. O documento adia em uma semana a previsão anterior, que havia sido definida pelo próprio ministro, de deixar o cargo no dia 5.

No ofício, o ministro afirma que quer se dedicar ao Judiciário até a “undécima hora” e “diminuir ao máximo” o número de processos que ficarão em seu gabinete.

Marco Aurélio Mello é o decano (ministro mais velho) do tribunal e completa 75 anos no dia 12. Com isso, tem de se aposentar compulsioriamente do posto.

Na prática, com o novo ofício, o ministro desistiu de antecipar o fim dos trabalhos.

“Aguardarei, em mais uma demonstração de apego ao oficio de servir, como julgador, aos semelhantes, a data-limite de permanência no cargo, a ocorrer em 12 de julho próximo, ao completar 75 anos de idade”, afirmou.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Ministro determina abertura de inquérito para investigar vazamento de dados de ministros do STF
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA