Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SUPREMO

Datafolha: Reprovação aos ministros do STF volta a subir e atinge 33%

Publicados

em

A avaliação dos brasileiros sobre os ministros do Supremo Tribunal Federal piorou desde meados do ano passado, apontam dados da pesquisa Datafolha publicados nesta segunda-feira (12).

Cerca de 33% dos entrevistados avaliaram a Corte como ruim ou péssima, enquanto 36% julgam existir uma atuação regular e 24% a classificaram como boa ou ótima. Não souberam responder outros 7%.

A queda na avaliação é demonstrada no comparativo com os dados da mesma pesquisa realizada em agosto de 2020, quando 29% classificavam o Supremo como ruim ou péssimo, 38% como regular e 27% como ótimo ou bom, com 6% sem saber responder. Como a margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, o crescimento de 4 pontos no pior indicativo mostra o desgaste da imagem dos ministros.

Segundo o Datafolha, entrevistados que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram os que pior avaliaram o STF. Entre os empresários e os que apontaram sempre confiar no presidente, a pior avaliação foi dada por 52% e 51% dos respondentes, respectivamente.

Leia Também:  Cinco das 10 unidades judiciárias se destacaram em junho

A rejeição foi grande também entre homens (37%), pessoas com nível superior completo (41%) e entrevistados que não pretendem tomar a vacina contra a Covid-19.

Supremo Tribunal Federal (STF)
Sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Em contraponto, avaliam mais positivamente quem possui até o nível fundamental completo (27%) e assalariados sem registro (28%), além de existir menor rejeição no Nordeste do que no Sul: 30% contra 37%. A porcentagem de ótimo e bom também é maior entre os que afirmaram ter o PT como partido preferencial (31%).

A pesquisa também destaca que 28% dos entrevistados que se consideram “bem informados” sobre as suspeitas de corrupção na aquisição de vacinas também avaliam a Corte positivamente.

Mesmo assim, o resultado negativo não foi o pior da série histórica iniciada em dezembro de 2019, quando a pesquisa identificou que 39% consideravam-os ruim ou péssimo.

A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 8 de julho com 2.074 pessoas de 146 municípios de todo o país.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JUDICIÁRIO

Webinar sobre direitos da população LGBTQIA+ é marco histórico no MPMT

Publicados

em

O casamento igualitário, o direto à autodeterminação de gênero, benefícios previdenciários, adoção de crianças por casais homoafetivos, doação de sangue e a criminalização da homofobia e da transfobia representam grandes avanços para a população LGBTQIA+ no Brasil. Entretanto, ainda é pouco diante dos desafios e adversidades enfrentados diariamente por essa parcela da população. O Brasil ostenta o nada honroso título de país que mais mata LGBTQIA+ no mundo, sobretudo transgêneros. A luta é diária e, a cada passo dado, surge um motivo para se comemorar.

Nesta quarta-feira (28) o avanço partiu do Ministério Público de Mato Grosso, que promoveu o webinar “População LGBTQIA+ e sua proteção jurídica”, colocando em tela a necessidade de políticas públicas igualitárias, de lutas institucionais pela diversidade e de transformação cultural baseada na educação e no respeito aos direitos humanos constitucionais. A postura do MPMT foi bastante elogiada pelos palestrantes e demais participantes do evento, considerada como um momento revolucionário e histórico.

Maria Eduarda Aguiar, advogada e presidenta do Grupo pela Vida no Rio de Janeiro, destacou o esforço do MPMT em promover o evento, lutar pela diversidade e levar essa bandeira para o interior da instituição. A palestrante afirmou que o país vive um momento delicado, em que não há investimento do Governo Federal nas políticas públicas de enfrentamento à LGBTfobia, e enalteceu as iniciativas individualizadas como a do webinar. Ao mesmo tempo, demonstrou preocupação com a solidificação dos espaços de respeito e diversidade dentro das instituições e defendeu que “o direito da população trans não é uma questão de ideologia e sim de direitos humanos”.

O cenário político do Brasil também foi criticado pelo procurador-geral de Justiça de Mato Grosso. José Antônio Borges Pereira lembrou a declaração da ministra Damares Alves de que menino deve vestir azul e menina vestir rosa, que considerou ser “uma visão distorcida e desrespeitosa”. Conforme o chefe do MPMT, além de os direitos humanos constitucionais assegurarem o respeito às escolhas dos cidadãos e à individualidade, há questões mais importantes com as quais o Governo Federal deveria se ocupar.

Leia Também:  Segunda Turma absolve deputado federal acusado na Operação Lava-Jato

“Vivemos um momento difícil, em que se busca trazer uma imposição em relação às escolhas do amor do ser humano ao próximo. E o Ministério Público de Mato Grosso não poderia se calar e deixar de levantar a bandeira contra a LGBTfobia. Temos, inclusive, uma situação muito grave a partir do momento em que o presidente diz que fraquejou ao ter uma filha mulher. Vemos uma misoginia completa”, afirmou, destacando ser fundamental o fortalecimento da democracia, que tem como base a defesa das minorias. O procurador-geral considerou o evento um marco político de defesa da sociedade e dos direitos humanos, que é a missão do Ministério Público.

Invisibilidade – O professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Luis Antonio Bitante Fernandes, doutor em Sociologia, abordou a invisibilidade dos transgêneros e travestis. “É muito comum que as pessoas pensem que o isolamento e a invisibilidade das pessoas trans é apenas a falta de saúde de qualidade, educação e segurança. Todas essas coisas são extremamente importantes para uma vida digna. Mas, pensar apenas elas, sem entender em que contexto esse isolamento nasce, é pensar apenas numa parte da equação”, afirmou.

O palestrante falou também sobre o significado das letras da sigla LGBTQIA+ e observou que a transexualidade ainda não foi retirada do Código Internacional de Doenças (CID). “A Organização Mundial de Saúde retirou a transexualidade da lista de doenças mentais da nova classificação internacional de doenças, mas ainda a traz como uma ‘incongruência de gênero’ dentro da categoria das condições relativas à saúde sexual”, revelou.

Conquistas do Sistema de Justiça – Giowana Cambrone Araújo, professora-orientadora de Direito da Família e de Legislação para Comunicação Social das Faculdades Integradas Hélio Afonso, discorreu sobre a importância do Sistema de Justiça para as conquistas da população LGBTQIA+. Segundo ela, há diversos projetos de lei em andamento, mas que efetivamente não tramitam. “Diante da omissão do Poder Legislativo em garantias de direitos, só nos resta procurar o Poder Judiciário para validar nossos direitos”, argumentou.

A palestrante reforçou a importância da discussão promovida pelo MPMT, uma vez que se trata de “instituição fundamental para a garantia de direitos constitucionais difusos para uma população que não encontra proteção e tutela do Estado”.

Leia Também:  Marido de Paulo Gustavo torce para recuperação do ator: "Volta logo para mim"

Construção de espaço no MPMT – Atuando como mediadora no debate, a servidora Ana Vitória Saraiva de Azevedo Pontes, auxiliar ministerial do Centro de Apoio Operacional (CAO) Direitos Humanos, Diversidade e Segurança Alimentar, agradeceu a presença e disponibilidade dos palestrantes e demais participantes do seminário virtual. Ela considerou ser um espaço revolucionário o webinar idealizado pelo CAO. “Ser uma travesti e ocupar um espaço como esse dentro do MPMT é motivo de muito orgulho e de muita resistência”, garantiu, reforçando ser um desafio pensar os direitos das pessoas LGBTQIA+ em um país de tantos retrocessos e negacionismos.

No encerramento, o promotor de Justiça Carlos Rubens de Freitas Oliveira Filho, colaborador do CAO Direitos Humanos, propôs uma reflexão de como o Ministério Público de Mato Grosso pode contribuir ainda mais, criando mecanismos de atuação estrutural e mesmo individual. Para ele, além da recente criação do CAO, que é um mérito da atual administração, é preciso institucionalizar espaços de discussão e de resistência, estabelecendo interação com a sociedade e a academia.

O webinar “População LGBTQIA+ e sua proteção jurídica” foi transmitido ao vivo pelo YouTube e poder ser assistido aqui.

Fonte: MP MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA