Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

IRREGULAR

Parceria entre Anatel e Receita Federal apreende 243,7 mil equipamentos irregulares de telecom

Publicados

em

De julho a setembro de 2020, foram apreendidos 243,7 mil equipamentos irregulares de telecomunicações no Brasil, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches, conversores digitais com wi-fi e outros. O número elevado de apreensões, na percepção dos especialistas da Anatel, é resultado de fiscalizações conjuntas com a Receita Federal realizadas de acordo com o Plano de Ação de Combate à Pirataria da Agência.

Segundo o superintendente de Fiscalização da Anatel, Igor Moreira, “o investimento na sinergia entre os órgãos de fiscalização, o que inclui a capacitação sobre as normas setoriais, tem propiciado um crescimento acelerado dos números observados. Somente nos três últimos meses, o número de produtos irregulares identificados nas aduanas já superou o número alcançado em todo o ano de 2019. Além da Receita Federal, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal também têm nos procurado com frequência para avaliarmos cargas desse tipo de produto.”

Para coibir ainda mais a importação irregular de produtos de telecomunicações, a Anatel tem capacitado agentes aduaneiros e auxiliado na avaliação de cargas nos centros de triagem e importação. Além disso, a Agência já recebeu parecer positivo, do Ministério da Economia, para sua inclusão no rol de órgãos anuentes do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex).

Leia Também:  Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0

Segurança e qualidade – Equipamentos para telecomunicações precisam estar de acordo com a regulamentação da Anatel para serem comercializados e utilizados no Brasil. As regras da Agência exigem que os equipamentos de telecomunicações atendam padrões de segurança e a qualidade para o uso.

O Superintendente de Outorga e Recursos à Prestação, Vinicius Caram, alerta que “a aquisição de equipamentos, pelos consumidores, de produtos que não foram certificados pela Anatel representa um grande risco de acidentes, como os já relatados pela imprensa recentemente. É importante a população observar que o objetivo do processo de certificação é estabelecer um grau mínimo de qualidade e adequação dos produtos, e que equipamentos que possam ter certificação estrangeira não necessariamente atendem requisitos adotados pelo país. Requisitos estes discutidos com indústria, fabricantes, fornecedores, prestadoras e sociedade, de forma que adotamos um modelo transparente e que não onera preços. Buscamos ao máximo a padronização e uniformização com outros países, respeitando ao máximo o mercado, produção e competição, além de preservar a indústria e o desenvolvimento nacional. Existem particularidades de cada país, como a voltagem e as próprias frequências dos sistemas de comunicação que são relevantes e devem ser considerados.”

Leia Também:  A escola dos filhos em tempos de pandemia

Por exemplo, a certificação de aparelhos celulares ou smartphones e seus acessórios, como baterias e carregadores, pela Anatel é realizada após a comprovação de cumprimento de uma série de requisitos relacionados à proteção à saúde, como o limite da emissão de radiação não ionizante, à segurança, como a resistência contra superaquecimento e vazamentos tóxicos, e quanto à compatibilidade com a rede de telecomunicações do Brasil.

E equipamentos de rede, a exemplo dos roteadores, cabos óticos e cabos de pares metálicos, são avaliados quanto a sua característica construtiva para assegurar a qualidade das redes de telecomunicações. Produtos ofertados sem a prévia certificação e homologação da Anatel são frequentemente construídos com materiais de baixa qualidade ou mais baratos, o que afeta a velocidade de tráfego, prejudicando a conexão dos usuários aos serviços da Internet.

Fonte: Assessoria de Imprensa da ANATEL

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Transformação digital do saneamento será assunto da Brazil Water Week

Publicados

em

“Transformação digital” será um dos temas de destaque da Brazil Water Week, encontro internacional, que será promovido online de 26 a 30 de outubro pelaABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (confira a programação geral no site – https://www.brazilwaterweek.com.br/resumo-sessoes). A discussão faz parte do Tema 3 – Gestão Eficiente do evento, que terá 26 sessões em 8 temas principais, mais de 50 horas de conteúdo online e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Inscrições neste link: https://www.brazilwaterweek.com.br/inscricoesO credenciamento para jornalistas está aberto neste link: https://www.brazilwaterweek.com.br/credenciamento-de-imprensa

A sessão terá a participação do especialista Sam Azimi (SIAAP – Service Public de l’Assainissement Francilien), Rogério Marques (Ministério do Desenvolvimento Regional) e Helena Alegre (Laboratório Nacional de Engenharia Civil – Portugal). A coordenação da sessão e moderação é de Samuel Alves Barbi Costa, da ARSAE – Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais.

A transformação digital é mais processual e baseada em pessoas do que tecnológica. Identificar corretamente os desafios e as necessidades informacionais das organizações em termos de aspectos ambientais e econômicos são essenciais para estruturar as abordagens digitais. Com base nisso, os sistemas de infraestrutura física, instrumentação e controle podem ser adaptados à transformação digital, bem como à comunicação e análise.

Leia Também:  Flordelis pede apoio da bancada feminina para evitar cassação

Nesta sessão, concessionárias de água europeias e brasileiras vão apresentar roteiros para aumentar as abordagens digitais e os participantes do painel discutirão como os governos podem incentivar as concessionárias em sua jornada digital.

A Brazil Water Week, que já ocorre em outros países, como Suécia e Cingapura, reunirá profissionais e empresas do Brasil e outros países e envolverá também a comunidade acadêmica, especialistas e organizações internacionais para discutir a água em sua concepção mais ampla, abordando desafios, políticas públicas e soluções e tecnologias existentes no Brasil e em todo o mundo, com foco no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6 da ONU: ODS 6 – Água e Esgoto para todos até 2030!

Uma grande oportunidade para os participantes compartilharem conhecimentos e realizarem networking com públicos do Brasil e exterior. A Brazil Water

Week tem patrocínio da Sabesp, Miya, Suez, Aegea, Cedae e Iguá Saneamento.

Sobre a ABES

Com 54 anos de atuação pelo saneamento e meio ambiente no Brasil, a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES reúne em seu corpo associativo cerca de 10.000 profissionais do setor. A ABES tem como missão ser propulsora de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que contribuam para o desenvolvimento do saneamento ambiental, visando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.

Leia Também:  Maioria dos brasileiros quer retomar atividades culturais

Inscrições em: https://www.brazilwaterweek.com.br/inscricoes

Para mais informações, acesse: https://www.brazilwaterweek.com.br/

www.abes-dn.org.br

Fonte: Assessoria de Imprensa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA