Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

PARALISAÇÃO

Caminhoneiros ameaçam greve no dia 1°; tanqueiros de Minas confirmam adesão

É uma luta só’, diz presidente do Sindtanque-MG; categoria quer que governo baixe o preço do diesel e reinvindica frete mínimo

Publicados

em

Grupos de caminhoneiros, incluindo transportadores de combustível de Minas Gerais, prometem nova paralisação a partir de 1° de novembro.

O movimento exige que o governo baixe o preço do combustível, além do  cumprimento do frete mínimo. Outra reivindicação é o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição ao INSS.

O estado de greve de 15 dias foi definido após uma assembleia de motoristas conduzida por sindicatos do Rio de Janeiro, com participação de lideranças da greve de 2018.

A Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, presidida pelo deputado federal Nereu Crispim (PSL-RS), se propôs intermediar as negociações com o Planalto.

O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG), Irani Gomes, confirmou à reportagem que a entidade pretende aderir à greve.

“É uma luta só. Esse movimento é mais horizontal, não tem uma liderança nacional. Mas a gente aqui apoia sim. Precisamos da redução de ao menos 40% no preço do diesel, senão, não dá pra trabalhar”, afirmou o dirigente.

Leia Também:  Bolsa tem maior queda diária do mês, influenciada por fatores externos

Em 2021, o diesel e o gás de cozinha já acumulam alta de 38%. A gasolina subiu 51% no mesmo período. O último reajuste, de 8,9%, foi anunciado pela Petrobrás em 28 de setembro.

A estatal justificou o aumento como reflexo da elevação dos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio.

Em 9 de setembro, caminhoneiros de todo o país articularam protestos por todo o Brasil . Os  motoristas chegaram a bloquear estradas de 15 estados, incluindo Minas Gerais, por aproximadamente 24 horas.

FONTE: Jornal Estado de Minas 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Mato Grosso recebe 144.930 doses de vacina contra a Covid-19 nesta segunda e terça-feira (06 e 07)

Publicados

em

O Ministério da Saúde informou ao Estado o envio de 144.930 doses de vacinas para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19.  Uma remessa chegará em Mato Grosso às 16h15 desta segunda-feira (06.12) e outra às 10h30 desta terça-feira (07.12) no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande.

Às 16h15 desta segunda-feira chegarão, por um voo da Latam, 121.680 doses da Pfizer. Para às 10h30 desta terça-feira, está prevista a chegada de 23.250 doses da Astrazeneca por um voo da Azul.

Imediatamente após a chegada do imunizante, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para retirada dos municípios.

Conforme Resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB) nº 126 de 2021, as novas doses das vacinas contra a Covid-19 passarão a ser distribuídas mediante solicitação das gestões municipais.

A medida se deve ao risco de perda de doses, devido ao prazo de validade, e à baixa procura por imunização em alguns municípios. Desta forma, será encaminhado um quantitativo compatível à necessidade local.

Leia Também:  Nota Cuiabana Especial Dia dos Pais tem premiação no valor de R$ 150 mil

Essa logística já ocorre com todos os outros imunizantes da Campanha Nacional de Imunização e, agora, também passa a valer para as vacinas contra a Covid-19. As solicitações deverão ser feitas por meio do Sistema de Insumos Estratégicos em Saúde (Sies), conforme fluxo já estabelecido com as demais vacinas.

A Resolução ainda prevê que os municípios deverão solicitar o quantitativo de doses uma vez por semana, às sextas-feiras. A entrega das doses será realizada na semana seguinte.

Até o momento, Mato Grosso já recebeu 6.318.957 doses de imunizantes contra a Covid-19 e aguarda a chegada da nova remessa.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA