Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ECONOMIA

Usina de biocombustível deverá gerar 100 empregos diretos em Cuiabá

Publicados

em

A planta da Delta Biocombustíveis foi inaugurada em Cuiabá no inicio do mês, no Distrito Industrial. A nova planta terá capacidade de produção de até 1 milhão de litros de combustível limpo por dia, sendo a sétima maior planta do mercado de biodiesel brasileiro, e será responsável pela geração de cerca de 100 empregos diretos.

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, César Miranda, ressalta que a abertura da indústria demonstra o interesse empresarial em investir no Estado. “É a demonstração de que Mato Grosso é viável e de que o Governo é parceiro dos investidores, andando lado a lado para construir um cenário positivo”, afirma.

Há nove anos no segmento de biocombustíveis, a Delta já possui uma unidade em Mato Grosso do Sul e agora chega ao estado vizinho. “Vimos a oportunidade em Mato Grosso e esta é a nossa entrada no estado. O Governo nos apoiou em tudo e acreditamos que será uma boa parceria, trazendo assim novos investimentos”, afirma Sílvio Roman, diretor geral da Delta Energia.

Leia Também:  Mercado financeiro mantém projeção de crescimento da economia em 2,75%

Mato Grosso ocupa a segunda posição nacional na produção de biocombustíveis. “Aqui se produz 22% de todo o País e a tendência é de crescimento. Somos um estado agropecuário e as matérias primas que utilizamos é que se produz no Estado”, afirma Rodrigo Guerra, presidente do Sindicato das Indústrias de Biodiesel de Mato Grosso (Sindibio).

“Economicamente, o País começa a dar sinais de recuperação e é preciso que o governo continue fazendo a sua parte que é dar maior agenda de eficiência para levar a um cenário de investimento. A produção de biocombustível é uma estratégia que é acertada por ser uma alternativa sustentável e com grande geração de valor. A indústria é a prova de confiança de que o empresariado enxerga Mato Grosso com bons olhos”, finaliza Gustavo de Oliveira, presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (FIEMT).

Fonte: Gcom-MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Publicados

em

Com a alta do dólar, as remessas de brasileiros que vivem no exterior para familiares no Brasil têm batido recordes. Em setembro, foram registradas US$ 293 milhões de receitas de transferências pessoais, segundo dados do Banco Central (BC). Esse foi o maior volume para o mês de setembro, na série histórica, iniciada em 1995. Em setembro de 2019, as transferências somaram US$ 248,6 milhões.

De janeiro a setembro deste ano, foram US$ 2,407 bilhões enviados para o Brasil, crescimento de 11,6% em relação a igual período de 2019. Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o dólar mais caro faz com que o dinheiro convertido em reais no Brasil represente um volume maior de recursos. Ele diz que isso pode incentivar os brasileiros no exterior a mandarem mais dólares para o país.

“Como a pessoa no exterior que está mandando para seus parentes no Brasil sabe que aquela mesma quantidade de dólares que manda sempre vai representar uma quantidade maior, pode ter um incentivo para aumentar esse fluxo em dólares”, disse, ao apresentar o relatório das contas externas, na última sexta-feira (23).

Leia Também:  Atividade econômica cresce 0,57% em julho

Por outro lado, a alta do dólar desestimula o envio de recursos do Brasil para o exterior. Em setembro, essas transferências chegaram a US$ 128 milhões, queda de 18,9% na comparação com o mesmo mês de 2019. No acumulado do ano até setembro, o valor chegou a US$ 1,065 bilhão, recuo de 31,1% contra igual período de 2019.

Países de origem

A maior parte das transferências que vêm para o Brasil são dos Estados Unidos. Esse setembro, o volume chegou a US$ 147,2 milhões. Outros US$ 57 milhões vieram do Reino Unido, US$ 17 milhões de Portugal, US$ 9,8 milhões da Espanha, US$ 7,7 milhões da Itália e US$ 7,6 milhões do Japão.

Edição: Denise Griesinger

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA