Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ECONOMIA

Preço do combustível em MT pode diminuir com produção de etanol de milho

Publicados

em

União Nacional de Etanol de Milho confirma que aumentar a produção de etanol de milho implica significativamente na diminuição no preço do combustível

 

Uma das opiniões comuns dos cidadãos que possuem pelo menos um meio de transporte particular em casa é que um dos desafios de manter os veículos é o preço do combustível. Abastecer o carro ou a moto muitas vezes sai o mesmo preço ou mais caro do que o valor da parcela do bem. O setor sucroenergético avalia que a solução para diminuir o preço do combustível é apostar no aumento da produção do etanol a base de milho.

O presidente da União Nacional de Etanol de Milho (UNEM), Ricardo Tomczyk, afirmou durante sua palestra no 8º Encontro Sucroenergético, que a manipulação dos preços da gasolina representa um crescimento na produção de etanol de milho.

“A oscilação dos preços da gasolina já tem mostrado um grande aumento no consumo de etanol. Nós tivemos um aumento de 42% em 2018, comparado a 2017, no consumo de etanol hidratado e curiosamente saiu essa semana que só nessa primeira quinzena de março subiu 23% em relação a  2018”, afirma.

Leia Também:  Custo da construção civil fecha 2018 com inflação de 3,97%, diz FGV

A primeira usina de etanol de milho em Mato Grosso foi inaugurada em 2017 na cidade de Lucas do Rio Verde, 360 km da capital, seguindo uma tendência nacional que desde 2012 vem acontecendo no Brasil.

De acordo com o diretor executivo do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Jorge dos Santos, daqui uns anos Mato Grosso não precisará mais importar gasolina porque terá etanol em grande quantidade, isso significa, que o preço nas bombas irá baixar visto que o preço de transporte e logística do combustível será apenas dentro do estado.

“O preço do etanol é visivelmente mais baixo em comparação ao preço dos combustíveis fósseis. Projetando um cenário em MT, se a demanda aumenta e a produção de etanol no estado também aumenta, a necessidade de importar gasolina diminui e a população tem acesso a um combustível mais barato melhor para o meio ambiente”, afirma.

A produção etanol de milho além de ser considerado um alento para o bolso dos consumidores é uma atividade que  contribui ambientalmente. A partir de sua matéria-prima tem capacidade de produzir pelo menos mais três produtos e é fonte geradora de renda e emprego.

Leia Também:  Maior safra de milho não garante lucro ao produtor em virtude do novo tributo, avalia Aprosoja

Um estudo realizado pela Agroícone, o Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais voltado para a agricultura, energia e sustentabilidade, evidencia também que o etanol de milho produzido no Brasil é significativamente menos poluente se comparado ao combustível produzido nos Estados Unidos da América (EUA).

O Brasil possui atualmente dez usinas de etanol de milho em operação, sendo que cinco estão localizadas em Mato Grosso, três em Goiás, uma em São Paulo e outra no Paraná.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Caixa paga hoje auxílio emergencial para 9,4 milhões de trabalhadores

Publicados

em

A Caixa Econômica Federal paga hoje (28) mais uma parcela do Auxílio Emergencial a 9,4 milhões de trabalhadores. Beneficiários do Bolsa Família com final de NIS número 8 e pessoas nascidas em outubro e novembro, conforme calendário do clico 2, receberão os recursos.

No caso dos beneficiários do Bolsa Família, serão R$ 427,6 milhões do auxílio emergencial extensão, pagos a 1,6 milhão de pessoas. No total, 16,3 milhões de pessoas cadastradas no Bolsa Família foram consideradas elegíveis para a primeira parcela do auxílio residual, no valor de até R$ 300 ou em até R$ 600, no caso de mulher provedora de família monoparental.

Se o valor do Bolsa Família for igual ou maior que R$ 300 ou R$ 600, o beneficiário receberá o valor do Bolsa Família, sempre privilegiando o benefício de maior valor. O pagamento atende aos mesmos critérios e datas do benefício regular, permitindo a utilização do cartão nos canais de autoatendimento, Lotéricas e correspondentes Caixa Aqui; ou por crédito na conta Caixa Fácil.

Leia Também:  Usina do Prata gera renda com a produção de 26 MW/h destinados ao Sistema Integrado Nacional

Ciclo 2
Outras 7,8 milhões de pessoas nascidas em outubro e novembro receberão o total de R$ 5,1 bilhões do auxílio emergencial nesta segunda-feira, conforme calendário do ciclo 2 do programa. O valor é de R$ 600 ou em R$ 1,2 mil, no caso de mulher provedora de família monoparental.

Neste ciclo, mais três públicos foram incluídos: trabalhadores que fizeram o cadastro nas agências dos Correios entre 2 de junho e 8 de julho; trabalhadores que fizeram a contestação pelo site da Caixa ou App Caixa Auxílio Emergencial de 3 de julho a 16 de agosto e foram considerados elegíveis; beneficiários que tenham recebido a primeira parcela em meses anteriores, mas que tiveram o benefício reavaliado em agosto.

Os recursos podem ser movimentados por meio do aplicativo Caixa Tem. Com ele é possível pagar boletos e fazer compras na internet e nas maquininhas em mais de 1 milhão de estabelecimentos comerciais.

O calendário de pagamentos do auxílio emergencial é organizado em ciclos de crédito em conta poupança social digital e de saque em espécie. Os beneficiários recebem a parcela a que têm direito no período de acordo com o mês de nascimento. Para os beneficiários nascidos em outubro e novembro, os saques e transferências serão liberados nos dias 20 e 22 de outubro, respectivamente.

Leia Também:  Produção industrial cai 0,2% de abril para maio, diz IBGE

Aqueles que tiveram os pagamentos retidos vão receber todas as parcelas a que têm direito de uma só vez, dentro do Ciclo 2. Já os trabalhadores que optaram por realizar o cadastro nos Correios e aqueles que contestaram vão receber a primeira parcela dentro do Ciclo 2. As parcelas P2 e P3 serão pagas no Ciclo 3 e as parcelas P4 e P5, no Ciclo 4.

Agência Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA