Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

CARROS E MOTOS

Ducati começa a oferecer visita virtual ao museu da marca

Publicados

em


source
Ducati
Divulgação

Museu da Ducati: uma série de recursos foram adotado para que os fãs da marca possam fazer a visita virtual da melhor maneira possível

A Ducati continua com o processo de digitalização, que foi bastante acelerado por causa da pandemia do novo coronavírus. E uma das principais novidades fica por conta do tour virtual pelo museu da marca , na Itália, cujos agendamentos poderão ser feitos a partir de amanhã (22).

Desde abril último, a Ducati estabeleceu um novo protocolo para que os fãs da fabricante pudessem visitar os concessionários com toda segurança, interagindo com ajuda dos recursos digitais e indo até os pontos de venda com hora marcada.

O sistema que permite visitas ao museu da Ducati também foi aperfeiçoado. Visitas guiadas podem ser feitas por meio do computador, celular ou tablet, com a possibilidade de descobrir tudo sobre as origens da marca, o que inclui modelos icônicos ao longo da história.

Leia Também:  SUV elétrico Mercedes-Benz EQC 400 chega ao Brasil

Para enriquecer ainda mais as visitas virtuais, a Ducati disponibiliza uma série de conteúdos da mostra intutulada “Anatomia da Velocidade”. A exposição temporária, montada pela fabricante no ano passado, explica como a aerodinâmica é importante para atingir o máximo de desempenho, o que ajudou a fabricante a conquistar o campeonato mundial de construtores no Moto GP .

O tempo total da visita virtual ao museu da Ducati é de 45 minutos para que os fãs da marca possam admirar todos os modelos históricos e conhecer detalhes da história de maneira interativa. O preço do tour é de 10 euros (em torno de R$ 63). Serão 4 visitas por semana, sendo um na terça-feira, às 17h, outro no sábado, às 9h, além de mais dois, ambos às 17h, na quinta-feira e no domingo.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Veja 5 parentes do Chevrolet Opala que nunca tivemos no Brasil

Publicados

em


source

Primeiro carro de passeio produzido pela Chevrolet no Brasil, o Opala foi lançado em 1968 e seguia a tradição dos utilitários da filial brasileira da marca americana, sendo um produto único no mundo e produzido apenas na fábrica de São Caetano do Sul (SP), basicamente para atender à demanda do mercado local.


Mas apesar de ser uma jabuticaba automotiva — afora uns poucos exemplares exportados, quase a totalidade da produção foi vendida no Brasil — o Chevrolet Opala era um carro mais internacional do que se pensa. Usava a carroceria modificada e boa parte do conjunto mecânico do alemão Opel Rekord C, mas combinado aos motores de 4 e 6 cilindros da linha americana.

Por aqui, ficaria em linha até 1992, quando foi substituído pelo Chevrolet Omega e pela station Suprema, tendo sido oferecido nas carrocerias sedã de quatro portas, cupê e station wagon de duas portas (Caravan). Mas além das opções de carroceria adicionais do Rekord C que nunca foram empregadas no carro brasileiro, a General Motors chegou a repetir a fórmula do Opala em outros mercados. Confira a seguir os 5 parentes que nunca chegaram ao Brasil.

Leia Também:  Depois da Kombi, Volkswagen poderá apostar em Fusca elétrico

1 – Opel Rekord Taxi

Opel Rekord Taxi: vinha com distância entre-eixos alongada em 29 centímetros em relação às demais versões do sedã
Divulgação

Opel Rekord Taxi: vinha com distância entre-eixos alongada em 29 centímetros em relação às demais versões do sedã


Aqui e na Alemanha, o Rekord/Opala foi bastante utilizado como veículo de serviço, tendo sido empregado nas frotas de forças de segurança e órgãos públicos.

Mas nunca tivemos no Brasil uma variação desenvolvida especificamente para uso como táxi, como o Rekord Taxi europeu, que tinha entre-eixos alongado em 29 cm e trazia uma divisão entre a cabine de passageiros e o motorista.

Diferente do Opala, com seus motores 2.5 de quatro cilindros e 3.8 e 4.1 de seis cilindros, o carro alemão tinha uma linha de motores com opções que iam de um 1.5 de quatro cilindros e 58 cv a um 2.2 de seis cilindros e 95 cv.

2 – Rekord C Sedan 2 portas

Opel Rekord Sedan 2 portas: sabiamente, a GM resolveu trazer o Opala cupê ao Brasil, com desenho mais harmônico
Divulgação

Opel Rekord Sedan 2 portas: sabiamente, a GM resolveu trazer o Opala cupê ao Brasil, com desenho mais harmônico


Embora os carros de duas portas fossem a opção preferida das famílias brasileiras até os anos 1990, a Chevrolet tinha como opção de duas portas do Opala apenas a bela carroceria cupê.

Você viu?

Já na Alemanha, o Rekord tinha uma carroceria sedã de duas portas, que mantinha a coluna central da carroceria e repetia a caída do teto do modelo de quatro portas.

Leia Também:  Hyundai revela Ioniq 5, modelo elétrico com motor de 306 cv

3 – Rekord Caravan 4 portas

Opel Rekord Caravan: no Brasil, a Caravan foi vendida apenas com duas portas até sair de linha, em 1992
Divulgação

Opel Rekord Caravan: no Brasil, a Caravan foi vendida apenas com duas portas até sair de linha, em 1992


O Chevrolet Caravan era o equivalente brasileiro ao Rekord Caravan alemão. Apesar de ter sido lançada no Brasil apenas em 1975, a perua repetia exatamente a mesma fórmula do sedã e do cupê, aproveitando boa parte da carroceria do carro alemão feito entre 1966 e 1971.

Mas além da opção de duas portas, os alemães tiveram também uma variação de quatro portas. Curiosamente, se tivesse sido lançada aqui, seria a única station de quatro portas produzida em série no Brasil até o surgimento da Volkswagen Quantum, em 1985.

4 – Opel Commodore GS/E

Opel Commodore GS/E: versão esportiva vem com faróis auxiliares de milha e faixas decorativas na carroceria
Divulgação

Opel Commodore GS/E: versão esportiva vem com faróis auxiliares de milha e faixas decorativas na carroceria


No Brasil, tivemos o Comodoro como uma opção mais luxuosa do Opala nos anos 1970. Na Alemanha o seu equivalente na linha Opel era o Commodore.

Mas além das variações de luxo, com acabamento mais sofisticado e motores mais potentes do que os do Rekord, a linha Commodore contava ainda com a sofisticada versão esportiva GS/E, dotada de um motor 2.5 de seis cilindros equipado com injeção Bosch D-Jetronic, que desenvolvia 150 cv e levava o carro a 197 km/h.

5 – Ranger

Divulgação

“GM” Ranger não tem nada a ver com a Ford. Trata-se do sedã que GM chegou a vender na África do Sul


No mesmo ano em que lançou o Opala no Brasil, a General Motors lançou o Ranger na África do Sul. Era o único modelo de uma divisão de mesmo nome, lançada especificamente para o país africano.

O Ranger usava a carroceria do Opel Rekord C, combinada com a dianteira e alguns componentes do inglês Vauxhall Victor e os motores 2.1 e 2.5 de quatro cilindros, que assim como os do Chevrolet Opala tinham projeto americano. O modelo durou até 1973, quando a GM optou por produzir localmente o Rekord D.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA