Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

CARROS E MOTOS

Chevrolet completa 96 anos de Brasil com 17 milhões de carros produzidos

Publicados

em


source
Nova geração do Chevrolet Tracker é um dos modelos montados na fábrica de São Caetano do Sul (SP)
Divulgação

Nova geração do Chevrolet Tracker é um dos modelos montados na fábrica de São Caetano do Sul (SP)

Você viu?

A Chevrolet completa 96 anos de presença entre os fabricantes brasileiros de automóveis. Segunda a montar uma fábrica no Brasil — sendo precedida apenas pela Ford — a marca da gravata douradas atingiu em quase um século a marca de 17 milhões de automóveis produzidos por aqui.

O dia 26 de janeiro de 1925 marcou o registro oficial da filial brasileira da General Motors , que no mesmo ano inaugurou a linha de montagem em um galpão na Avenida Presidente Wilson, na capital paulista. Dois anos, após a montagem do primeiro Chevrolet no Brasil, quando já haviam sido montados 50 mil carros, a empresa iniciou a construção da fábrica de São Caetano do Sul (SP), que até hoje é uma das principais plantas industriais da companhia no Brasil.

Leia Também:  Nissan estuda nova picape para brigar com a Fiat Toro

Nas primeiras décadas, a fábrica localizada no ABC Paulista montava os carros vindos dos Estados Unidos e também produzia carrocerias para ônibus, que seriam montadas sobre os chassis importados. Ao mesmo tempo, trabalhava na nacionalização de alguns componentes.

Mas o primeiro Chevrolet nacional , um caminhão, foi fabricado apenas em 1957. Modelo que no ano seguinte iria ganhar um motor brasileiro, fundido, forjado e usinado na então nova fábrica de São José dos Campos (SP).

Em 1968, foi a vez de General Motors do Brasil fabricar o seu primeiro carro de passeio no Brasil. O Chevrolet Opala unia a carroceria do alemão Opel Rekord C com os motores usados na linha americana da Chevrolet. No ano seguinte, a filial local atingiu a marca de 500 mil carros produzidos.

Nas décadas seguintes, a General Motors do Brasil seguiu a tendência lançada com o Opala e se inspirou nos modelos da alemã Opel para renovar a linha de produtos Chevrolet de passeio.

Foi assim que surgiram modelos como o Chevette , Kadett e Monza , que seguiram em produção até os anos 1990, sendo sucedidos pelos novos Corsa, Vectra, Astra e Omega, Meriva e Zafira, todos também projetos originalmente da Opel.

Leia Também:  Vendas online de seminovos crescem 16% no terceiro trimestre de 2020

A partir de 2012, com o lançamento do Cobalt, os Chevrolet brasileiros de passeio passaram a serem produtos independentes, desenvolvidos com grande participação da engenharia local e voltados para mercados em desenvolvimento.

A nova filosofia deu origem também aos modelos Spin, Prisma e Onix , hatch que atualmente está em sua 2ª geração e é o modelo mais vendido do Brasil.

A General Motors conta com três fábricas de carro no Brasil: São José dos Campos (SP), São Caetano do Sul (SP) e Gravataí (RS), além de fábricas de componentes em Mogi das Cruzes (SP) e Joinville (SC). Atualmente, são fabricados por aqui os Chevrolet S10, Trailblazer, Joy, Joy Plus, Onix, Onix Plus, Tracker e Spin.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Audi RS6 2021: aceleramos a perua mais veloz do mundo

Publicados

em


source
Audi RS6 2021: tudo é superlativo nessa perua com V8 de 600 cv, câmbio de 9 marchas e porta-malas de 565 litros
Caue Lira/iG

Audi RS6 2021: tudo é superlativo nessa perua com V8 de 600 cv, câmbio de 9 marchas e porta-malas de 565 litros

A Audi Sport é especialista em fazer peruas andarem rápido. Não à toa, a fabricante alemã sabe a receita certa para criar a RS6 Avant 2021, a station-wagon mais veloz do mundo que parte de R$ 871.990. Em um breve passeio, pudemos entender todos os quesitos que tornam o modelo um dos mais divertidos e especiais de sua categoria. Separe papel e caneta para anotar os ingredientes.

O primeiro condimento essencial para o sucesso da Audi RS6 Avant é o legado. A RS2 Avant de 1994 foi a primeira super-perua do mundo, com motor 2.2 turbo desenvolvido pela Porsche , capaz de entregar a fúria de 315 cv de potência. Apenas 2.891 unidades foram produzidas na Alemanha até 1995, e algumas delas ainda rodam no Brasil.

Esta foi a primeira vez que uma fabricante selecionou um motor “brucutu” para colocar em uma perua familiar, prática que logo depois foi repetida por Mercedes-Benz e BMW .

Se no caso da RS2 Avant de 1994 o motor foi desenvolvido pela Porsche, o conjunto da RS6 Avant de 2021 – um V8 4.0 biturbo – tem origem Lamborghini. São 600 cv de potência e brutais 81,6 kgfm de torque, distribuídos às quatro rodas pela tração integral Quattro.

Dessa forma, a RS6 Avant pode acelerar até 100 km/h em míseros 3,6 segundos, com velocidade máxima de 305 km/h. Sua transmissão de oito velocidades é elástica e pode reduzir da sétima marcha diretamente para a terceira sem solavancos, disponibilizando torque cheio.

Leia Também:  Veja as 5 melhores promoções de carros novos da Black Friday

Neste ponto, podemos introduzir o terceiro ingrediente que torna a RS6 tão especial. Apesar da força e do visual, o modelo não é um “carro de corrida homologado para as ruas” como outros da linha RS da Audi.

Tive a oportunidade de ficar alguns dias com o antigo RS3 Sedan para usar na minha rotina – e apesar dos momentos divertidos, não foi um modelo que deixou saudades. Isso porque o sedã esportivo tinha a suspensão muito rígida e seus pneus eram de perfil baixo. Era praticamente um carro para usar no track-day, inviável para as ruas esburacadas de São Paulo.

O mesmo acontece com o Audi TT RS, um veículo de suspensão tão rígida que chega a ser delicado. Por sorte, a Audi RS6 Avant segue uma linha diferente e conta com quatro modos de condução.

Quando não estava acelerando, selecionei o modo “conforto” por um botão abaixo da central multimídia. O motor V8 4.0 ficou profundamente mais manso, e por alguns minutos, me senti dirigindo um Audi A6 convencional com metade da potência. A suspensão pneumática se ajusta para ter comportamento mais leve.

Leia Também:  Disney+ chega ao Brasil com séries faltando e problemas no catálogo

O modo “dinâmico” é o oposto. A suspensão da RS6 Avant fica mais dura, o volante transmite mais rebotes às mãos do motorista e o propulsor emite um rugido metálico delicioso.

Outro fator que agradou muito na RS6 Avant é o estilo. Circulando pelas ruas de São Paulo, as pessoas acompanham a elegante perua da Audi com o olhar. A dianteira do modelo é mais sóbria, apostando na elegância proporcionada pelas linhas retas da linguagem visual da Audi.

Na traseira, o caráter de “supercarro” se exibe com um acabamento claro na região do parachoque, próximo às saídas de escape. Pode-se dizer que é um carro mais interessante de se olhar por trás.

Você viu?

A Audi RS6 Avant não tem rival direto no Brasil, já que a Mercedes-AMG não conta com versão Estate do E 63 por aqui. O modelo mais próximo dela é a Porsche Panamera Sport Turismo , que custa R$ 629.001 e tem sistema híbrido. É hora de aproveitar a RS6 Avant enquanto ela existe.

Ficha Técnica

Audi RS6 2021

Preço sugerido: 871.990

Motor: 4.0 V8, gasolina

Potência: 600 cv a 6.000 rpm

Torque: 80,1 kgfm a 2.050 rpm

Transmissão: automática, 9 marchas, tração integral

Suspensão: independente (dianteira e traseira)

Freios: discos ventilados (dianteira e traseira)

Dimensões: 4,99 m de comprimento, 1,95 m de largura, 1,46 m de altura, 2,93 m de entre-eixos

Porta-malas: 565 litros

Consumo: 6 km/l (cidade), 9,5 km/l (estrada)

Tanque: 73 litro

0 a 100 km/h: 3,6 s

Vel. Max: 305 km/h

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA