Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Capa

Percepção do consumidor quanto à vida financeira apresenta pequena melhora

Publicados

em

No que se refere à vida financeira, a percepção atual dos consumidores apresenta alguns sinais de melhora, apesar de não ser uma das mais otimistas. É o que constatou a Boa Vista em um novo recorte da Pesquisa Hábitos de Consumo, realizada entre os meses de outubro e novembro, com cerca de 1.300 entrevistados, em todo o Brasil, com a intenção de identificar a percepção frente às suas finanças pessoais e às perspectivas para o próximo ano.

No levantamento, 43% dos consumidores disseram que o poder de compra e de pagamento das contas diminuíram. No ano passado 58% tinham esta mesma percepção, o que representa uma queda de 15 pontos percentuais (p.p). E mais, para 33%, a vida financeira hoje está igual ao ano passado, e para outros 24% ela melhorou. Em 2018, estes percentuais foram de 21% em ambos os casos, respectivamente.

A pesquisa da Boa Vista verificou ainda um aumento de 12 p.p. no número de consumidores que têm o entendimento de que a economia hoje está melhor em comparação ao ano anterior, passando de 12% em 2018 para 24% em 2019.

Leia Também:  Confiança do consumidor é a maior desde janeiro de 2014, diz CNI

Gastos que pesam mais
Para 34% dos consumidores, foram os gastos com a alimentação (desde as compras de supermercado até as despesas com alimentação fora de casa), que mais pesaram no bolso. Em 2018, 27% fizeram essa alegação. Em segundo lugar apareceu o aumento nos gastos com moradia, aluguel e condomínio (de 10% para 13%, na comparação anual), empatados com as despesas com combustível e energia elétrica (de 23% para 13%, também na comparação anual).

Diante da atual situação econômica, 75% dos consumidores declararam ter adotado hábitos de compras diferentes dos que estavam habituados, com intuito de economizar. Como resultado da mudança de atitude frente à crise econômica e financeira, 32% dos consumidores conseguiram reduzir os gastos com alimentação (contra 27% em 2018). Outros 16% reduziram os gastos com lazer (contra 33%), com moradia 9% (contra 3%), luz 11% (contra 10%), combustível 9% (contra 8%), impostos e educação, respectivamente com 5% (contra 2% no ano passado).

Leia Também:  Estudo da USP mostra melhora no consumo de alimentos saudáveis

Previsão da situação financeira em 2020
Para 2020, 92% dos consumidores esperam que a vida financeira esteja melhor, se comparada ao momento atual. Esta opinião se mantém praticamente igual a de 2018.

Essas e outras informações da pesquisa estão resumidas em infográfico. Para ter acesso clique aqui.

Metodologia
A pesquisa Hábitos de Consumo para o Natal e Ano Novo da Boa Vista tem como identificar os costumes de compras dos consumidores, suas preferências e formas de pagamento usadas para quitar uma compra. Com metodologia quantitativa, a pesquisa foi realizada entre os meses de outubro e novembro de 2019, com 1.300 consumidores que acessam o site Consumidor Positivo da Boa Vista – www.consumidorpositivo.com.br e que também responderam aos seus questionários eletrônicos. Para a leitura dos resultados considerar 3% de margem de erro e 95% de grau de confiança.

Fonte: Boa Vista

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Capa

Liberados mais R$ 18,6 milhões para os hospitais filantrópicos em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Senador Wellington Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de vítimas e óbitos da Covid-19

O Ministério da Saúde liberou nesta segunda-feira, 1, a segunda parcela do auxílio financeiro emergencial às santas casas e hospitais filantrópicos sem fins lucrativos. Os recursos fazem parte dos R$ 2 bilhões de ajuda aprovada pelo Congresso Nacional, destinados ao combate à pandemia do coronavírus. Ao todo, foram depositados R$ 18,6 milhões para 21 unidades hospitalares, beneficiando 18 municípios de Mato Grosso.

Ao todo são beneficiados com essa ação emergencial um total de 17 unidades sem fins lucrativos em 14 municípios do Estado, que participam de forma complementar do Sistema Único de Saúde (SUS). Na semana passada, o Ministério já havia liberado R$ 3,1 milhões para Mato Grosso. O projeto de lei que deu origem ao auxílio emergencial havia sido aprovado no Senado no dia 31 de março e 19 de abril pela Câmara.

“Com essa segunda parte da liberação, com certeza os hospitais e santas casas beneficiados poderão ter fôlego para trabalhar de forma articulada com o Ministério da Saúde e os gestores do SUS, oferecendo r mais serviços, principalmente leitos de terapia intensiva” – destacou o senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do Bloco Parlamentar Vanguarda.

Leia Também:  Cardi B e Bella Thorne no OnlyFans: site aponta quanto elas chegam a ganhar

Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de casos confirmados e de mortes ocasionadas pelo novo coronavírus. No Brasil, os últimos números oficiais, indicam 519.704 casos com 29.534. Em Mato Grosso são 2.429 e 61 óbitos. “Nossa prioridade continua sendo a de salvar vidas” – frisou.

Nesse segundo repasse, serão beneficiados em Cuiabá o Hospital Santa Helena, com R$ 1,8 milhão; Hospital do Câncer, com R$ 1,1 milhão; e Hospital Geral, com R$ 2,8 milhões. Em Rondonópolis serão duas unidades: Associação Beneficente Paulo de Tarso, com R$ 871 mil; e Santa Casa de Misericórdia, com R$ 2,1 milhões.

Outros beneficiados são: Hospital São Luiz, de Cáceres (R$ 1.127 milhão); Centro Hospitalar Parecis, de Campo Novo (R$ 953 mil); Hospital Municipal Coração de Jesus, de Campo Verde (R$ 433 mil), Hospital Nilza Oliveira Pipino, de Claudia (R$ 223 mil); Hospital São João Batista, de Diamantino (R$ 648 mil); Hospital Bom Jesus, de Dom Aquino (R$ 145 mil); Hospital de Jauru, em Jauru (R$ 94 mil); Hospital São Lucas, de Lucas do Rio Verde (R$ 1.132 mil), Hospital Evangélico, de Vila Bela (R$ 428 mil) e Hospital Municipal de Nova Mutum (R$ 586 mil).

Leia Também:  Idec lança campanha de educação financeira

Completam a lista: Hospital Geral de Poconé, R$ 594 mil; Hospital Vale do Guaporé, R$ 699 mil; Hospital São João Batista, de Poxoréu, R$ 485 mil; Hospital Amparo, de Rosário Oeste, R$ 677 mil; Hospital Santa Marcelina de Sapezal, R$ 578 mil; Hospital Santo Antônio de Sinop, R$ 1,013 milhão; Hospital e Assistência de Sorriso, R$ 10 mil.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA