Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Capa

Negócio dos sonhos: Loja de animais ou pet shops

Publicados

em

Aproveitando o início de um novo ano em que grande parte das pessoas resolve tirar os planos do papel, o Sebrae buscou histórias de pequenos empreendedores que se dedicam para transformar o sonho de ter seu próprio negócio em realidade. Foram escolhidas as ideias de negócios mais buscadas no Portal Sebrae, entre elas, a do segmento de lojas de animais – pet shop que está em expansão e vai além dos serviços e produtos convencionais.

É fácil observar que atualmente os bichinhos são considerados parte da família e passam por uma espécie de “humanização”. Além dos cuidados com saúde e higiene, os pets têm recebido cuidados especiais em relação à alimentação e vestuário, sem contar os mimos que envolvem brinquedos e acessórios. Essa grande diversidade de produtos e serviços relacionados aos animais de estimação tem gerado o constante crescimento do setor. Além disso, segundo pesquisa realizada em 2018 pelo IBGE, o Brasil possui mais de 132 milhões de animais de estimação, ocupando a segunda posição mundial. Com o aquecimento do mercado pet, a expectativa de faturamento para 2020 está em torno de 20 bilhões de reais.

Leia Também:  Nova lei de franquias garante mais transparência nas relações comerciais

Neste novo episódio da série “Sonhos”, vamos contar a trajetória do Ivan Ferreira dos Santos, 34 anos, que há dois anos e meio começou a investir no segmento pet como microempresário. Ele trabalhou como funcionário por muito anos em pets shops em Belo Horizonte onde adquiriu experiência para cuidar de animais. “Eu já tinha desistido da área, mas surgiu a oportunidade de adquirir uma loja e eu resolvi investir com a ajuda da minha esposa e irmãos”, contou.

A primeira loja, Mimos Pet, funciona no bairro Ipiranga e com apenas seis meses de funcionamento, precisou ser ampliada por causa do aumento da demanda. Recentemente, ele abriu a segunda loja, Patrulha Canina, no bairro Fernão Dias, onde a esposa é a responsável pelo novo negócio. Com os bons resultados, também faz planos para abrir uma loja virtual com produtos para animais. “As pessoas acham que é fácil, mas o segredo do sucesso é muita dedicação e persistência”, destacou.

Para enfrentar as dificuldades iniciais, ele buscou a ajuda de quem já atuava no setor e amigos. Também buscou orientações do Sebrae sobre registro e patentes. Atualmente ele emprega 14 funcionários ao todo e pretende contratar mais dois no ano que vem para não sobrecarregar a equipe.

Leia Também:  Eletrobras tem lucro de R$ 5,5 bilhões no segundo trimestre

Ideias
O segmento de lojas de animais e pet shops está em constante evolução e os donos de pequenos negócios precisam se adaptar às novas tendências e inovações para não sofrerem com a concorrência. No canal Ideias de Negócio do Sebrae, você encontra diversas informações para investir no seu próprio negócio com 350 sugestões de negócios, inclusive no mercado de pet shops.

Pessoal
Gostar de animais é um dos requisitos para compor uma boa equipe, mas é preciso contratar profissionais que sejam qualificados e principalmente com competências específicas para o negócio. No caso do Ivan, a falta de mão de obra qualificada ainda é umas das maiores dificuldades enfrentadas. O empreendedor no segmento de pet shops também deve se ater às exigências das regulamentações referentes a instalação de lojas de animais pois, dependendo dos serviços e produtos oferecidos, é exigido um médico veterinário, com responsável técnico no estabelecimento.

Assessoria de Imprensa Sebrae

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Capa

Liberados mais R$ 18,6 milhões para os hospitais filantrópicos em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Senador Wellington Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de vítimas e óbitos da Covid-19

O Ministério da Saúde liberou nesta segunda-feira, 1, a segunda parcela do auxílio financeiro emergencial às santas casas e hospitais filantrópicos sem fins lucrativos. Os recursos fazem parte dos R$ 2 bilhões de ajuda aprovada pelo Congresso Nacional, destinados ao combate à pandemia do coronavírus. Ao todo, foram depositados R$ 18,6 milhões para 21 unidades hospitalares, beneficiando 18 municípios de Mato Grosso.

Ao todo são beneficiados com essa ação emergencial um total de 17 unidades sem fins lucrativos em 14 municípios do Estado, que participam de forma complementar do Sistema Único de Saúde (SUS). Na semana passada, o Ministério já havia liberado R$ 3,1 milhões para Mato Grosso. O projeto de lei que deu origem ao auxílio emergencial havia sido aprovado no Senado no dia 31 de março e 19 de abril pela Câmara.

“Com essa segunda parte da liberação, com certeza os hospitais e santas casas beneficiados poderão ter fôlego para trabalhar de forma articulada com o Ministério da Saúde e os gestores do SUS, oferecendo r mais serviços, principalmente leitos de terapia intensiva” – destacou o senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do Bloco Parlamentar Vanguarda.

Leia Também:  Economia brasileira se tornou menos complexa — e isso não é boa coisa

Fagundes voltou a manifestar preocupação com a escalada de casos confirmados e de mortes ocasionadas pelo novo coronavírus. No Brasil, os últimos números oficiais, indicam 519.704 casos com 29.534. Em Mato Grosso são 2.429 e 61 óbitos. “Nossa prioridade continua sendo a de salvar vidas” – frisou.

Nesse segundo repasse, serão beneficiados em Cuiabá o Hospital Santa Helena, com R$ 1,8 milhão; Hospital do Câncer, com R$ 1,1 milhão; e Hospital Geral, com R$ 2,8 milhões. Em Rondonópolis serão duas unidades: Associação Beneficente Paulo de Tarso, com R$ 871 mil; e Santa Casa de Misericórdia, com R$ 2,1 milhões.

Outros beneficiados são: Hospital São Luiz, de Cáceres (R$ 1.127 milhão); Centro Hospitalar Parecis, de Campo Novo (R$ 953 mil); Hospital Municipal Coração de Jesus, de Campo Verde (R$ 433 mil), Hospital Nilza Oliveira Pipino, de Claudia (R$ 223 mil); Hospital São João Batista, de Diamantino (R$ 648 mil); Hospital Bom Jesus, de Dom Aquino (R$ 145 mil); Hospital de Jauru, em Jauru (R$ 94 mil); Hospital São Lucas, de Lucas do Rio Verde (R$ 1.132 mil), Hospital Evangélico, de Vila Bela (R$ 428 mil) e Hospital Municipal de Nova Mutum (R$ 586 mil).

Leia Também:  Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Completam a lista: Hospital Geral de Poconé, R$ 594 mil; Hospital Vale do Guaporé, R$ 699 mil; Hospital São João Batista, de Poxoréu, R$ 485 mil; Hospital Amparo, de Rosário Oeste, R$ 677 mil; Hospital Santa Marcelina de Sapezal, R$ 578 mil; Hospital Santo Antônio de Sinop, R$ 1,013 milhão; Hospital e Assistência de Sorriso, R$ 10 mil.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA