Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Brasil

Psicólogos e movimentos sociais se articulam para derrubar sentença da ‘Cura Gay’

Publicados

em

Assunto gerou revolta no país e mobilizou movimentos de luta contra a homofobia

Da Redação 

O Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso (CRP-MT) junto ao Movimento LGBT de Cuiabá se articulam com outros movimentos nacionais para derrubar a liminar do juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, que torna possível que psicólogos trabalhem com terapias de reversão sexual, popularmente conhecida como “cura gay”.

Nesta quarta-feira (20), foi realizada uma audiência pública na Câmara Municipal de Cuiabá em apoio à 15ª Parada da Diversidade LGBT, que será realizada na sexta-feira (22) com concentração na Praça Ipiranga, a partir das 14h. Este ano o tema da parada é “Estado laico e Cidadania, direito de todas e todos”.

Para o ativista e membro do Grupo Livremente, Alexanders Virgulino, esse momento é de retrocesso para a comunidade LGBT, pela homossexualidade voltar a ser tratada como doença, estigma que já havia sido quebrado há anos. “Já havíamos superado essa questão, desde 1990 já não era mais tido como doença a questão da homossexualidade. Nós sabemos que antes as pessoas utilizavam a palavra homossexualismo para retratar como doença. Então, nós estamos vivendo hoje momentos de grandes retrocessos”, lamenta.

Leia Também:  Empreenda Rápido reúne serviços para donos de negócio

Alexanders comenta sobre o fato de a liminar judicial favorecer ainda mais a violência contra a população LGBT. “Alguém que já tenha a mentalidade de que o homossexual é tido como anormal ou que tem uma doença, começará a disseminar e olhar aquela pessoa como se não fosse parte integrante da sociedade. A questão de uma cura para a homossexualidade causará violência e exclusão”, contextualiza.

A psicóloga presidente do CRP-MT, Morgana Moura, explica que na Resolução Nº 001/99 do Conselho Federal de Psicologia consta que os psicólogos não podem tratar questões de  gêneros sexuais como doenças. “A Resolução proíbe que os profissionais utilizem a prática da psicologia para patologizar as práticas sexuais. Então, desde 1999, nós temos isso normatizado na profissão, de que não podemos patologizar as práticas sexuais, ou seja, tratá-las como doença”, afirma.

A psicóloga enfatiza que a sentença não fala especificamente de “cura gay”. No entanto, usa o princípio de Liberdade Científica para tirar a autonomia do conselho, no sentido de fiscalizar e regular o exercício da profissão de psicólogo, dando margem para que os profissionais trabalhem com a “cura gay”, o que no entendimento do Conselho Federal de Psicologia é uma metodologia ilegal.

Leia Também:  Startup atrai milhares de comerciantes e promete colocar indústria de bens de consumo no mundo digital

“Foi montada uma ação civil pública por alguns profissionais fundamentados em questões religiosas tentando derrubar a Resolução. A ação civil resultou nessa liminar que foi parcialmente derrubada. Mas, nesse parcialmente derrubada o juiz entendeu que o conselho de psicologia não tinha autonomia para regulamentar essas questões. Então, deu margem para que os profissionais pudessem fazer qualquer ciência em torno das questões sexuais, ou seja, é uma permissividade científica, é isso que estamos questionando”, explica a presidente do CRP de Mato Grosso.

Sobre a sentença, a psicóloga acrescenta: “Ele [juiz] diz que a gente não tem autonomia para regulamentar as práticas cientificas e as técnicas em relação às questões sexuais. Só que isso é inconstitucional e vai contra as normativas que são federais. Aí, o que a gente questiona é que essa liberdade cientifica na qual ele coloca, na verdade sem nenhum controle, nenhuma instância, dá margem para a pessoa fazer o que quiser, para o profissional fazer o que quiser, incluindo tratar as questões sexuais como doença”, completa Morgana.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Brasil

Empreendedorismo feminino ganha espaço exclusivo no Sebrae

Publicados

em

Por

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o Sebrae preparou para o mês de março uma série de atividades para destacar a força da mulher empreendedora. Com o slogan “Empreender é poder”, nesta segunda-feira (2), será lançado espaço exclusivo dentro do Portal Sebrae para o empreendedorismo feminino. Além de inspirar mulheres a empreender de forma sustentável, a nova página vai funcionar como uma porta de entrada para os serviços e soluções oferecidos pelo Sebrae a esse público. São diversos conteúdos, como artigos sobre empreendedorismo feminino, dicas e informações sobre os projetos da instituição voltados para mulheres que sonham em empreender ou já possuem uma empresa. O espaço também busca incentivar mulheres a compartilhar histórias de superação no mundo dos negócios.

De acordo com coordenadora nacional de empreendedorismo feminino do Sebrae, Renata Malheiros, a criação da página foi pensada justamente para reforçar a importância de políticas de sensibilização e de tomada de consciência para mulheres. “As mulheres enfrentam mais desafios para se tornarem donas de seus próprios negócios e há muito desconhecimento das dificuldades enfrentadas. Existe uma questão cultural que influencia muito e é preciso reforçar constantemente esse discurso que as mulheres são capazes de empreender”, destacou.

Leia Também:  Petróleo e dólar aliviam pressão sobre contas públicas

Além de conteúdo e informação, a página vai facilitar o acesso aos cursos online oferecidos de forma gratuita pelo Sebrae, com destaque para as capacitações voltadas para o desenvolvimento de soft skills (habilidades socioemocionais), consideradas como grandes desafios a serem superados pelas empreendedoras. “As mulheres no Brasil são mais escolarizadas que os homens e são boas nas chamadas competências técnicas (planejamento, gestão etc.) mas, por causa da cultura, ainda enfrentam dificuldades na hora de fazer um networking, tomar decisões com autonomia, assumir posição de liderança e defender uma ideia”, explicou Malheiros.

Programação
Por meio da nova página, o Sebrae também vai oferecer webinários ao longo do mês de março, com a participação de especialistas e mulheres reconhecidas em suas áreas de atuação. Entre os temas escolhidos estão liderança, finanças, inovação, política, entre outros.

O mês de março também terá diversos conteúdos para inspirar as mulheres nas redes sociais do Sebrae. Na próxima quinta-feira (5), será realizada uma live, a partir das 14h30, com a presença de duas empreendedoras de sucesso no DF. As convidadas são a empresária Adama Djalo, que veio de Guiné-Bissau (África) e hoje é dona do Salão Ouro Negro em Taguatinga (DF), e a paraibana formada em Direito, ex-servidora pública Giovanna Maia, proprietária do bar Loca Como Tu Madre, em Brasília.

Leia Também:  Lojistas oferecem descontos em Dia Livre de Imposto

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA