Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Senador do dinheiro na cueca mancha governo, mas não derruba popularidade de Bolsonaro

Publicados

em

OVELHA NEGRA

O presidente Jair Bolsonaro chegou a defender nas últimas semanas que no seu governo não haveria casos de corrupção e por isso seria prudente encerrar as atividades da Lava Jato. Talvez, ele tenha que reformular o discurso após o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do Governo, ser flagrado pela PF com dinheiro na cueca. O parlamentar foi alvo de uma operação que investigava desvios de recursos públicos voltados para o combate ao novo coronavírus. Agentes encontraram cerca de R$ 30 mil na cueca do parlamentar. Por não ter ação direta nas ações do Planalto, acredita-se que o caso não afete a popularidade do presidente Bolsonaro.

ELE LÁ, EU CÁ

Em meio ao escândalo envolvendo o senador Chico Rodrigues, o Palácio do Planalto tentam agora desvincular a figura do parlamentar do governo e, principalmente, da figura do presidente Jair Bolsonaro. Chico foi dispensado da vice-liderança do Governo pelo próprio presidente Bolsonaro. Segundo o presidente, o senador não integra o governo. “Estamos combatendo a corrupção, não interessa quem seja a pessoa suspeita”, disse Bolsonaro. Ou seja, “ele lá e eu cá”.

PÉ ATRÁS

Até mesmo os senadores adotaram cautela ao comentar caso do dinheiro na cueca envolvendo Chico Rodrigues. O discurso da Mesa Diretora é de que vai esperar ao menos uma semana para decidir como proceder em relação ao ex-vice-líder do governo. Ainda assim, o grupo Muda Senado entrou com pedido de apuração na comissão de Ética contra Chico Rodrigues. O clima entre os Poderes estava bem tranquilo até ontem, no entanto, poderá esquentar nos próximos dias. Em ambos os lados, há um pé atrás.

Leia Também:  "Uso da inteligência e da tecnologia reduziram os índices de criminalidade" afirma Bustamante

REI DOS MEMES

O flagra de senador Chico Rodrigues com R$ 30 mil na cueca inundou as redes sociais de piadas e memes. Sem dúvida, continuará sendo o assunto mais comentado da semana. No Twitter, o assunto está entre os trending topics. O nome do senador é uma das principais menções, mas os usuários da plataforma recorreram a alguns trocadilhos para “zoar” com Chico Rodrigues, como #CUrrupção, #dinheironabunda, #LavaToba e #PropinaNaBunda.

MORAL EQUILIBRADA

Enquanto as discussões de acirram, a reprovação do governo de Jair Bolsonaro recuou ao menor nível desde maio de 2019, de acordo com levantamento da XP Investimentos em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) divulgado nesta quinta-feira (15). Os dados apontam que 31% dos entrevistados consideraram o governo ruim e péssimo, mesmo porcentual daquele mês do ano passado. Há um ano, em outubro de 2019, essa fatia era de 38% e, no mês passado, de 36%. Outros 39% avaliaram o governo como ótimo ou bom, estável ante setembro e maior índice desde os 40% de fevereiro de 2019.

Leia Também:  CARGA TRIBUTARIA: Brasileiros já pagaram mais de 2,3 trilhões de reais em impostos em 2018. Confira outras informações na coluna JPM desta quinta-feira (20)

ELEIÇÕES 2022

Na mesma pesquisa XP/Ipespe, Bolsonaro, que está sem partido, lidera nas intenções de voto para as eleições de 2022. O presidente aparece com 31% de intenção de voto, seguido por Fernando Haddad (PT), com 14%, e Sérgio Moro (sem partido), com 11%. A margem de erro é de 3,2 pontos porcentuais. Entre os demais nomes apresentados pela equipe de pesquisa aos entrevistados, também aparecem Ciro Gomes (PDT), com 10%, Luciano Huck (sem partido), com 5%, João Amoêdo (Novo), com 3%, Luiz Henrique Mandetta (DEM), com 3%, e o governador de São Paulo João Doria (PSDB), com 3%.

INVERTEU A COISA

As eleições municipais de 2020 registram o maior número de candidatos negros, segundo estatísticas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Juntos, pretos e pardos, representam 49,94% das candidaturas, ao totalizar 276.091 registros.  Esta é primeira vez, desde o início da coleta de informações de raça, em 2014, que os candidatos brancos não representam a maioria dos concorrentes às vagas eletivas. Segundo o TSE, os candidatos brancos correspondem a 48% (265.353) no pleito de 2020.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Governadores anunciam lockdown e Bolsonaro diz que estão na contramão

Publicados

em

LOCKDOWN NO DF

A volta do crescimento nos casos da Covid-19, aqui no Distrito Federal, fez o governo acender a luz vermelha.  O governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou que a antecipação das medidas de contenção da pandemia e decreta lockdown total a partir da meia-noite desta sexta-feira (26). A ocupação de leitos de UTIs, na rede pública de saúde, chegou a 98,22%. De acordo com a Sala de Situação da Secretaria de Saúde, apenas um dos três leitos disponíveis é para adulto. Os outros são pediátricos e mais 11 estão bloqueados. Governadores do Sul e alguns do Nordeste também falam em lockdown.

CRÍTICAS AO LOCKDOWN

Quem não gostou “nadica de nada” dessa história de lockdown foi o presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, os governadores que “fecham tudo estão na contramão do que o povo quer”. “Vão para o meio do povo mesmo depois das eleições, porque durante as eleições é muito fácil. Eu quero ver é depois”, disparou Bolsonaro. A declaração ocorreu em Tianguá, no Ceará, durante a cerimônia de assinatura de ordens de serviço da Travessia local, das Variantes de Frios e Umirim e do Viaduto de Horizonte.

DESEMPREGO

Tudo parece conspirar para piorar a situação do emprego no país, que sofre com a pandemia da Covid-19. A taxa de desemprego avançou no Brasil em 2020 e encerrou o último trimestre do ano em 13,9%, percentual que corresponde a 13,9 milhões de desocupados no período. A análise da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgada nesta sexta-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aponta para o aumento 13,5% na taxa média anual de brasileiros desocupados em 2020. Trata-se do maior percentual da série iniciada em 2012.

Leia Também:  Integrante da Rota do Oeste salva vida de bebê que estava engasgado

DIVERGÊNCIA

Pelo que parece, a população está dividida quanto à privatização da Caixa Econômica Federal. Novo levantamento, encomendado pela Confederação Nacional do Transporte, mostra que 59,8% dos entrevistados rejeitam venda do banco público. A Caixa lidera relação de empresas que sociedade menos quer que seja vendida. De acordo com os dados, divulgados esta semana, apenas 28,6% das pessoas disseram ser a favor da privatização de estatais; 11,6% não souberam opinar ou não responderam. A pesquisa CNT/MDA foi realizada com 2.002 entrevistados, em 137 cidades de 25 estados, entre os dias 18 e 20 deste mês.

PELA EDUCAÇÃO

As novas universidades federais ganharam uma injeção de recursos da ordem de R$ 200 milhões. A proposta apresentada pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT) foi uma das três acatadas pela Comissão de Educação do Senado na quinta-feira. Entre elas está a Universidade Federal de Rondonópolis, a UFR, no Sul de Mato Grosso. A emenda deve constar do Orçamento Geral da União para 2021, a ser votada ainda no mês de março pelo Congresso Nacional. As demais universidades beneficiadas estão nos estados de Tocantins, Goiás, Pernambuco e Piauí.

Leia Também:  Ninguém acerta a Mega-Sena e próximo concurso deve pagar R$ 29 milhões

NOVA POLÊMICA

Uma nova discussão promete esquentar os ânimos aqui em Brasília. É que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 186, a PEC Emergencial, prevista para ser votada no Senado na terça-feira (02), pode representar um golpe fatal para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ao menos é o que dizem alguns senadores. Sobretudo, em função do artigo quarto do relatório assinado pelo senador Márcio Bittar (MDB/AC) à PEC 186, pelo fim de importante fonte de financiamento (funding) para o BNDES, ou seja, as transferências das contribuições do PIS-PASEP. Sem estes repasses o BNDES deixará de cumprir seu papel em várias frentes de mercados e sociais.

NOTÍCIA BOA

Para quem não apostava na chegada da Internet 5G ao Brasil, pode anotar essa data: julho de 2022. Quem definiu essa data foi a própria Anatel, que anunciou um leilão para quatro faixas de frequência que serão usadas nas transmissões de dados ainda neste semestre. A partir de agora, o governo deverá definir o preço dos lances dos blocos que serão leiloados. Para isso, o Tribunal de Contas da União (TCU) precisa analisar a oferta em até 150 dias, e julgue em 50 dias.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA