Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Mato Grosso dá a volta por cima e anuncia investimentos de R$ 9,5 bilhões

Publicados

em

MAIS MT

Para retomar a economia de Mato Grosso no pós-pandemia, o governador Mauro Mendes (DEM), anunciou MAIS MT, um ousado programa de investimentos que contemplam 12 eixos e somam R$ 9,5 bilhões até o ano de 2022. Mendes disse que isso foi possível em razão das medidas tomadas pela atual gestão que consertaram o Governo, que estava quebrando no final de 2018. Entre elas, se destacam a reforma administrativa, o corte de gastos públicos, a revisão dos incentivos fiscais, o combate à sonegação e a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) Estadual.

 GESTÃO DO SUS

Mesmo tendo revogado decreto, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o documento que autoriza participação da iniciativa privada nas unidades básicas de saúde do país. Bolsonaro disse que há mais de 4 mil instalações inacabadas por falta de recursos. Ele afirmou que protestos partem de quem quer a volta de governos de esquerda no Brasil. O presidente reafirmou que não se trata de privatização do SUS e que, caso haja acordo, o decreto poderá ser reeditado.

IMPOSTO MORTO

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter admitido que o governo pensa em recriar a CPMF; o ministro da Economia, Paulo Guedes, perdeu a paciência ao falar sobre o assunto. Ele disse que, como o Congresso não está disposto a falar sobre impostos alternativos por conta das eleições, também já pensa em não falar mais sobre o assunto. “Do meu ponto de vista, o imposto está morto”, declarou. Guedes lembrou que quando foi falado pela primeira vez, caiu o secretário da Receita. “Agora, estamos em plena campanha eleitoral, ninguém quer discutir esse troço”.  Ou seja, não quer ser o próximo a cair.

Leia Também:  “Brasil está no caminho certo”, diz Bolsonaro ao comemorar 18 meses de combate à corrupção

EXTINÇÃO DO GUARÁ

Calma, não se trata de caçada ao lobo guará. Estou falando sobre a nota de R$ 200,00. É que o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o novíssimo PIX poderá acabar com a também novíssima cédula antes mesma que esquente os bolsos de algumas pessoas. Para o ministro, o futuro do sistema financeiro é digital e requer notas de baixo valor. “O futuro é de menos dinheiro na mão e notas mais simples”, explicou.

FAZ PARTE

O ponto facultativo nesta sexta-feira para comemorar o Dia do Servidor Público, que seria dia 28, acabou prejudicando uma legião de pacientes que tinham consultas marcadas pelo INSS e que agora terão que reagendá-las. Para remarcar os atendimentos as pessoas devem entrar em contato com o 135 ou acessar o aplicativo Meu INSS. Apesar de não impactar totalmente o atendimento, já viu a confusão, né?

LUNÁTICO

O presidente Jair Bolsonaro voltou a investir contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e chamou o tucano de “lunático” por ele ter defendido a obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19 e por ter encampado um ajuste fiscal que aumentou tributos no estado. “Doria aumentou ICMS de combustível, criou imposto para o cara que é deficiente e comprou um carro. Aumentou tudo que você pode imaginar. É coisa de lunático isso aí”, declarou Bolsonaro.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Até quando Bolsonaro?

ENTRE TAPAS E BEIJOS

Dias depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) falar em uma “ampla coalizão” para derrotar Jair Bolsonaro (sem partido) nas eleições de 2022, uma reunião entre o petista e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foi revelada. O encontro ocorreu no Instituto Lula, em São Paulo, em setembro. Eles selaram as pazes após dois anos rompidos por causa das eleições de 2018, quando fracassou a tentativa de um acordo eleitoral visando a Presidência. Na ocasião, como Lula foi impedido de entrar na disputa, o PT apostou em Fernando Haddad, enquanto o PDT foi de Ciro. No segundo turno, o pedetista frustrou as expectativas dos petistas e não apoiou o ex-prefeito de São Paulo.  Enfim, estão entre tapas e beijos.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Governadores anunciam lockdown e Bolsonaro diz que estão na contramão

Publicados

em

LOCKDOWN NO DF

A volta do crescimento nos casos da Covid-19, aqui no Distrito Federal, fez o governo acender a luz vermelha.  O governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou que a antecipação das medidas de contenção da pandemia e decreta lockdown total a partir da meia-noite desta sexta-feira (26). A ocupação de leitos de UTIs, na rede pública de saúde, chegou a 98,22%. De acordo com a Sala de Situação da Secretaria de Saúde, apenas um dos três leitos disponíveis é para adulto. Os outros são pediátricos e mais 11 estão bloqueados. Governadores do Sul e alguns do Nordeste também falam em lockdown.

CRÍTICAS AO LOCKDOWN

Quem não gostou “nadica de nada” dessa história de lockdown foi o presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, os governadores que “fecham tudo estão na contramão do que o povo quer”. “Vão para o meio do povo mesmo depois das eleições, porque durante as eleições é muito fácil. Eu quero ver é depois”, disparou Bolsonaro. A declaração ocorreu em Tianguá, no Ceará, durante a cerimônia de assinatura de ordens de serviço da Travessia local, das Variantes de Frios e Umirim e do Viaduto de Horizonte.

DESEMPREGO

Tudo parece conspirar para piorar a situação do emprego no país, que sofre com a pandemia da Covid-19. A taxa de desemprego avançou no Brasil em 2020 e encerrou o último trimestre do ano em 13,9%, percentual que corresponde a 13,9 milhões de desocupados no período. A análise da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgada nesta sexta-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aponta para o aumento 13,5% na taxa média anual de brasileiros desocupados em 2020. Trata-se do maior percentual da série iniciada em 2012.

Leia Também:  Cientistas e médicos buscam alternativas em óleo de cannabis no tratamento de autismo

DIVERGÊNCIA

Pelo que parece, a população está dividida quanto à privatização da Caixa Econômica Federal. Novo levantamento, encomendado pela Confederação Nacional do Transporte, mostra que 59,8% dos entrevistados rejeitam venda do banco público. A Caixa lidera relação de empresas que sociedade menos quer que seja vendida. De acordo com os dados, divulgados esta semana, apenas 28,6% das pessoas disseram ser a favor da privatização de estatais; 11,6% não souberam opinar ou não responderam. A pesquisa CNT/MDA foi realizada com 2.002 entrevistados, em 137 cidades de 25 estados, entre os dias 18 e 20 deste mês.

PELA EDUCAÇÃO

As novas universidades federais ganharam uma injeção de recursos da ordem de R$ 200 milhões. A proposta apresentada pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT) foi uma das três acatadas pela Comissão de Educação do Senado na quinta-feira. Entre elas está a Universidade Federal de Rondonópolis, a UFR, no Sul de Mato Grosso. A emenda deve constar do Orçamento Geral da União para 2021, a ser votada ainda no mês de março pelo Congresso Nacional. As demais universidades beneficiadas estão nos estados de Tocantins, Goiás, Pernambuco e Piauí.

Leia Também:  Ciro Gomes compra briga com Bolsonaro ao chamá-lo de “boçal genocida”

NOVA POLÊMICA

Uma nova discussão promete esquentar os ânimos aqui em Brasília. É que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 186, a PEC Emergencial, prevista para ser votada no Senado na terça-feira (02), pode representar um golpe fatal para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ao menos é o que dizem alguns senadores. Sobretudo, em função do artigo quarto do relatório assinado pelo senador Márcio Bittar (MDB/AC) à PEC 186, pelo fim de importante fonte de financiamento (funding) para o BNDES, ou seja, as transferências das contribuições do PIS-PASEP. Sem estes repasses o BNDES deixará de cumprir seu papel em várias frentes de mercados e sociais.

NOTÍCIA BOA

Para quem não apostava na chegada da Internet 5G ao Brasil, pode anotar essa data: julho de 2022. Quem definiu essa data foi a própria Anatel, que anunciou um leilão para quatro faixas de frequência que serão usadas nas transmissões de dados ainda neste semestre. A partir de agora, o governo deverá definir o preço dos lances dos blocos que serão leiloados. Para isso, o Tribunal de Contas da União (TCU) precisa analisar a oferta em até 150 dias, e julgue em 50 dias.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA