Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Falha do TSE faz Bolsonaro colocar em dúvida resultado das eleições

Publicados

em

ELEIÇÃO EM XEQUE

Mal terminou o primeiro turno das eleições, o presidente Jair Bolsonaro aproveitou o atraso na apuração dos votos para questionar o sistema eleitoral brasileiro. Ele disse que o país precisa ter “um sistema de apuração que não deixe dúvidas”. “Tem que ser confiável e rápido”, afirmou. “Se não tivermos uma forma confiável de apuração nas eleições, a dúvida sempre vai permanecer”, disse, ao defender a volta do voto impresso.

SEM PREJUÍZO

Apesar do atraso no início da apuração das eleições, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, garantiu que não houve prejuízo ou lisura ao processo. Barroso ainda ressaltou que é possível verificar todos os votos nas zonas, nos TREs e com as legendas, que recebem os resultados de cada urna. Ainda no domingo, o TSE passou por um ataque de hackers promovido por um grupo coordenado nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Brasil.

VITÓRIA DO CENTRÃO

Para o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), os partidos de centro foram os “grandes vencedores” do primeiro turno das eleições municipais deste ano. Na visão de Mourão, os eleitores optaram por candidatos “mais tradicionais e mais conhecidos”. “O que foi dado a conhecer até o presente momento, não fiz nenhuma análise aprofundada, é que os partidos de centro tradicionais foram os grandes vencedores”, disse em conversa com jornalistas na chegada à sede da vice-presidência nesta manhã.

Leia Também:  Desfazimento do Centrão pode levar Bolsonaro a trocar cadeiras no Planalto

QUASE FOI

Quem não saiu muito vitorioso desse pleito foi o presidente Jair Bolsonaro. Ele fez campanha para 59 candidatos, mas só nove se elegeram. Dos 45 candidatos a vereador que apareceram no “horário eleitoral gratuito” de Bolsonaro, apenas sete conquistaram uma vaga no Legislativo de suas cidades. Entre os 13 candidatos a prefeito que tiveram votos pedidos por Bolsonaro, dois passaram ao segundo turno — Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio de Janeiro; e Capitão Wagner (Pros), em Fortaleza.

LÍNGUA AFIADA

Congressistas repercutem hoje sobre vencedores e derrotados nas eleições municipais deste ano. Para o senador por São Paulo, Major Olímpio (PSL), o presidente da república Jair Bolsonaro não conseguiu transferir seu eleitorado para o candidato que apoiava na capital paulista, maior colégio eleitoral do país. “O Bolsonaro virou o Mick Jagger da política brasileira. Se ele for lá para torcer, o time se arrebenta. Se ele for visitar, o doente morre. Isso é mais do que claro, mostrou que o presidente ainda tem uma força política eleitoral, mas que não transmite a ninguém.”

Leia Também:  Agenda política promete agitar a primeira semana de agosto em Brasília

MÃO NA CABEÇA

O líder do governo na Câmara, deputado federal, Ricardo Barros (PP) não vê uma derrota do presidente da república, mas sim uma volta do voto em políticos tradicionais. “A eleição municipal, ela tem uma situação, é um instalação de poder, mas se você olhar, tivemos em São Paulo o PSDB governando o tempo todo, então a eleição é um momento. Na eleição passada era um momento de mudança, as pessoas queriam votar em quem nunca esteve na política, nesse momento você já percebe que voltaram muitos políticos tradicionais sendo bem votados nas urnas.”

A VEZ DELAS

Nestas eleições cresceu o percentual de mulheres eleitas nas prefeituras do país. Ao fim do primeiro turno, 12,2% dos eleitos foram mulheres. Ainda há cinco candidatas disputando o segundo turno. O percentual supera os 11,6% de ocupações femininas das eleições de 2016. O aumento, ainda que pequeno diante da representação de homens na política, também é superior a 2012, quando o número de eleitas correspondeu a 11,8% do total, com 659 prefeitas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Bolsonaro diz que imprensa defende “canalhas” e quer liberdade das mídias

Publicados

em

CRÍTICAS

Mais uma polêmica. Em evento da Polícia Militar no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (18) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disparou críticas contra a imprensa, que chamou de “máquina de fake news”, e defendeu a liberdade das mídias sociais. O chefe do Executivo cumpre agenda na capital fluminense, base eleitoral dele e de dois dos filhos políticos. Bolsonaro elogiava o trabalho dos policiais militares quando afirmou que a imprensa defende “canalhas”. “Uma fração de segundo está em risco a sua vida, do cidadão de bem ou de um canalha defendido pela imprensa brasileira. Não se esqueçam disso: essa imprensa jamais estará do lado da verdade, da honra e da lei. Sempre estará contra vocês”, disse ele. “Não esperemos da imprensa a verdade. Eles sequer sabem o vérsiculo João 8:32”, continuou. “Contamos com o povo maravilhoso ao nosso lado e com a liberdade das mídias sociais, que esta sim traz a verdade para vocês, porque uma fábrica de fake news está na grande parte da imprensa“Estão perseguindo gente que apoia o governo de graça. Querem tirar a mídia que eu tenho a meu favor sob o argumento mentiroso de fake news.  “Por mais que queiram nos enxovalhar, não conseguem. Em qualquer lugar que estou do Brasil, lá o capitão Jair Bolsonaro é muito bem tratado junto à população”, finalizou. “E assim é também como tenho constatado o nosso policial militar quando está trabalhando nas ruas. Vocês são heróis de verdade. Vocês, inclusive, protegem a vida de quem nada fez por nós, mas nós acreditamos no próximo.”

ONDA FORTE NO DF

Em meio à indefinição quanto à estratégia de vacinação dos brasilienses contra a covid-19, o recrudescimento da pandemia do novo coronavírus se intensifica. Uma projeção da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), publicada ontem, aponta que, se o contágio continuar subindo no ritmo atual, na próxima semana, o DF deve testemunhar um aumento de 30% no número de infectados. Desde meados de novembro, a taxa de reprodução do vírus R(t) na capital federal é 1,3. Assim, 100 infectados podem passar a doença para 130 pessoas em uma semana, o que elevará o número de ocorrências para 313,4 mil. Segundo o último boletim epidemiológico, divulgado ontem, pela Secretaria de Saúde, o DF resgistrou 899 casos e 16 mortes em 24 horas. A capital soma 242.299 infecções e 4.123 óbitos em decorrência da covid-19. Dos pacientes, 231.071 são considerados recuperados.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Aprosoja retoma o caminho do diálogo

PENDÊNCIA

Juízes que integram a Associação Nacional para a Defesa da Magistratura (ADM) apresentaram ação coletiva contra a indicação do advogado Mário Nunes Maia para o cargo de conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Filho do ministro Napoleão Nunes Maia, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mário só obteve a carteira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no ano passado, mas foi aprovado pelo Congresso para o cargo de R$ 37 mil.O advogado teve o nome validado por 364 deputados de 12 partidos, fruto de articulação iniciada em julho com apoio direto do ministro Nunes Maia. A indicação agora aguarda a sanção pelo presidente Jair Bolsonaro.

PRISÃO DE JORNALISTA

Foto Rosinei Coutinho

Sexta-feira quente em Brasília. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou a prisão preventiva do blogueiro Oswaldo Eustáquio. Segundo a decisão, Eustáquio descumpriu a prisão domiciliar ao ir em uma reunião no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos no último dia 15 para solicitar audiência com a ministra Damares Alves, porém não foi recebido. A própria pasta informou à juíza sobre o agendamento de uma reunião pelo blogueiro, e a magistrada esclareceu que “não foi formulado nenhum pedido para deslocamento do monitorando nesse período, tampouco houve qualquer autorização por parte daquele juízo para o referido deslocamento”. Além disso, consta na decisão de Moraes que Oswaldo teve 17 ocorrências relacionadas ao seu monitoramento eletrônico em dias diferentes, incluindo quatro vezes em que deixou a tornozeleira eletrônica ficar sem bateria, o que impede verificar a sua real localização geográfica

Leia Também:  Senado terá comissão para acompanhar implantação do 5G

BABADO POLÏTICO

Assédio na Alesp: Cidadania deve decidir hoje se expulsa Fernando Cury
O Cidadania anunciou nesta sexta-feira, 18, o afastamento de Fernando Cury, acusado de assédio sexual contra a deputada Isa Penna (PSOL) durante uma sessão na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Segundo documento assinado pelo presidente nacional do partido, Roberto Freire, Cury ficará afastado até a conclusão do procedimento disciplinar no âmbito partidário.“O Deputado Estadual Fernando Cury fica liminarmente afastado de todas as funções diretivas partidárias, em todas as instâncias, bem como de todas as funções exercidas em nome do Cidadania, inclusive junto à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo”, diz o documento.
O vídeo do episódio foi transmitido ao vivo pelo canal da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) no YouTube. Nele, a parlamentar aparece conversando com o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), quando Cury se aproxima da Mesa Diretora e se posiciona atrás da deputada, colocando a mão na lateral de seus seios. Em seguida, Isa empurra o deputado para afastá-lo de seu corpo.A deputada registrou um boletim de ocorrência contra o parlamentar por assédio sexual e vai entrar com representação.

EM MATO GROSSO

A obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) completa nesta sexta-feira (18) seis anos parada. O projeto que já consumiu cerca de R$ 1 bilhão passou por três governos desde 2012 e ainda não existe uma definição se vai ou não ser concluído. O valor total da obra inicialmente era de R$ 1,4 bilhão, mas mais da metade desse valor já foi gasto e cerca de 50% da obra foi executada.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA