Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Bastidores da República

Declaração de presidente argentino irrita Jair Bolsonaro, que revida no mesmo tom

Publicados

em

RIVALIDADE HISTÓRICA

O presidente Jair Bolsonaro respondeu nesta quinta-feira (10) à declaração do presidente da Argentina, Alberto Fernández, que afirmou que “brasileiros saíram da selva” e que seus compatriotas vieram de barcos vindos da Europa. Bolsonaro ironizou que “não tem vacina” para o líder argentino, mas depois emendou que não existem problemas entre o povo brasileiro e o argentino. Ao se lembrar de que estava sendo filmado, o chefe do Executivo relatou conversa com o ex-presidente argentino Mauricio Macri e disse que a rivalidade com o país vizinho é “só no futebol”.

PESSOA ALEGRE

Soou com certa estranheza o chamamento de “pessoa alegre do Amapá” que o presidente Jair Bolsonaro fez ao senador Randolfe Rodrigues (Rede). A citação foi durante culto evangélico em Anápolis (GO). Bolsonaro desagradou até aliados ao caracterizar indiretamente o parlamentar com um comentário de cunho homofóbico. “Que CPI é essa? De Renan Calheiros? De Omar Aziz? Daquela pessoa alegre do Amapá? Nós temos a obrigação de decidir e nós sabemos que pior que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Eu tenho que decidir quantas vezes? Não é fácil. Eu estou tentando”, apontou Bolsonaro.

BATE-BOCA

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) usou as redes sociais para cobrar provas de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi eleito no primeiro turno das eleições de 2018. “Tem que provar, falastrão”, disse o parlamentar ao criticar declarações do presidente feitas durante o polêmico culto evangélico em Anápolis na quarta-feira. “Eu fui eleito no primeiro turno. Tenho provas materiais disso. Mas a fraude, que existiu, sim, me jogou para o segundo turno. Outras coisas aconteceram e só acabei ganhando porque tive muito voto, e algumas poucas pessoas que entendiam de como evitar ou inibir que houvesse a fraude naquele momento, nos elegemos”, afirmou o presidente. Frota deu margem para Bolsonaro respondê-lo lembrando o passado de Frota, quando foi ator pornô. É aguardar pra ver o bate-boca!

Leia Também:  Bolsonaro chama governadores de aprendizes de ditadores, idiotas e boçais achando que mandam

RIXA ANTIGA

Alexandre Frota e Jair Bolsonaro já foram aliados, mas ficou uma rusga entre os dois. Frota publicou em seu perfil no Twitter que entrará com um processo na Câmara dos Deputados para investigar as alegações feitas pelo presidente de que teria vencido as eleições em 1º turno. Ou seja, as eleições teriam sido fraudadas. Alexandre Frota foi eleito pelo Partido Social Liberal (PSL) e tinha relacionamento próximo com o presidente, especialmente durante a última corrida eleitoral. No entanto, depois de divergências com a família Bolsonaro, o parlamentar migrou para o PSDB em 2019. Em maio de 2021, o deputado protocolou no Congresso Nacional o sexto pedido de impeachment contra Bolsonaro.

POR FALAR NIOSSO…

Bandeira do presidente Jair Bolsonaro, o voto impresso nas eleições deve ser aprovado na comissão que analisa o tema na Câmara com aval não apenas de governistas. Corre pelos bastidores que dos atuais 32 deputados do colegiado mostra que 21 são favoráveis e apenas quatro se opõem. Outros sete estariam indecisos. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, passou na quarta-feira, 09, quatro horas debatendo o assunto com os parlamentares, e afirmou que a medida representa um “retrocesso”, mas que, uma vez aprovado, o novo sistema será adotado.

PERSEGUIÇÃO?

Uma decisão inusitada abriu caminho para anular convenção do Patriota que tenta abrigar o pr4sidente Jair Bolsonaro. O ocorrido é mais um obstáculo para a filiação do presidente da República ao Patriota e pode acarretar na desfiliação do senador Flávio Bolsonaro. No último dia 1º, o chefe do Executivo recebeu convite oficial para migrar para a sigla e prometeu dar a resposta em até 15 dias, o que deve ocorrer na próxima semana. Ocorre que o Cartório do Primeiro ofício de Notas do Distrito Federal exigiu que o presidente nacional do Patriota, Adilson Barroso, preste maiores esclarecimentos sobre o quórum qualificado da convenção ocorrida no dia 31 de abril para que possa registrar o resultado da convenção do partido.

Leia Também:  Governador diz que passou sufoco com a mulher infectada pela 2ª vez e fala em 3ª onda

SEM PARTIDO

Só pra lembrar, Bolsonaro está desde o final de 2019 sem um partido, quando deixou o PSL e anunciou a criação do Aliança pelo Brasil. Como a legenda fracassou em reunir a tempo assinaturas suficientes para se registrar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Jair Bolsonaro manteve conversas com outras siglas, como PL, Republicanos, PTB, PRTB, PP e o próprio PSL, mas encontrou dificuldades nas negociações para que aceitem seus propósitos e controle. Ou seja: Bolsonaro quer um partido e o controle total sobre a sigla

DE CARONA

Após o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) se mostrar disposto a disputar a eleição presidencial em 2022, o ex-deputado Federal Ciro Gomes (PDT) manteve o título de eterno candidato a presidente. Cearense de Sobral, Ciro anunciou nas redes sociais que lutará para disputar 2º turno como ‘obrigação moral’. Convicto de conseguir avançar na corrida eleitoral, Ciro Gomes diz que sua certeza não é apenas porque deseja estar na disputa. Ou seja: Ciro acredita que vencerá as eleições contra Lula e Bolsonaro, principalmente.

NA PRÁTICA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou o jornalista Franklin Martins para comunicação da sua pré-campanha. O partido de Lula, PT, não pretende investir na contratação de um “super marqueteiro”, como fez de 2002 a 2014. Ministro da Secretaria de Comunicação Social no segundo governo Lula, entre 2007 e 2010, Martins vai coordenar toda a estrutura de comunicação. Ciro Gomes (PDT) também não dormiu no ponto e contratou o marqueteiro João Santana. O PDT chamou o marqueteiro baiano para coordenar a comunicação da pré-campanha do cearense e, provavelmente, da campanha no ano que vem.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Eleição em 2022 será decidida entre dois candidatos, aposta Jair Bolsonaro

Publicados

em

VOO RASTEIRO

Se depender da análise do presidente Jair Bolsonaro, em 2022 nenhuma terceira via irá decolar. Ele menosprezou quem se contraponha à candidatura dele e a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, essa opção não deve progredir. “Tem uma passagem bíblica: ‘Seja frio ou seja quente, não seja morno’. Essa via do centro, no meu entender, não decola”, avaliou. Bolsonaro aproveitou o momento para confirmar que irá se filiar ao Patriota. Ele explicou que as negociações estão avançadas, mas comparou as conversas a um “casamento”. “Está bastante avançado, está quase certo aí. Mas é igual a um casamento, tem que planejar bem para não dar problema”.

BURROS N´ÁGUA

As decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor de convocados da CPI da Covid estão incomodando o colegiado. Ministros da Corte têm suspendido quebras de sigilos determinados pela comissão e autorizado depoentes a ficarem calados na sessão, o que impacta as investigações. A postura dos senadores, porém, é de evitar embate com o Judiciário. O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), destacou, em mais de uma ocasião, que “decisão judicial se cumpre”.

OBSERVÂNCIA JURÍDICA

Juristas vem chamando atenção que a CPI da Covid no Senado é uma função atípica do Legislativo, muito similar à do Judiciário. Por isso, não é possível se esquivar das decisões do STF. “A gente pode entender a intervenção do Supremo Tribunal Federal (STF) para definir pontos polêmicos que, embora de natureza política, precisam ser enquadrados na natureza jurídica, como os habeas corpus impetrados junto à Corte para defesa dos convocados. A outra é a quebra de sigilo. É necessário ter fato concreto, específico para fundamentar.

Leia Também:  Aprovada MP que prevê exploração privada de usina e incentiva redução de tarifas

CHORO DE PERDEDOR

O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Nelson Jobim criticou a proposta de emenda constitucional que pede a instituição do voto impresso e foi enfático ao dizer que somente quem perde as eleições é que alega fraude. A reação vem em contraponto àquilo que o presidente Jair Bolsonaro tem afirmado, de que foi roubado nas eleições de 2018 — e que venceu o pleito no primeiro turno — e que se não houver voto impresso em 2022, não haverá eleição. Espere ai. Bolsonaro venceu. Será premonição para o próximo pleito? Vai saber!

PRECAUÇÃO

A autora da PEC, a deputada Bia Kicis (PSL-DF), voltou a insistir que o sistema eleitoral não é confiável. Segundo ela, existe hoje desconfiança sobre a urna eletrônica, e a ideia é aprimorar o processo permitindo auditoria por meio de votos impressos. “A possibilidade de recontagem traz paz social. Queremos urnas eletrônicas, elas são úteis, elas dão agilidade, elas organizam o sistema. Mas o voto tem que ser independente do software (da urna), ou não teremos a segurança e a transparência de que precisamos”, disse.

Leia Também:  Comentários homofóbicos de Roberto Jefferson contra ministros do STF o coloca na alça de mira da Justiça e dos memes

CONVULSÃO SOCIAL

Jair Bolsonaro está irredutível quanto ao voto impresso, que precisa de aprovação do Congresso Nacional. O presidente da República alega que, caso não seja instituído o voto auditável no próximo ano, um dos lados poderia não aceitar os resultados da apuração e “criar uma convulsão no Brasil”. Bolsonaro emendou que as urnas eletrônicas são vulneráveis a invasão. “Se acerta o placar de votação no TSE. Isso pode acontecer sim. Neguinho invade tudo, invade até a Nasa. Invade os computadores dos ministérios aqui à vontade, na última eleição teve atraso por invasão. O que queremos na verdade? É a certeza do voto”, argumentou o presidente.

QUER POLÊMICA

O presidente Jair Bolsonaro voltou a polemizar sobre a desobrigação do uso de máscara para vacinados e pessoas já acometidas pelo vírus. Bolsonaro reafirmou que encomendou um estudo nesse sentido para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Na quinta-feira, Bolsonaro usou a sua live semanal para dizer que quem contraiu o vírus da covid-19 está melhor do que o vacinado. A declaração do presidente não tem respaldo científico e, lógico, será tema de muitas discussões nesse fim de semana.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA