Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Bastidores da República

Decisão de Jair Bolsonaro provoca agitação no Congresso Nacional

Publicados

em

REFORMA

Carolina Antunes

É grande a movimentação no Congresso Nacional de olho numa possível criação de novos ministérios pelo presidente Jair Bolsonaro. No centro do furacão está o Centrão. O sinal amarelo foi dado após a troca no comando da Petrobras. Se Bolsonaro tomar gosto às trocas ganham corpo. De qualquer forma, deputados e senadores ligados ao governo podem estar de olho nas diretorias de empresas e estatais. O próximo alvo do presidente, ao que tudo indica, será o setor elétrico. Bolsonaro já antecipou que “irá mexer nas peças que não estão dando certo”.

SEM INTERFERÊNCIA

O presidente Jair Bolsonaro voltou a negar interferência na estatal, frisando que ninguém irá interferir na política de preço. Mas criticou o aumento do diesel. “Não consigo entender no prazo de duas semanas ter um reajuste do diesel de 15%. Não foi essa avaliação do dólar lá fora, do dólar aqui dentro, nem do preço do barril lá fora. Então, tem coisa aí que tem que ser explicada”, afirmou o presidente.

 DEJAVU

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) pode voltar a discutir na próxima quarta-feira, dia 24, como será o depoimento do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura se houve interferência política indevida na Polícia Federal (PF). O caso foi pautado depois que o ministro Alexandre de Moraes pediu “urgência’ na análise pelo colegiado. Ele considerou que cabe ao plenário decidir sobre a forma do depoimento, se presencial ou por escrito. Sobre o caso, Bolsonaro demonstra que adotou outra postura ao ficar em silêncio. Já vimos esse filme, ou melhor, essa discussão.

Leia Também:  CONGRESSO NACIONAL:Bolsonaro libera R$ 1 bilhão em emendas para destravar reforma da Previdência. Confira outras informações na coluna JPM

TODO GÁS

Maryanna Oliveira

Avaliação inicial do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), começou bem. O parlamentar mostra liderança e domínio sobre a rotina da Casa. Ele apresentou na segunda-feira (22) um calendário de votações na Casa no primeiro trimestre. Entre as propostas a serem votadas até o fim de março estão a reforma administrativa, as propostas de emenda à Constituição (PECs) Emergencial e do Pacto Federativo e o Orçamento com a previsão de desvinculação de receitas. “O Brasil precisa de ações. E vamos avançar”, destacou Lira.

“AJUDINHA”

Para quem não acreditava mais, o governo já bateu o martelo sobre a volta do auxílio emergencial. A meta é pagar quatro parcelas de R$ 200 entre março e junho, valor que poderá subir para R$ 250 numa negociação com o Legislativo. Esse é o máximo que a equipe econômica considera viável sem agravar ainda mais as contas públicas. Pelos cálculos do governo, poderão ser beneficiadas até 40 milhões de pessoas, parte delas já inscritas no Bolsa Família. Por conta disso, o endividamento dos cofres públicos será de pelo menos R$ 30 bilhões. Uma ajuda que acaba aquecendo a economia de forma direta.

Leia Também:  IPVA com desconto de 3% pode ser pago até segunda-feira (23)

CLOROQUINA

José Cruz

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por ele ter incentivado a utilização da hidroxicloroquina como tratamento à covid-19, a despeito de não haver comprovação científica da eficácia do remédio contra a doença. O que já era esperado pelos críticos de plantão. A notícia-crime em questão foi apresentada ao STF pelo PDT.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Bolsonaro diz que Lei de Improbidade Administrativa é ultrapassada

Publicados

em

VAI PRA CIMA

O presidente Jair Bolsonaro está cada vez mais disposto a entrar na discussão sobre mudanças na Lei de Improbidade Administrativa. Ele mesmo já disse ter conversado com o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), sobre mudança nas regras. Um dos pontos debatidos pela Câmara é a permissão do nepotismo, a contratação de parentes pelo gestor público. “É muita burocracia. Tem muita lei do passado que realmente é para combater a corrupção, mas engessa o prefeito. Está ultrapassada. Muitos aí respondem por 20 anos de improbidade administrativa. Alguma coisa vai ser mudada, pode deixar”, afirmou Bolsonaro em conversa com apoiadores na tarde de terça-feira.

RICHA ANTIGA

No primeiro ano como presidente, em 2019, Jair Bolsonaro já fazia críticas à Lei de Improbidade Administrativa. Na época, ele chamou de “hipocrisia” as críticas de que seria “nepotismo” a indicação de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador nos Estados Unidos. O presidente chegou a criticar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que proibiu contratações de parentes na administração pública.

TRANSPARÊNCIA

Em mato Grosso o governador Mauro Mendes (DEM) continua dando exemplos aos demais gestores públicos. Ele acabou de formalizar com o Tribunal de Contas do Estado (TCE) termo de cooperação para compartilhamento de informações entre os dois órgãos. É a primeira vez na história do Estado que se está dando transparência total sobre as receitas, respeitando o devido sigilo dos contribuintes. Segundo Mauro Mendes, a iniciativa tem como objetivo trazer mais eficácia ao trabalho de monitoramento e auditoria das contas públicas, e combater a sonegação fiscal.

Leia Também:  Senado se adapta à Lei Geral de Proteção de Dados

INFRAESTRUTURA

Em discurso na tribuna do Senado, senador Jayme Campos (DEM-MT)

Outra boa notícia para Mato Grosso foi a indicação do senador Jayme Campos (DEM), por unanimidade, para a vice-presidência da Comissão de Infraestrutura, uma das mais importantes do Senado Federal por tratar de mais de R$ 500 bilhões em investimentos. O parlamentar já começou batendo duro. Disse querer contribuir com o Governo Federal, mas necessita de uma sinalização, pois todos têm contribuído, mesmo durante a pandemia da COVID 19. “Não é possível que em pleno ano de 2021, tenhamos alimentos perdidos por causa da qualidade das rodovias e falta de ferrovias”.

EM BLOCO

Governadores do Nordeste se juntaram contra o piso de gastos em saúde e educação. A desvinculação das receitas previstas para as duas áreas está prevista na PEC Emergencial, em análise no Senado Federal. A medida viabilizará a concessão de uma nova rodada do auxílio emergencial associada a medidas de compensação fiscal, modelo defendido pela equipe do Ministério da Economia. O texto traz a cláusula de calamidade, que abre espaço no Orçamento para o pagamento do benefício de março a junho, diante do recrudescimento da pandemia de covid-19.

Leia Também:  Conselho de Ética e Decoro Parlamentar poderão funcionar durante calamidade da Covid-19

NA MORAL

O ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) é o novo presidente da CCJ do Senado. O senador foi eleito por aclamação, quando não há votação. O senador Antonio Anastasia (PSD-MG) foi eleito vice-presidente. Alcolumbre trabalhou pela eleição de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato apoiado por Jair Bolsonaro, e especulou-se que assumiria uma pasta na Esplanada dos Ministérios ao deixar à presidência do Senado.

BICHO PAPÃO

A prévia da inflação oficial aponta para um avanço de 0,48% nos preços no mês de fevereiro. De acordo com o IBGE, o resultado foi puxado pela alta de 3,34% no preço dos combustíveis. Em janeiro, o índice registrou alta de 0,78%, maior resultado para o mês desde 2016. Com isso, agora o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15) soma ganhos de 1,26% nos dois primeiros meses de 2021 e de 4,57% no acumulado dos últimos 12 meses.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA