Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Bolsonaro ensaia discurso para reforçar poder bélico das Forças Armadas

Publicados

em

CORRIDA ARMAMENTISTA

A julgar pelo discurso do presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira, as Forças Armadas poderão ganhar uma injeção de recursos. Segundo ele, para defender a Amazônia é preciso de “Forças Armadas preparadas”. Bolsonaro havia sido questionado por um apoiador se gostaria de mandar um recado ao mundo sobre a proteção da Amazônia – uma clara insinuação ao fato de o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, já ter se manifestado contrariamente à política do governo federal para a Amazônia, que estimularia a devastação ambiental. Bolsonaro apenas riu e não respondeu. Uma mulher, então, disse: “A Amazônia é nossa!”, comentário que provocou a resposta do presidente.

DUPLA DA PESADA?

A possibilidade de uma chapa formada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro e pelo apresentador Luciano Huck causou alvoroço no governo e no meio político nacional. A dois anos das eleições presidenciais, os dois deram a largada para a corrida ao Planalto, num encontro em Curitiba. O ex-juiz da Lava-Jato também se articula com outros possíveis apoiadores, como Luiz Henrique Mandetta (DEM), ex-ministro da Saúde, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Até mesmo o vice-presidente Hamilton Mourão aparece nas pretensões do ex-magistrado.

BALÃO DE ENSAIO

Moro afirma ser um político de centro, o que seria uma alternativa a Bolsonaro e aos candidatos de esquerda. No entanto, especialistas divergem sobre o alinhamento do ex-ministro, principalmente por ele ter aceitado integrar o atual governo por mais de um ano. As últimas pesquisas apontam Moro com 10% a 11% das intenções de voto. Mandetta tem um percentual bem razoável, além do Doria, que tem uma pegada mais ao centro quando se compara com a direita, ou a extrema direita, representada pelo Bolsonaro. O que deve começar, agora, é a articulação para saber quem encabeça a chapa. Pode ser o Moro, Mandetta ou Doria. No caso do Luciano Huck, pode ser mais um balão de ensaio.

Leia Também:  Bolsonaro pede união a governadores na luta contra a covid-19

DEU MARGEM

A polêmica em torno de Sérgio Moro e Luciano Huck deu margem para Ciro Gomes (PDT) também ganhar espaço na mídia. Ciro disputou a Presidência da República em 2018 e já declarou que gostaria de concorrer novamente. O pedetista disse que nenhum dos dois foi centro. “No dia que Doria, Huck e Moro forem de centro, eu sou de ultra-esquerda, o que eu nunca fui”, afirmou o presidenciável após evento com a militância de seu partido. Segundo Ciro Gomes, Moro vendeu a toga em troca de um cargo vitalício e é um cara da extrema-direita. “O Moro se veste como os fascistas italianos da década de 1930. Ele está sempre com uma camisa escura sobre um paletó escuro. O Moro é fascista”.

ELEIÇÕES 2022

Quem também se encontrou com Luciano Huck foi o presidente da Cãmara, deputado Rodrigo maia (DEM). Maia almoçou com o apresentador global, que negocia aliança com o ex-juiz Sérgio moro para as eleições de 2022. Mas disse que foi um almoço de amigos e que sempre ocorre quando o parlamentar vai ao Rio de Janeiro. Ainda assim, aproveitou o tema para mandar outro aviso a Bolsonaro. “O resultado da agenda (do governo) dos próximos seis meses é que vai ditar a regra das eleições de 2022. Se for responsabilidade fiscal, tem uma força. Se for heterodoxa, uma força muito menor”, projetou.

Leia Também:  Ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, cria Centro de Mediação e Conciliação

CAMPO MINADO

O país, na visão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), virou um campo minado prestes a explodir. O deputado se refere à obstrução da pauta de votações pela base aliada do governo. Segundo o parlamentar, se não desobstruir a pauta da Casa o quanto antes, “o brasil vai explodir em janeiro”. Maia falava sobre a disputa pela presidência da Comissão Mista de Orçamento quando fez a declaração. Defendeu que o plenário da Casa não está parado, e que está pautando as matérias. A falta de quórum é provocada pelos governistas, que querem forçar o DEM, o PSDB e o MDB a desfazer o acordo pela presidência da CMO. “Quem tem interesse na pauta é o governo”, disse.

SALVO-CONDUTO

Nenhum eleitor pode ser preso ou detido de hoje (10) até 48 horas após o término da votação do primeiro turno, no próximo domingo (15). A proibição de prisão cinco dias antes da eleição é determinada pelo Código Eleitoral (Lei 4737/1965), que permite a detenção nos casos de flagrante delito, sentença criminal condenatória por crime inafiançável ou por desrespeito a salvo-conduto. O flagrante de crime é configurado quando alguém é surpreendido cometendo uma infração ou acabou de praticar. De acordo com o Código de Processo Penal, se um eleitor é detido durante perseguição policial ou se é encontrado com armas ou objetos que sugiram participação em um crime recente, também há flagrante delito. O que não pode é abusar da sorte, pois acabará preso de qualquer forma.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Governadores anunciam lockdown e Bolsonaro diz que estão na contramão

Publicados

em

LOCKDOWN NO DF

A volta do crescimento nos casos da Covid-19, aqui no Distrito Federal, fez o governo acender a luz vermelha.  O governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou que a antecipação das medidas de contenção da pandemia e decreta lockdown total a partir da meia-noite desta sexta-feira (26). A ocupação de leitos de UTIs, na rede pública de saúde, chegou a 98,22%. De acordo com a Sala de Situação da Secretaria de Saúde, apenas um dos três leitos disponíveis é para adulto. Os outros são pediátricos e mais 11 estão bloqueados. Governadores do Sul e alguns do Nordeste também falam em lockdown.

CRÍTICAS AO LOCKDOWN

Quem não gostou “nadica de nada” dessa história de lockdown foi o presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, os governadores que “fecham tudo estão na contramão do que o povo quer”. “Vão para o meio do povo mesmo depois das eleições, porque durante as eleições é muito fácil. Eu quero ver é depois”, disparou Bolsonaro. A declaração ocorreu em Tianguá, no Ceará, durante a cerimônia de assinatura de ordens de serviço da Travessia local, das Variantes de Frios e Umirim e do Viaduto de Horizonte.

DESEMPREGO

Tudo parece conspirar para piorar a situação do emprego no país, que sofre com a pandemia da Covid-19. A taxa de desemprego avançou no Brasil em 2020 e encerrou o último trimestre do ano em 13,9%, percentual que corresponde a 13,9 milhões de desocupados no período. A análise da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgada nesta sexta-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aponta para o aumento 13,5% na taxa média anual de brasileiros desocupados em 2020. Trata-se do maior percentual da série iniciada em 2012.

Leia Também:  CORRUPÇÃO: Polícia Federal indica repasses de R$ 1,5 milhão da Odebrecht a Rodrigo Maia,presidente da Câmara dos Deputados.Confira outras informações na coluna JPM desta sexta-feira (12)

DIVERGÊNCIA

Pelo que parece, a população está dividida quanto à privatização da Caixa Econômica Federal. Novo levantamento, encomendado pela Confederação Nacional do Transporte, mostra que 59,8% dos entrevistados rejeitam venda do banco público. A Caixa lidera relação de empresas que sociedade menos quer que seja vendida. De acordo com os dados, divulgados esta semana, apenas 28,6% das pessoas disseram ser a favor da privatização de estatais; 11,6% não souberam opinar ou não responderam. A pesquisa CNT/MDA foi realizada com 2.002 entrevistados, em 137 cidades de 25 estados, entre os dias 18 e 20 deste mês.

PELA EDUCAÇÃO

As novas universidades federais ganharam uma injeção de recursos da ordem de R$ 200 milhões. A proposta apresentada pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT) foi uma das três acatadas pela Comissão de Educação do Senado na quinta-feira. Entre elas está a Universidade Federal de Rondonópolis, a UFR, no Sul de Mato Grosso. A emenda deve constar do Orçamento Geral da União para 2021, a ser votada ainda no mês de março pelo Congresso Nacional. As demais universidades beneficiadas estão nos estados de Tocantins, Goiás, Pernambuco e Piauí.

Leia Também:  Bolsonaro costura acordo para que o Tributo Sobre Transações Digitais chegue ao Congresso

NOVA POLÊMICA

Uma nova discussão promete esquentar os ânimos aqui em Brasília. É que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 186, a PEC Emergencial, prevista para ser votada no Senado na terça-feira (02), pode representar um golpe fatal para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ao menos é o que dizem alguns senadores. Sobretudo, em função do artigo quarto do relatório assinado pelo senador Márcio Bittar (MDB/AC) à PEC 186, pelo fim de importante fonte de financiamento (funding) para o BNDES, ou seja, as transferências das contribuições do PIS-PASEP. Sem estes repasses o BNDES deixará de cumprir seu papel em várias frentes de mercados e sociais.

NOTÍCIA BOA

Para quem não apostava na chegada da Internet 5G ao Brasil, pode anotar essa data: julho de 2022. Quem definiu essa data foi a própria Anatel, que anunciou um leilão para quatro faixas de frequência que serão usadas nas transmissões de dados ainda neste semestre. A partir de agora, o governo deverá definir o preço dos lances dos blocos que serão leiloados. Para isso, o Tribunal de Contas da União (TCU) precisa analisar a oferta em até 150 dias, e julgue em 50 dias.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA