Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

ARTICULAÇÃO: Congresso Nacional pode barrar militares da ativa em cargos políticos

Publicados

em

Uma grande articulação política esta acontecendo em Brasilia, após o Exército livrar Eduardo Pazuello de sanções por ter participado de ato político ao lado de Jair Bolsonaro. Parlamentares que integram partidos de oposição e de centro, como MDB e PL, iniciaram mobilização nesta sexta-feira (3) para impulsionar a PEC (proposta de emenda à Constituição) ) da deputada Perpétua Almeida (PC do B-AC), que tem o objetivo de impedir que militares da ativa ocupem cargos políticos em governos.A articulação ocorre após o Exército livrar Eduardo Pazuello de sanções por ter participado de ato político ao lado de Jair BolsonaroA proposta prevê que o militar da ativa que tiver menos de 10 anos de serviço “deverá afastar-se da atividade” para exercer cargo civil na administração pública. Já os que tiverem mais de uma década de trabalho deverão passar automaticamente para a inatividade na data da posse no novo cargo, O texto teve o apoio de Rodrigo Maia (DEM-RJ) nas redes sociais e precisa de 171 assinaturas para começar a tramitar. Pérpetua tinha 80 até a semana passada.

 SEM COMENTÁRIOS


Após a divulgação da opção pela blindagem de Pazuello por pressão do presidente Jair Bolsonaro, poucos oficiais graduados se dispuseram a fazer comentários.  A decisão de não punir o general Eduardo Pazuello pela quebra das regras e normas disciplinares do Exército foi recebida na tropa com sentimentos amargos. Informalmente, o efetivo se divide entre os “operacionais” e os “políticos” – sendo esses geralmente os articuladores dos interesses da Força, cabendo aos primeiros cuidar da prontidão para emprego em caso de mobilização.

EXPLICAÇÃO

Operação contra tráfico de armas prende ex-militar do Exército | VEJA

Em nota, o Exército informou que “não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do general Pazuello” e que “arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado”. Em 23 de maio, Pazuello, que é general da ativa, participou de evento no Rio de Janeiro com apoiadores de Bolsonaro e chegou a fazer um discurso ao lado do presidente.“Armas partidarizadas ou política armada são incompatíveis com a democracia, eleições livres e periódicas. Não punir Pazuello abre precedente à insubordinação. Necessário comunicado das Forças Armadas à Nação de que defendem a hierarquia, a disciplina, o respeito ao regulamento e à Constituição” apontou Simone Tebet (MDB-MS) em sua conta em uma rede social.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Governo Mauro Mendes, revisões e reformas necessárias!

FALA DE BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro sem mencionar a decisão do Exército de arquivar o processo disciplinar contra o general e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello,  fez comentários sobre a disciplina militar na noite de quinta-feira (04), durante a sua live semanal nas redes sociais.“A punição, pessoal, existe, nas Forças Armadas. Ninguém interfere. A decisão ali é do chefe imediato dele ou do comandante da unidade, e a disciplina só existe porque realmente o nosso código disciplinar é bastante rígido”, afirmou . Ele disse  ainda que o ônus da prova “cabe a quem acusa”.“Então, assim funciona. Eu já fui punido no Exército brasileiro, 15 dias de cadeia. Quando eu fiz a matéria na revista Veja em 1986”, declarou o presidente. Ele se referia a um artigo que escreveu na revista no qual reclamava dos baixos soldos dos militares à época.

RUIDO FORTE


Lideranças políticas esquentam os bastidores com comentários de que  o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), teve conversas com ao menos dois dos principais adversários políticos do presidente Jair Bolsonaro nesta semana.Na terça-feira (1º/6), Aziz falou por telefone com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foi pelo menos a segunda conversa entre os dois desde o início da CPI.Segundo apurou a coluna, o petista elogiou a atuação do grupo majoritário da comissão, o chamado G7. O ex-presidente e o senador combinaram de marcar um encontro após a CPI encerrar os trabalhos.

TÁ CONFIRMADO

A CPI da Covid pretende convocar o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) para questioná-lo sobre o “gabinete paralelo”, afirmou o relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), em live do centro acadêmico da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).Segundo Renan, a presença do filho do presidente em uma reunião com a Pfizer sobre oferta de vacinas “é um fato que embasará a qualquer momento, em qualquer circunstância, a convocação do vereador”. A participação de Carlos Bolsonaro na reunião foi confirmada pelo gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, após ser questionado sobre o tema em seu depoimento na CPI.

RECORDE DE DESMATE

Dados  do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados nesta sexta-feira, 4, mostram que o desmatamento na Amazônia Legal em maio é o maior registrado desde 2016, quando a série histórica teve início. É o terceiro mês seguido de recorde de destruição da floresta em 2021.Em 28 dias, a região atingiu a marca de 1.180 km2, um aumento de 41% em relação ao mesmo mês de 2020. Desde o início da série histórica, com a operação do satélite Deter-B, é a primeira vez que o número ultrapassa 1.000 km2 para esse mês.Segundo o Inpe, no acumulado desde agosto, vem caindo rápido a diferença entre a área recorde de alertas do ano passado e a deste ano: em janeiro o desmatamento em 2021 era 21% menor que em 2020. Agora a diferença é de 8%, e ainda pode cair mais.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Exemplo de político municipalista

CAIU NAS REDES


A atriz Juliana Paes entrou para os assuntos mais comentados no Twitter nesta quinta-feira, 3, após sair em defesa da médica Nise Yamaguchi, que depôs na CPI da Covid esta semana. A oncologista é conhecida por defender o uso de cloroquina contra covid-19, apesar de o medicamento ser comprovadamente ineficaz contra a doença, e fez diversas alegações falsas em sua fala na comissão do Senado.Juliana escreveu em seu Instagram que a CPI foi um “show de horror e boçalidades”. “Certa ou errada? não importa”, publicou a atriz. “Intimidação, coação, fala interrompida. Mulher merece respeito em qualquer ambiente.”
A postagem gerou reação negativa nas redes sociais, e em resposta Juliana publicou um vídeo na mesma rede social em que afirmou não concordar com “ideais arrogantes de extrema-direita” ou com “delírios comunistas da extrema-esquerda”. A atriz reclamou da cobrança para se posicionar publicamente e disse existir polarização entre certos e errados.

 TRUMP CANCELADO

O Facebook informou nesta sexta-feira (4) que a suspensão do perfil do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, será mantida até janeiro de 2023. A decisão foi tomada em resposta ao Comitê de Supervisão da rede social, que, em maio, pediu uma decisão definitiva sobre o caso.O período de dois anos conta a partir de 7 de janeiro, quando Trump foi impedido de publicar em suas contas no Facebook e no Instagram. A medida aconteceu um dia após a invasão do Congresso americano por apoiadores do então presidente.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Eleição em 2022 será decidida entre dois candidatos, aposta Jair Bolsonaro

Publicados

em

VOO RASTEIRO

Se depender da análise do presidente Jair Bolsonaro, em 2022 nenhuma terceira via irá decolar. Ele menosprezou quem se contraponha à candidatura dele e a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, essa opção não deve progredir. “Tem uma passagem bíblica: ‘Seja frio ou seja quente, não seja morno’. Essa via do centro, no meu entender, não decola”, avaliou. Bolsonaro aproveitou o momento para confirmar que irá se filiar ao Patriota. Ele explicou que as negociações estão avançadas, mas comparou as conversas a um “casamento”. “Está bastante avançado, está quase certo aí. Mas é igual a um casamento, tem que planejar bem para não dar problema”.

BURROS N´ÁGUA

As decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor de convocados da CPI da Covid estão incomodando o colegiado. Ministros da Corte têm suspendido quebras de sigilos determinados pela comissão e autorizado depoentes a ficarem calados na sessão, o que impacta as investigações. A postura dos senadores, porém, é de evitar embate com o Judiciário. O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), destacou, em mais de uma ocasião, que “decisão judicial se cumpre”.

OBSERVÂNCIA JURÍDICA

Juristas vem chamando atenção que a CPI da Covid no Senado é uma função atípica do Legislativo, muito similar à do Judiciário. Por isso, não é possível se esquivar das decisões do STF. “A gente pode entender a intervenção do Supremo Tribunal Federal (STF) para definir pontos polêmicos que, embora de natureza política, precisam ser enquadrados na natureza jurídica, como os habeas corpus impetrados junto à Corte para defesa dos convocados. A outra é a quebra de sigilo. É necessário ter fato concreto, específico para fundamentar.

Leia Também:  AJUSTE FISCAL:Nova ajuda do governo federal a estados dependerá de reforma da Previdência. Confira a coluna JPM

CHORO DE PERDEDOR

O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Nelson Jobim criticou a proposta de emenda constitucional que pede a instituição do voto impresso e foi enfático ao dizer que somente quem perde as eleições é que alega fraude. A reação vem em contraponto àquilo que o presidente Jair Bolsonaro tem afirmado, de que foi roubado nas eleições de 2018 — e que venceu o pleito no primeiro turno — e que se não houver voto impresso em 2022, não haverá eleição. Espere ai. Bolsonaro venceu. Será premonição para o próximo pleito? Vai saber!

PRECAUÇÃO

A autora da PEC, a deputada Bia Kicis (PSL-DF), voltou a insistir que o sistema eleitoral não é confiável. Segundo ela, existe hoje desconfiança sobre a urna eletrônica, e a ideia é aprimorar o processo permitindo auditoria por meio de votos impressos. “A possibilidade de recontagem traz paz social. Queremos urnas eletrônicas, elas são úteis, elas dão agilidade, elas organizam o sistema. Mas o voto tem que ser independente do software (da urna), ou não teremos a segurança e a transparência de que precisamos”, disse.

Leia Também:  Bolsonaro confirma Jorge Oliveira para o TCU e Senado marca sabatina de Kassio Nunes

CONVULSÃO SOCIAL

Jair Bolsonaro está irredutível quanto ao voto impresso, que precisa de aprovação do Congresso Nacional. O presidente da República alega que, caso não seja instituído o voto auditável no próximo ano, um dos lados poderia não aceitar os resultados da apuração e “criar uma convulsão no Brasil”. Bolsonaro emendou que as urnas eletrônicas são vulneráveis a invasão. “Se acerta o placar de votação no TSE. Isso pode acontecer sim. Neguinho invade tudo, invade até a Nasa. Invade os computadores dos ministérios aqui à vontade, na última eleição teve atraso por invasão. O que queremos na verdade? É a certeza do voto”, argumentou o presidente.

QUER POLÊMICA

O presidente Jair Bolsonaro voltou a polemizar sobre a desobrigação do uso de máscara para vacinados e pessoas já acometidas pelo vírus. Bolsonaro reafirmou que encomendou um estudo nesse sentido para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Na quinta-feira, Bolsonaro usou a sua live semanal para dizer que quem contraiu o vírus da covid-19 está melhor do que o vacinado. A declaração do presidente não tem respaldo científico e, lógico, será tema de muitas discussões nesse fim de semana.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA