Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

CULTURAL

1º Prêmio MT Artes celebra artistas, produtores e escritores do Estado

Publicados

em

Artistas, produtores e escritores do estado serão homenageados no 1º Prêmio MT Artes, que acontece nesta quarta-feira (09.06), às 19h, em formato híbrido, presencialmente no Cine Teatro Cuiabá e em transmissão digital. Criado pela MT Escola de Teatro, o prêmio visa celebrar e reconhecer produções artísticas e culturais de Mato Grosso.

Durante a cerimônia serão conhecidos os três vencedores de cada uma das cinco categorias da premiação: teatro, dança, literatura, artes visuais e audiovisual. Cada categoria possui 10 indicados. Veja lista no final.

Com curadoria de Flávio Ferreira, Flávia Taques, Rodolfo García Vázquez, Agnaldo Rodrigues, Elen Londero, Marcio Aquiles e Miguel Arcanjo, a seleção considerou produções culturais produzidas durante o período de pandemia, de março de 2020 a abril de 2021.

A criação dos troféus ficou a cargo dos cenógrafos Jane Klitzke e Douglas Peron, que tiverem apoio das estudantes do curso de Cenografia da MT Escola de Teatro, polo de formação vinculado à Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT). A instituição oferece o curso superior de Tecnologia em Teatro sob gestão do Cine Teatro Cuiabá em parceria com a Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), a Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap) e a Associação Cultural Cena Onze.

Leia Também:  Projeto POSS (Proteja Os Seus Sonhos) celebra a cultura negra

O 1º Prêmio MT Artes contará com a presença do titular Secel-MT, Alberto Machado, de dos jurados e de indicados ao troféu. Quem não puder participar presencialmente, pode acompanhar a cerimônia pelo Youtube e Facebook do Cine Teatro Cuiabá e da MT Escola de Teatro.

Confira a lista dos indicados:

Categoria Teatro

André D’Lucca
André Féroli
Ariana Carla
Caroline Argenta
“Depois do fim do mundo vem sempre um outro dia”: Alunos da MT Escola de Teatro, Núcleo 2
“Desconexões à milanesa ou lance de dados sem deus”: Alunos da MT Escola de Teatro, Núcleo 1
Lioniê Vitório e J. Astrevo
Eduardo Butakka e Thyago Mourão
Grupo Tibanaré
“Refestelá”: Lioniê Vitório e J. Astrevo, Penélope (Eduardo Butakka) e Romeu Benedicto

Categoria Audiovisual 

Anna Maria Moura e Sol Ferreira
Caroline Araújo e Maurício Pinto
Douglas Peron
Fellippy Damian e Ângela Coradini
Isabela Ferreira
Lucas Lemos
Luiz Marchetti
Marithê Azevedo
Severino Neto e Diego Medvedocky
Tati Mendes e Amauri Tangará

Categoria Dança

Ballet Regina Pacis
Brayan Saavedra
Escola Municipal de Dança de Primavera do Leste
Estúdio Claz
Federação Mato-grossense de Quadrilhas
Grupo de Dança de Rua Hypnose Break
Instituto de Artes Facce
Sarah Jane Venâncio
Nasla Brandão

Leia Também:  Artistas e produtores celebram cultura LGBTI+ e cobram política para o setor

Categoria Artes visuais 

Adão Silva (Babu 78)
Adriana Milano
Carlos Lopes
Ita Pedra
Kaji Wauja
Leonice da Silva (Nice Aretê)
Mari Gemma
Pedro Thame
Sebastião Silva
Sol Ferreira

Categoria Literatura

Aclyse Mattos
Andreza Pereira, Aldi Nestor, Loreci Demenghi, Rose dos Anjos e Santiago Santos
Divanize Carbonieri
Eduardo Mahon
Adson Flávio Santos
Luciene Carvalho
Luiz Renato Souza Pinto
Mário Cezar Solva Leite
Marli Walker
Marta Cocco & Capucine Picicaroli

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTE & CULTURA

Marta Cocco em livros que estimulam a imaginação e os sentimentos

Escritora comemora três décadas literárias e lança títulos na Amazon a preços simbólicos

Publicados

em

No trajeto de uma vereda literária que ultrapassa três décadas em 2021, Marta Cocco escreve mais uma página da sua própria saga, disponibilizando toda a sua obra em versos na plataforma Amazon. São cinco livros em segunda edição e o inédito Domicílio. A autora define o momento como uma comemoração à vida em tempos de pandemia. E há muito para se comemorar, afinal, a escritora acumula quatro prêmios literários e uma seleção pelo Ministério da Educação em âmbito nacional. Além do mais, chegou aos 55 anos em 18 de setembro, um justo motivo para presentear seus leitores com essas novidades.

Marta Cocco: “Quando a família lê junto, participa do processo, aí é fantástico. A criança se inspira muito nos modelos que tem por perto”

Domicílio já estava pronto desde 2017, conta a escritora, com argumentos sólidos e memórias afetivas à flor da pele. “Na época não quis publicar, porque em 2016 já havia lançado três livros. Achei que ficaria muito over. Aí esperei 2021 porque todos os outros livros de poemas, coincidentemente, foram lançados em anos com final 1 ou 7. Então resolvi manter isso.  O curioso é que, no ano passado,  lancei dois livros infantis e neste ano mais dois, portanto, agora também está over”, diz Marta com semblante de felicidade e riso largo.

Otimista, Marta Cocco não se influenciou pelas incertezas acerca da pandemia da Covid-19 e rascunhou mais uma página escrita a próprio punho. “Não poderia adiar mais nada. Afinal, não se sabe se teremos o amanhã”, filosofou ao abraçar um exemplar de Domicílio. Cheirou o livro, como faz um leitor apaixonado e deitou sobre as pernas ninando-o como um filho mais novo. Ela não esconde a sua paixão pela literatura e o zelo por Domicílio, obra oportuna em tempos de Covid.

Literatura é significativa quando traz um sentido e é a curiosidade que nos faz amadurecer com os textos

O momento atual foi mais do que apropriado para os lançamentos. Os novos poemas de Marta Cocco versam sobre o mundo e a palavra como domicílios do ser. “Estar no mundo sujeito às imposições da sobrevivência num sistema que anula algumas potências da natureza humana, não é fácil. O pensamento que se forma nas entranhas dos sentidos vai se organizando em versos que a gente publica, porque deseja repartir”, diz a poeta.

Leia Também:  Exposição Calin retrata mulheres ciganas de Mato Grosso

ENTRE DOIS UNIVERSOS

Marta Cocco se define como uma pessoa que gosta de aprender e não encontrou barreiras ao transitar entre os títulos infanto-juvenis e os adultos. Ao rigor da palavra, há textos apropriados para cada idade. No entanto, há crianças lendo e adorando livros com títulos adultos, bem como adultos se divertindo com leituras infantis.

Sua imersão à literatura infantil aconteceu quase que por acaso, em 2011, quando o Sesc Arsenal produziu um musical com poemas de autores regionais. As obras de Marta Cocco já estavam sobre a mesa quando surgiu um convite inusitado: fazer um poema infantil exclusivo para o evento. “Aceitei o desafio e escrevi Doce de formiga, uma cantiga baseada numa experiência com meu filho, aos dois anos”, revelou a escritora. Foi o ponto de partida para Marta tomar gosto e não parar mais. “Escrever para crianças é uma felicidade, gosto de imaginar as crianças criativas, fazendo bagunça no bom sentido, perguntando, se divertindo, aprendendo. Gosto de imaginar que a criança tem uma vida pela frente e precisa do contato com o lúdico e outros aspectos inerentes ao universo dela, a fim de se fortalecer para a vida adulta”.

“Escrituras animais” e “As coisas cansadas das mesmas coisas” são obras que se enquadram no contexto descrito pela autora. A criança está numa das fases mais bonitas da vida, que é a de, tendo aprendido a falar, desejar aprender a ler, e tendo lido, ter curiosidade pelos mundos contidos nos livros. “Aprender a ler é mágico para a criança. E a contribuição para seu desenvolvimento é enorme. Muitas habilidades linguísticas e cognitivas passam a ser exercitadas, além da formação humana, que é fundamental. Quando a família lê junto, participa do processo, aí é fantástico. A criança se inspira muito nos modelos que tem por perto”.

Marta Cocco comemora o seu novo momento literário em formato digital na maior plataforma de livros do Planeta, a Amazon. Desde 1991 como autora e enquanto professora de Literaturas da Língua Portuguesa na Unemat, a partir de 2006, vivenciou que a leitura provoca o bem estar e faz viajar através do imaginário, olhando a realidade com outros olhos. “Literatura é significativa quando traz um sentido e é a curiosidade que nos faz amadurecer com os textos”. Escreveu 16 títulos entre poemas, contos, histórias infantis, além de críticas literárias.

Leia Também:  Cinco anos sem David Bowie: TikTok celebra legado do cantor com challenge ousado

Ativa como pesquisadora do grupo Ler (Unemat/CNPq) e ocupante da cadeira nº 18 na Academia Mato-Grossense de Letras, Marta Cocco se prepara para um novo livro ainda sem título. “Escrever se torna vício. Ler, idem. Considerando o rico imaginário de quem lê e a facilidade em entrar no mundo da fantasia, me mantenho nessa mesma vereda literária. Enquanto professora, mãe e autora, enfatizo a importância da literatura na educação infantil, no desenvolvimento de crianças e adultos, além da inserção de ambos ao universo da leitura e da escrita”.

E-BOOKS DISPONÍVEIS

A segunda edição dos livros de Marta Cocco foi organizada pela editora Gesto e contou com a supervisão da própria autora. “Gosto de participar de todo o processo de produção do livro, inclusive da criação das capas. Ali se vê a alma do texto e o estado de espírito do autor”, conta.

As obras estão disponíveis em formato e-book no site Amazon, sendo Divisas, Partido, Meios, Lé e o elefante de lata, Sete Dias e Sábado ao preço simbólico de US$1. Já o livro Domicílio, custará US$3 no formato digital. O livro físico poderá ser adquirido diretamente com a autora, com pedido via whatsapp – (65) 99341 9304, por R$30,00, já incluídas as despesas dos Correios.

COLETÂNEA DE OBRAS

– Divisas – poemas (Ed. da autora, 1991);

– Partido – poemas (Tempo Presente, 1997);

– Meios – poemas (Ed. da autora, 2001);

– O ensino da literatura produzida em Mato Grosso (Cathedral, 2006);

– Sete dias – poemas (Galo Branco, 2007);

– Sábado ou cantos para um dia só – poesia (Carlini & Caniato, 2011);

– Lé e o elefante de lata – infantil (Ideias, 2013);

– Doce de formiga – infantil (Tanta Tinta, 2014);

– Mitocrítica e poesia – crítica literária (Carlini e Caniato, 2016);

– Não presta pra nada – contos (Carlini & Caniato, 2016)

– Sabichões – infantil (Tanta Tinta,2016);

– Meu corpo é uma fabricazinha? – infantil (ed. da autora, 2020);

– Escrituras animais – infantil (Gesto,2020);

– As coisas cansadas das mesmas coisas (Gesto, 2021).

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA