Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SUSTENTÁVEL

Saiba qual biológico é melhor para sua lavoura

Publicados

em

O Dr. Fernando Andreote, professor da ESALQ/USP, elaborou uma classificação para os produtos biológicos oferecidos atualmente no mercado. Por um lado, “inoculantes” e “biodefensivos” contêm em sua formulação microrganismos específicos para fins predeterminados. Por sua vez, os “ativadores” estimulam os organismos presentes no solo e os “repositores” suprem o solo de microrganismos para a reorganização e funcionalidade do seu microbioma. A Engª. Agrª. MSc. Maria Stefânia D’Andrea Kühl, Analista Técnico da Microgeo, explicou melhor sobre cada conceito. Confira abaixo:

Inoculantes

Referem-se a um produto que contém microrganismo e que tem como função a ação favorável ao crescimento e desenvolvimento das plantas. Para sua eficácia agronômica, é necessário que o produto contenha a espécie de microrganismo caracterizado como inoculante proveniente de cepas de “coleção oficial”, garantia de concentração mínima em suporte estéril, livre de outros microrganismos não específicos a fim de garantir sua pureza.

Biodefensivos

Considerado o segmento que mais cresce dentre os biológicos. Os biodefensivos são agentes Biológicos de Controle, como organismos vivos, de ocorrência natural ou obtidos por manipulação genética. Tem como função, o controle de uma população ou de atividades biológicas de outro organismo considerado nocivo à agricultura. Neste caso há duas categorias técnicas: inimigos naturais – entomopatógenos (como exemplo os fungos e bactérias), organismos que naturalmente infectam, parasitam ou predam uma praga específica; ou a técnica de inseto estéril – liberação de machos esterilizados usados na supressão ou erradicação de pragas. Para que o produto seja eficiente na agricultura deve-se ter a indicação do local da coleção biológica e a concentração mínima do ativo biológico; é importante seguir as indicações de uso nas culturas apropriadas e alvos biológicos a que se destina.

Leia Também:  Ministério Público ingressa com novo recurso para majoração de fiança em 100 salários

Ativadores

Esta classificação abrange os fertilizantes, fertilizantes orgânicos, organominerais, biofertilizantes, condicionadores de solo, substratos para plantas, substâncias húmicas e fúlvicas, e aditivos. São também conhecidos como Bioestimulantes, já que apresentam efeitos diretos ou indiretos na melhoria das propriedades físico-químicas do solo e na estimulação da atividade biológica presente nele. Conforme o enquadramento do produto, este deve apresentar garantias mínimas de compostos químicos, princípios ativos e/ou agentes orgânicos em sua composição para se obter os benefícios agronômicos.

Repositores

Contém em sua composição a presença de diferentes espécies de microrganismos vivos, que tem como função a reposição biológica, a reorganização e a funcionalidade do microbioma do solo. “Nesta classificação, podemos destacar o MICROGEO® – um componente balanceado utilizado para a produção do Adubo Biológico através do Processo de Compostagem Líquida Contínua (CLC®) em Biofábricas instaladas diretamente nas propriedades agrícolas. O Adubo Biológico é caracterizado como repositor por apresentar concentração de 107 a 109 células de bactérias por mL e em termos qualitativos, média de 300 diferentes grupos de bactérias. Os grupos variam de acordo com a localidade da instalação da Biofábrica CLC®, garantido microrganismos adaptados ao local de uso o que o torna uma biotecnologia altamente eficiente”, explica a Engª Agrª Maria Stefânia. A biotecnologia Microgeo® ao restabelecer o microbioma do solo, proporciona diferentes benefícios ao sistema solo-planta sendo capaz de contribuir com a bioestruturação física do solo através da redução da compactação, potencializa a eficiência nutricional e promove maior saúde ecológica no sistema de produção, garantindo uma maior produtividade e lucratividade ao produtor.

Leia Também:  Política Estadual de Apoio à Agricultura Urbana é sancionada

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Cotações de milho voltam a recuar

Publicados

em

O mercado de milho na B3 de São Paulo fechou em queda generalizada, por tomada de lucros natural depois de quatro sessões seguidas de alta, segundo informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “Com isto, a cotação de março fechou em queda de R$ 0,64 no dia, mas alta de R$ 1,62 na semana a R$ 88,28; a de maio recuou R$ 0,48 no dia, mas avançou R$ 2,62 na semana para  R$ 88,58 e a de julho recuou R$ 0,54 no dia, mas avançou R$ 3,26 na semana para R$ 83,35”, comenta.

“Este recuo natural de tomada de lucros pelos investidores não retirou o viés de alta do aspecto fundamental do milho a médio e longo prazos. Mesmo com o aumento da disponibilidade nos estados do Sul, com a colheita da safra de verão e dos washouts feitos com alguns lotes de exportação do RS, que estão fazendo as cotações andarem de lado em fevereiro. O único movimento contrário é o próprio nível do preço, que começa a fincar insustentável para os consumidores finais, principalmente de ovos e leite, que não podem repassar os ganhos cambiais das carnes.”, completa.

Leia Também:  CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas

Já o milho em Chicago teve variações mistas. “No Brasil, o plantio de Safrinha estaria avançando, mas com atrasos em Mato Grosso. As tarefas teriam coberto 54% contra 80% da média nas campanhas recentes. A China teria como objetivo elevar a área semeada, mas dificilmente conseguiria reverter o déficit interno. Os Fundos estariam desarmando posições novamente”, indica.

“No fechamento, o contrato de março estava mudando de mãos a $ 5,522/bu, queda de $ 0,024/bu no dia, com o contrato de maio sendo negociado a $ 5,44/bu, queda de $ 0,056/bu. Sem avisos de vendas de exportação para pontuar o final da semana nos EUA, e com a valorização do dólar prejudicando ainda mais as novas esperanças de exportação dos EUA, os Fundos procuraram vender mais”, conclui.

 AGROLINK –Leonardo Gottems

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA