Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Agronegócio

Plano promoverá sustentabilidade do agro brasileiro no mercado global

Publicados

em

Site e marca mostrarão que o Brasil cumpre regras ambientais rigorosas na produção de alimentos – Foto: Divulgação / Mapa

Os consumidores internacionais poderão conhecer melhor, em breve, a qualidade dos alimentos brasileiros. Para divulgar as ações voltadas à consolidação da imagem do agronegócio do Brasil, o governo federal instituiu o plano O Melhor do Agro Brasileiro, que promoverá a produção agropecuária nacional no mercado externo, destacando a sua qualidade, inocuidade e a sustentabilidade. A preocupação ambiental faz com que o país ajude na preservação do planeta.

A intenção do governo é vincular o conteúdo da sustentabilidade a um site onde os consumidores estrangeiros poderão ter uma ideia de como é feita a produção brasileira. Eles também vão ver como ela é sustentável e quais as condições de qualidade e de sanidade da produção brasileira. A estratégia prevê ainda a criação de uma marca para ser o símbolo da agropecuária brasileira nos produtos exportados.

O conteúdo do site já está em elaboração e há uma expectativa muito grande que os produtos brasileiros possam conter logo a marca, que será selecionado por meio de concurso.

Leia Também:  Mercado projeta crescimento de 0,82% para a economia

“O mundo não conhece as qualidades e as condições de produção no Brasil. Muito se fala de desmatamento no Brasil, de condições de trabalho, mas, na verdade, a agricultura brasileira teve um salto de sustentabilidade muito grande nos últimos anos”, ressalta o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Odilson Luiz Ribeiro e Silva.

“A agricultura brasileira é responsável pela preservação de cerca de 20% da vegetação nativa e preservamos 61% do território nacional”, ressalta o secretário. “Os agricultores preservam margens de rios, preservam topos de montanhas, de montes. Eles têm uma ação de sustentabilidade muito grande que não é reconhecida pelos parceiros comerciais do Brasil.”

Desde a participação odo ministro Blairo Maggi na Conferência da ONU sobre o Clima, em Marrocos, no final do ano passado, quando foram apresentados dados sobre a sustentabilidade do agro brasileiro, o governo percebeu que o mundo desconhece a realidade nacional.

Após a conferência, um grupo de trabalho do Mapa começou a elaborar uma estratégia para que houvesse uma marca que pudesse transmitir algumas informações sobre sustentabilidade e as condições da produção brasileira.

Leia Também:  Retomada do mercado de trabalho é lenta e se apoia na informalidade

“Estamos elaborando um conteúdo matriz com essas informações dispersas sobre sustentabilidade e condições de trabalho. Como, por exemplo, plantio direto e recolhimento de embalagens de agrotóxicos. O Brasil é o país que mais retorna esse tipo de embalagem no mundo, mais de 100% são retornadas. Então, há um esforço muito grande da agricultura brasileira em prol da sustentabilidade”, enfatiza o secretário.

A SRI espera lançar a marca e o site até o fim de 2018. O plano, desenvolvimento em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex), faz parte da estratégia do Ministério da Agricultura de conquistar 10% do mercado mundial do agro e somar US$ 30 bilhões na pauta da exportação brasileira. Atualmente, a participação é de cerca de 7%, o que representa U$S 1,1 trilhão.

Com o plano, o Brasil espera contribuir para que os produtores possam agregar mais valor aos seus produtos e oferecer aos consumidores condições de conferir a procedência de seus produtos.

Autoria: Mapa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Agronegócio

Prorrogada consulta pública sobre fitossanitários para agricultura orgânica

Publicados

em

Por

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prorrogou por 90 dias o prazo da consulta pública sobre fabricação de produtos fitossanitários com uso aprovado para agricultura orgânica. A proposta de Instrução Normativa estabelece requisitos mínimos para a produção e para o aumento da segurança desse tipo de insumo dentro das propriedades agrícolas. O prazo para o recebimento das sugestões havia terminado em julho.

Entre as inovações que a norma propõe está a classificação do risco das atividades de produção de fitossanitários para agricultura orgânica. Também está prevista a obrigatoriedade de assistência técnica ou capacitação dos produtores rurais para poderem fabricar para uso próprio, além da exigibilidade de itens de rastreabilidade aos sistemas de produção para uso próprio.

A norma prevê ainda publicação de Manuais de Boas Práticas de Fabricação, que serão elaborados pela Embrapa, para cada tipo de agente microbiológico.

As sugestões encaminhadas anteriormente por meio do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman) serão consideradas.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Projeto de estudantes resgata conceitos de sustentabilidade e permacultura
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA