Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

VARIAÇÃO

Milho internacional tem fechamentos mistos

Publicados

em

De acordo com a TF Agroeconômica, o mercado internacional do milho teve fechamentos mistos no dia em que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou o seu relatório. “O dia começou na Ásia, onde a associação sul-coreana de processamento de milho Kocopia comprou 60.000 toneladas de milho dos EUA, da Posco International, pagando US$ 250,25/t na CFR Coreia do Sul”, comenta.

“A carga deve ser entregue até 1º de abril e veio em meio a mais sinais de que os produtores de ração do país não estão incomodados com os relatos de gripe aviária que afeta alguns animais no país. Na Ucrânia, as ofertas foram ligeiramente mais altas novamente, começando a partir de US $ 229/t FOB HIPP e subindo para US $ 235 /t FOB PIPP para dezembro-janeiro carregando milho com documentos chineses, mas o mercado estava parado antes do lançamento do relatório Wasde”, completa.

Ao mesmo tempo, os lances foram ouvidos em torno da faixa DE 223-$225/t FOB HIPP pelo mesmo período de embarque. “No mercado interno, apesar das negociações ouvidas em torno de US $ 216/t CPT, que está ao par com os preços de exportação atuais, a liquidez e a atividade permaneceram muito baixas. Na Romênia, as ofertas para janeiro de carregamento de milho permaneceram em torno de € 196 – € 197/t FOB CVB. As vendas líquidas dos EUA causaram pouca agitação, pois chegaram a 1,36 milhão de t durante a semana – um bom número, mas dentro das expectativas dos analistas”, indica.

Leia Também:  Exportações do agro caem 19% em dezembro

“A grande maioria foi vendida para destinos desconhecidos (422.200 t) e México (408.100 t). Exportações a 715.000 toneladas, queda de 33% em relação à semana passada, com 271,3 mil t indo para a China e 261.200 t partindo para o México”, conclui.

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Insumos derrubam margem do produtor de leite em 50%

Publicados

em

Dados do Centro de Inteligência do Leite (CILeite), da Embrapa Gado de Leite, mostram que mesmo com avanço de preços em 2020, a margem de lucro do produtor foi impactada pela valorização dos grãos usados na nutrição do gado, como milho e soja, que compõe a alimentação concentrada.

Depois do preço do leite ao produtor subir de R$1,38 para R$2,16/litro de maio até outubro do ano passado, cerca de 56,5% de aumento, a partir de novembro o movimento de alta cedeu e o preço em janeiro fechou na casa dos R$2,03/litro. Esse valor é 48,7% maior do que em janeiro do ano passado.

Por outro lado o expressivo aumento nos custos de produção, mostra queda nos índices de rentabilidade. O índice RMCR (Receita Menos o Custo da Ração), do MilkPoint, aponta uma queda de 16,1% na renda líquida dos produtores entre setembro do ano passado e janeiro deste ano. Só de dezembro/20 para janeiro/21, a queda foi de 10,9%.

Outro indicador de rentabilidade, o poder de compra do preço do leite em relação ao custo do alimento concentrado fornecido para as vacas (denominado relação de troca), confirma esta tendência: de setembro/20 a janeiro/21, o poder de compra do preço do leite caiu 48,6% em relação ao custo do concentrado. Neste caso, a queda de dezembro/20 para janeiro/21 foi de 16,8%.

Leia Também:  Fatec Senai marca presença em congresso internacional com artigos sobre temas da atualidade

Desde meados de dezembro/20 também os preços do leite Spot e dos principais derivados no mercado atacadista estão em queda. No mercado de Minas Gerais, da 2ª quinzena de dezembro/20 até a 1ª quinzena de fevereiro/21, a cotação do leite Spot caiu de R$2,40 para R$1,95/litro, uma redução acumulada de 18,7%. No mercado atacadista de São Paulo, o leite UHT caiu de R$3,34 em 03/12/20 para R$2,90/litro em 05/02/21, queda de 13,2%.

No caso dos preços do milho e da soja, os dois insumos mais importantes para a composição dos custos de produção do leite, não existe sinalização de mercado sustentando alguma queda significativa no curto prazo. Os preços devem continuar mais elevados em comparação com os valores pagos pelos produtores no primeiro semestre de 2020.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA