Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MEIO AMBIENTE

Frente parlamentar no Congresso discute licenciamento ambiental hoje

Publicados

em

A Frente Parlamentar Ambientalista e a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) discutem, a partir das 10 horas, as regras do licenciamento ambiental e a situação atual do Cadastro Ambiental Rural no Brasil. O encontro virtual deve debater ainda soluções para mitigar os impactos das mudanças climáticas.

Foram convidados para discutir o assunto com os parlamentares:
– o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais e presidente da Abema, Germano Luiz Gomes Vieira;
– o diretor-geral do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais, Antonio Augusto Melo Malard;
– o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Antônio Bertotti Júnior; e
– a secretária-executiva da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco e coordenadora da Câmara Técnica do Clima da Abema, Inamara Santos Melo.

Da Redação – ND

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  EUA vendem 16% menos milho da safra 2018/19 na semana, diz USDA
Propaganda

Agronegócio

Safra de café é segunda maior da história

Publicados

em

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou nesta terça-feira (22) o 3º Levantamento da Safra 2020 de café. Com a colheita na etapa final, sendo mais de 90% colhida, a safra deve somar bons números. O país deve colher 61,6 milhões de sacas beneficiadas, considerando-se os tipos arábica e conilon. Isto representa aumento de 25% em relação ao ano passado. Será a segunda maior safra brasileira de todos os tempos, atrás apenas da colheita de 2018. . A área total é estimada em 2,2 milhões de hectares.

O café arábica teve crescimento de 38,1% impulsionado com clima favorável tanto na floração quanto na fase de enchimento. A produção está estimada em 47,4 milhões de sacas. Já o conilon sofreu com as condições climáticas desfavoráveis no Espírito Santo, durante a fase de floração da cultura, impactando o potencial produtivo dessas lavouras que levaram à queda de 5,1% na produção nacional, prevista em 14,3 milhões de sacas.

Em Minas Gerais, maior produtor, devem ser colhidas 33,5 milhões de sacas, 36,3% a mais que no ano passado, sendo 99,1% de arábica. No Espírito Santo, maior produtor nacional de conillon, a estimativa é de 13,6 milhões de sacas, com aumento de 49,1% para o café arábica (4,5 milhões de sacas) e queda de 13% para o conilon (9,1 milhões de sacas).

Leia Também:  Projeto de Izalci prevê apoio público ao turismo cívico

Nos outros estados produtores os números ficaram assim. Em São Paulo projeção de  6,2 milhões de sacas. Na Bahia, 4,1 milhões, com o aumento de área em produção, áreas irrigadas e clima mais favorável. Em Rondônia, a previsão é de 2,4 milhões de sacas de conilon, enquanto no Paraná, de 937,6 mil sacas de arábica. Das lavouras do Rio de Janeiro devem sair 346 mil sacas de arábica; de Goiás, 240,5 mil sacas também de arábica e, de Mato Grosso, 158,4 mil sacas de conilon.

O dólar valorizado elevou os preços do café mesmo nesta safra de bienalidade positiva. As exportações, no entanto, estão ligeiramente menores que as do ano passado. Em agosto de 2020, o Brasil exportou 3,3 milhões de sacas de café, o que gerou receita de R$ 2,1 bi. Isso representa uma queda de 3,3% em volume, mas aumento de 25% em reais em relação a agosto de 2019.

Fonte: Agrolink

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA