Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Agronegócio

Exportações de algodão podem aumentar 35% em 2019

Publicados

em

Os agricultores brasileiros estão aproveitando os fortes preços do algodão para aumentar sua produção de algodão e, consequentemente, suas exportações de algodão. De acordo com Michael Cordonnier, da Soybean & Corn Advisor, Inc., espera-se que o Brasil exporte 1,7 milhão de toneladas de fibra em 2019 depois de exportar 1,25 milhão de toneladas de fibra em 2018.

“A produção brasileira de algodão deverá aumentar para 2,5 milhões de toneladas em 2018/19, em comparação com 2,1 milhões de toneladas em 2017/18, mas as exportações de algodão podem ser incertas devido à disputa comercial entre a China e os EUA A China é a maior importadora de algodão e os Estados Unidos são o maior exportador de algodão. Quanto o algodão que o Brasil exporta para a China dependerá, em certa medida, se a disputa comercial entre os dois países for resolvida no momento em que o Brasil começar a exportar algodão durante o segundo semestre de 2019”, comenta.

O aumento de 500.000 toneladas representaria um aumento de 35%, sendo que a Associação Nacional de Exportadores de Algodão (Anec) considera que a campanha de comercialização do algodão brasileiro será de julho a junho.

Leia Também:  Milho anda de lado no mercado internacional

“Além da disputa comercial, geralmente 60% a 70% das exportações brasileiras de algodão ocorrem durante o segundo semestre do ano, mas isso pode cair para 50% a 55% durante o segundo semestre de 2019 devido à falta de contêineres. Problemas com a disponibilidade de contêineres já estão atrasando as exportações deste ano em duas ou três semanas. O Brasil é hoje o segundo maior exportador de algodão depois dos Estados Unidos”, indica.

Autoria: Agrolink

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Agronegócio

Capina elétrica brasileira é testada nos EUA

Publicados

em

Um pesquisador da universidade americana de Oregon, em parceria com produtores de avelã e mirtilo, está testando a tecnologia brasileira de capina elétrica da Zasso Group. Esse modo menos invasivo ao meio ambiente de controle de plantas daninhas tem ganhado força na Europa e agora começa a ser difundida também nos EUA. “Nossa tecnologia além de moderna e segura, é ecologicamente correta. Seguindo uma tendência mundial no agronegócio, cada vez mais métodos eficazes com menor impacto ambiental devem ser implementados nas fazendas pelo mundo”, aponta o Co-CEO da marca, Sérgio Coutinho.

Com o apoio de uma bolsa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Marcelo Moretti, pesquisador e professor assistente de horticultura da OSU, iniciou no mês passado experimentos como parte de um projeto de três anos para avaliar a eficácia do controle elétrico de ervas daninhas no Oregon. “Eu suspeito que os produtores irão adotar isso como uma ferramenta adicional para o controle de ervas daninhas, especialmente para aquelas resistentes a herbicidas”, disse Moretti. Para ele, a solução pode ser adotada tanto por produtores orgânicos, como pelos convencionais.

Testes já começaram

O pesquisador acredita que é importante encontrar mais ferramentas não químicas para controlar as ervas daninhas resistentes a herbicidas. Isso acontece quando um campo de ervas daninhas é pulverizado ano após ano com um único herbicida. Plantas mais fracas morrem, mas algumas naturalmente mais fortes sobrevivem, se reproduzem e passam seus traços resistentes para as próximas gerações.

Os testes começaram em dois pomares de avelãs, onde o azevém italiano resistente a herbicidas é um problema sério. Moretti também trabalhará com um produtor de mirtilo para testar a eficácia do controle elétrico em ervas daninhas perenes, como a trepadeira, um membro da família ipomeia.

Leia Também:  Leite: Segundo mês de alta nos custos de produção da atividade leiteira

O equipamento utilizado é o modelo EH30 Thor. O sistema da Zasso Group gera uma corrente de alta tensão que é aplicada à planta por meio do contato com uma barra de metal. À medida que a alta voltagem passa pela planta em direção às raízes, a resistência elétrica gera calor, levando à ruptura da membrana celular e à morte da planta.

O professor acredita que a tecnologia será amplamente aplicável em árvores frutíferas e nozes, lúpulo, vinhas e outras culturas. Diferentes tamanhos de unidades dotadas da tecnologia podem ser utilizados, como o modelo Electroherb, que manobra facilmente em colinas e em fileiras estreitas.

Investimento inteligente

Em comparação com outras formas de controle de ervas daninhas, espera-se que o investimento inicial e os insumos de trabalho para o controle elétrico sejam maiores por hectare do que os custos químicos médios do que a maioria dos métodos não químicos. Contudo, este deve ser considerado um investimento pois como disse Moretti, em áreas onde existe resistência a herbicidas, espera que a tecnologia da Zasso Group custe menos a longo prazo em comparação com as aplicações múltiplas de químicos.

Coutinho destaca que este é um investimento inteligente. “A primeira vista parece um gasto a mais, porém com a eficácia da ferramenta, os resultados ecologicamente corretos sendo muito positivos e a longo prazo a diminuição efetiva do uso massivo de herbicidas, com certeza a tecnologia se paga e é viável para as culturas”, ressalta o Co-CEO.

Leia Também:  MT investirá R$ 5 milhões em programa para alavancar cultivo do café

Os agricultores americanos que forem participar da pesquisa, adotando a tecnologia, precisarão seguir protocolos de segurança, assim como todos os clientes da companhia no Brasil e Europa. “A pessoa que opera a máquina não corre risco de choque elétrico, mas é preciso cautela na hora da aplicação”, relata o pesquisador.

Durante os testes, a equipe de Moretti testará a eficácia do método em diferentes tipos, densidades e idades de ervas daninhas, vários tipos de solo, em vários tipos de clima e com diferentes tensões.

Oportunidade Latam

Os Estados Unidos e o Canadá são os maiores produtores e consumidores mundiais de mirtilo ou blueberry. No hemisfério Sul, Chile e Peru são os principais e no Brasil também existe cultivo dessa fruta. Aqui ela se concentra nos estados com climas mais amenos e estação de inverno típico, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e regiões de São Paulo e Minas Gerais. Recentemente houve adesão também de produtores no Centro Oeste.

A frutinha tem sabor agridoce e características funcionais. Com o consumo se popularizado no mundo e em território nacional por seu alto teor de antioxidantes naturais, principalmente pelo seu uso na confeitaria. Com a adesão de novos produtores de mirtilo no País também cresce a possibilidade da implantação da tecnologia da Zasso Group por aqui em uma outra cultura.

AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA