Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

COMÉRCIO

Etanol: anidro e hidratado fecham em baixa

Publicados

em

Os etanóis anidro e hidratado fecharam em baixa na semana de 23 a 27 de novembro pelo Indicador Cepea/Esalq, da USP. A maior baixa ocorreu no etanol hidratado, usado nos carros flex ou originalmente a álcool. O litro do biocombustível foi comercializado na última semana em R$ 2,0707, contra R$ 2,0744 da semana anterior, baixa de 0,18% no comparativo entre os períodos. A baixa interrompeu uma sequência de duas semanas em alta.

O anidro, usado na mistura com a gasolina foi negociado na última semana em R$ 2,4184 o litro, contra R$ 2,4205 o litro da semana de 16 a 20 de novembro, baixa de 0,09% no comparativo entre as semanas. Esta foi a segunda semana seguida de baixa do indicador.

Etanol diário

Pelo Indicador Diário Paulínia, o etanol hidratado fechou pelo quarto dia seguido em baixa na última sexta-feira (27), negociado em R$ 2.127,50 o metro cúbico, contra R$ 2.131,00 o m³ da véspera, baixa de 0,16% no comparativo entre as datas.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governador: “Esses equipamentos vão ajudar centenas de famílias de pequenos agricultores”
Propaganda

Agronegócio

Índia não quer transgênicos do Brasil

Publicados

em

A partir de 1º de março passam a valer as novas regras de exportação de vegetais, frutas e grãos para a Índia. O país faz exigências que valem para 24 produtos e diz respeito a proibição de sua origem em organismos geneticamente modificados.

O Ministério da Agricultura recebeu a notificação da Food Safety and Standards Authority of India (FSSAI), autoridade alimentar indiana. “A exportação desses produtos deve estar acompanhada por um certificado oficial, conforme modelo estabelecido pela autoridade indiana, e que deverá ser emitido pelo Mapa no ponto de saída da mercadoria”, explica o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, Carlos Goulart.

Todos esses produtos vegetais, independente do grau de processamento e do uso proposto, devem receber a referida certificação não-OGM. Os exportadores deverão solicitar a emissão do certificado na unidade da Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) de saída da mercadoria.

Somente para os produtos que têm autorização para cultivo OGM no Brasil –  feijão (Phaseolus vulgaris), milho, soja e cana-de-açúcar , deverá ser apresentado o laudo de análise laboratorial, emitido por laboratório da rede credenciada Mapa, atestando a ausência de evento OGM na partida a ser exportada.

Leia Também:  Frente Parlamentar da Agropecuária debate políticas para o setor leiteiro

Os produtos vegetais sujeitos ao cumprimento da exigência são os seguintes: abacaxi, abóbora, alfafa, ameixa, arroz, batata, beterraba, soja, feijão, feijão caupi, cana-de-açúcar, milho, cártamo, maçã, canola, chicória, beringela, linhaça, melão, mamão, nabo, pimentas e pimentões, tomate e trigo.

AGROLINK –Eliza Maliszewski

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA