Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ALIMENTAÇÃO

China corta produção de defensivos e fertilizantes; preços sobem para o Agro

Publicados

em

Relatório do Rabobank divulgado na sexta-feira informa que a crise energética na China já impacta cadeias de suprimento de todo o mundo. Os setores de alimentação e agronegócios também são afetados, principalmente a produção de fertilizantes e defensivos agrícolas. As exportações de alguns insumos fabricados pelos chineses poderão ficar restritas e deverão causar aumento dos preços no mercado global.

“Fertilizantes e agroquímicos inevitavelmente enfrentarão a pressão crescente da atual escassez de carvão e cortes de eletricidade. Embora a ênfase do governo seja garantir o fornecimento de energia para a produção de fertilizantes, as exportações de fertilizantes de nitrogênio e fosfato serão restringidas, potencialmente elevando os preços no mercado global”, indica o relatório.

O Rabobank relata os impactos nas cadeias chinesas de alimentos básicos, proteína animal, grãos, laticínios e processados. Um dos alertas é para os setores que dependem de embalagens de papel e metal, cuja produção foi seriamente afetada pela crise de energia.

“Os principais fabricantes de papel anunciaram uma paralisação temporária, o que pode levar a uma redução de 10% a 15% no fornecimento de embalagens de papel para setembro e outubro, e as embalagens de metal, com os preços do alumínio oscilando em máximas de 13 anos, podem enfrentar picos de preço ainda maiores”, indica o Rabobank.

“Em algumas regiões, o armazenamento refrigerado também sofreu cortes de energia, aumentando os custos de armazenamento de produtos resfriados e congelados”. O relatório informa também que várias unidades de esmagamento de grãos para produção de óleo, como a soja, interromperam as operações temporariamente.

“Os baixos volumes de importação estimados, devido às margens de esmagamento negativas nos meses anteriores, e as operações atualmente paralisadas levarão a uma queda contínua nos estoques de farelo de soja, o que já causou uma recente alta de preço”, indicou.

Outro impacto dessa crise poderá ser o aumento do desemprego e a redução da renda dos chineses, alterando a confiança do consumidor local e o comportamento dos gastos, o que serve de alerta para quem vende produtos para lá, como é o caso do Brasil.

(Publicado no Notícias Agrícolas; Fonte: Valor).

Crise de energia na China e na Índia faz aumentar receio de desaceleração global, alerta Financial Times

A grave crise de energia na China e na Índia, os dois principais motores do crescimento mundial na atualidade, lançam uma sombra sobre as perspectivas econômicas para a Ásia, além de elevaram o risco de que pressões inflacionárias reverberem pelo continente.

Vários importantes economistas especializados em China projetam uma desaceleração considerável da segunda maior economia do mundo nos próximos meses, em razão do impacto da falta de energia na produção industrial e do enfraquecimento do mercado imobiliário.

“Reduzimos nossas previsões de crescimento da China de 5% para 3,60% [no 4º trimestre] e de 5,80% para 5,40% em 2022”, disse Louis Kuiis, chefe de assuntos econômicos na Ásia da Oxford Economics. “[E] isso apesar de nossa expectativa de alterações na política econômica [no 4º trimestre] para incentivar o crescimento.”

Andrew Batson, diretor da firma de análises Gavekal, disse que o “crescimento na China se desacelerará nos próximos meses, em vista do aprofundamento do retrocesso [no setor] imobiliário e da disseminação da falta de energia”. Ele ressalta, no entanto, que a força das exportações e a solidez dos investimentos em bens de capital trarão certo impulso à economia.

Miao Ouyang e Helen Qiao, do Bank of America, disseram que a China teve um solavanco na produção industrial em setembro em função da forte redução de atividade em indústrias de alto consumo de energia. Eles também preveem impacto na expansão do Produto Interno Bruto (PIB).

As estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) indicam para este ano uma expansão de 8,10% da economia que há vários anos é a que mais contribui para o crescimento do PIB mundial. Enquanto isso, a Índia deve crescer 9,50%, segundo o FMI.

Em estimativas de longo prazo divulgadas antes da pandemia do Covid-19, o fundo calculou que entre 2019 e 2024, a China colaboraria com 28% do crescimento do PIB mundial e a Índia, com 15%. Os Estados Unidos seriam apenas o terceiro mais importante motor da expansão global.

A Índia também vem sendo atingida por uma grave escassez de carvão, crucial para gerar a eletricidade que sustenta seu crescimento. Em 3 de outubro, as 135 usinas termelétricas do país tinham estoques de carvão para apenas quatro dias, em comparação aos 13 dias em 1º de agosto, segundo o Ministério de Energia.

O governo indiano destacou que as remessas de carvão da estatal Coal India vêm aumentando após atrasos provocados pelas chuvas de monções.

Economistas advertiram que cortes generalizados de energia podem prejudicar o crescimento justo quando a produção industrial da Índia, enfim, volta aos níveis pré-pandemia, que não se viam desde fevereiro de 2020. O país também se prepara para sua temporada anual de festivais, quando a demanda por energia tem forte aumento.

“Não é uma situação muito feliz”, disse Sunil Kumar Sinha, que trabalha na firma India Ratings & Research no cargo de economista principal. “Depois da segunda onda da covid-19, a economia começou a se normalizar e o crescimento está se acelerando […] Se a esta altura o país for atingido por uma escassez de energia, temo que isso terá um impacto muito significativo no crescimento.”

Cerca de 66% da produção total de eletricidade da Índia vem de usinas termelétricas a carvão, acima do patamar em 2019, de 62%. A geração hidrelétrica, a gás e nuclear diminuiu, afetada por chuvas de monções erráticas, preços mais altos e trabalhos de manutenção em usinas atômicas.

Leia Também:  Tecnologia é fator decisivo para o desenvolvimento do campo

A menos que o governo consiga alocar de forma eficiente as limitadas reservas de carvão, Sinha disse que a Índia pode enfrentar problemas semelhantes aos da China, onde indústrias se viram obrigadas a fechar ou a recorrer a alternativas mais caras, como suas usinas geradoras próprias.

As causas da escassez de energia na China indicam que uma solução rápida é improvável. Alicia García Herrero, economista-chefe para a região da Ásia-Pacífico no banco Natixis, atribuiu a crise a um “baque triplo”.

Em primeiro lugar, os governos locais correm para cumprir as metas de emissão de Pequim e, portanto, precisam restringir a geração de energia a carvão. Em segundo, há uma escassez na disponibilidade de carvão, uma vez que o país faz a transição para energias renováveis. Por fim, os tetos ao preço da eletricidade fazem com que a demanda não seja afetada pelo aumento dos custos do carvão e de outros insumos.

Tudo isso vem exercendo uma pressão imensa sobre Pequim para liberar os preços da eletricidade, mas isso agravaria perspectivas inflacionárias.

“O erro na dose da política [energética] fez com que muitos produtores de energia fechassem para evitar perdas financeiras”, disse Michael Gill, diretor para a Ásia na firma de consultoria Dragoman. “A liberdade [de variação] dos preços deveria solucionar isso.”

A China parece estar adotando uma abordagem gradual de aumento dos preços da energia. Na província de Guangdong, por exemplo, as autoridades aplicaram um aumento de 25% nos preços da eletricidade neste mês, mas o impuseram apenas nos horários de pico e apenas aos usuários industriais, poupando assim as famílias. Algumas outras províncias podem seguir o exemplo, segundo analistas.

Essa abordagem almeja amortecer a inflação dos preços ao consumidor, mesmo diante da disparada nos preços dos produtores, como os de carvão, metais e outras commodities. O índice de preços dos produtores na China saltou 9,50% em agosto e os economistas do Bank of America estimam um aumento ainda maior, de 10,50%, no mês de setembro.

Em contraste, o índice de preços ao consumidor subiu apenas 0,80% em agosto e o Bank of America calcula que pode recuar para 0,60% em setembro.

A batalha contra o aumento dos preços é crucial. Se as pressões inflacionárias saírem do controle, Pequim pode ser obrigada adotar uma política monetária mais restritiva, impactando ainda mais as perspectivas de crescimento dos próximos meses.

Também haverá consequências para o restante do mundo. “A escassez de energia na China tem implicações globais”, disse Ting Lu, economista-chefe para a China no grupo de serviços financeiros Nomura.

“Os mercados globais sentirão o impacto da escassez na oferta [de bens que vão] desde têxteis e brinquedos a peças de maquinário, […] [que] muito provavelmente resultará em falta de produtos para o Dia de Ação de Graças e o Natal.”  (por Financial Times).

Crescimento da China deve desacelerar para 5% no 3° trimestre (por Nikkei Asia)

O crescimento econômico da China no terceiro trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado, deve desacelerar para 5%, segundo uma pesquisa com 29 economistas feita pelo jornal “Nikkei Asia”.

Medidas para combater o Covid-19 e a recente crise energética foram vistas como fatores que limitaram a expansão da segunda maior economia do mundo. Os economistas também disseram que os problemas imobiliários da China são o principal risco para o restante do ano, especialmente o impacto da crise da dívida da Evergrande e suas consequências para os setores bancário e de seguros.

As estimativas de crescimento anual para o 3º trimestre variam de 2,50% a 6%, abaixo da expansão de 7,90% registrada entre abril e junho. Em média, os economistas previram um avanço de 0,20% em uma base trimestral com ajuste sazonal, uma queda significativa em relação aos 1,30% do 2º trimestre.

Mais de um terço dos economistas que compartilharam suas estimativas trimestrais ajustadas sazonalmente estimam uma contração para o período de julho a setembro. Shen Jianguang, economista-chefe da varejista online JD.com, vê uma queda de 0,10% no período e disse que a recuperação da China não está garantida, com a desaceleração se acentuando em agosto.

“Levando em consideração a incerteza da pandemia, o impacto adverso da escassez de energia e as restrições de produção sob as ‘metas de carbono duplo’, bem como o aperto regulatório do mercado imobiliário, há uma pressão crescente para baixo na economia da China”, disse ele.

Para 2021, os economistas estimaram, em média, um crescimento de 8,30% para o Produto Interno Bruto (PIB) da China, 0,30% abaixo do que o previsto na pesquisa anterior realizada pelo “Nikkei Asia” em junho.

Vários analistas cortaram as suas previsões para o ano inteiro recentemente. Um deles é Arjen van Dijkhuizen, economista sênior do ABN AMRO Bank, que reuziu a sua estimativa de 9% para 8,30%.

Dijkhuizen disse que a estratégia de “tolerância zero” de Pequim a novos surtos da variante delta durante o verão é um claro obstáculo para a atividade econômica, especialmente para o setor de serviços.

“O aumento das restrições de mobilidade e a reimposição de bloqueios regionais, bem no meio da temporada de viagens, obviamente deixaram sua marca”, afirmou.

A economista-chefe do Barclays para a China, Jian Chang, também rebaixou a sua estimativa para 2021 de 8,50% para 8,20%, como reflexo do surto causado pela variante Delta. Mas ela espera uma recuperação no 4º trimestre, assumindo que os contágios serão contidos pelas autoridades.

A crise de energia nas últimas semanas também afetou as perspectivas econômicas. Wei Yao, economista-chefe para Ásia e China do Société Générale, disse que Pequim ordenou cortes na produção de aço e alumínio, suspendendo o fornecimento de eletricidade para alguns produtores para controlar as emissões de carbono, medidas que impediram a atividade industrial.

Leia Também:  Governo de Mato Grosso assina acordo para remunerar propriedades que preservam mata nativa

Tetsuji Sano, economista-chefe da Sumitomo Mitsui DS Asset Management para a Ásia, disse que, à medida que aumenta a pressão sobre os governos locais para cumprir as metas de descarbonização, o fornecimento de energia continuará a ser reduzido no curto prazo. Ele espera que a alta dos preços ao produtor ultrapasse 10% no período entre outubro e dezembro.

“Os movimentos excessivamente agressivos para reduzir as emissões de carbono aumentariam a pressão sobre os já elevados preços dos insumos, colocando os fabricantes e os varejistas sob pressão”, disse Christina Zhu, economista da Moody’s Analytics.

Apesar dos fatores negativos, o crescimento do PIB em 2021 ainda deve permanecer forte devido à base baixa do crescimento de 2020, que foi de 2,30%. Mas para 2023 e 2023 as previsões médias dos economistas são de 5,40% e 5,30%, respectivamente, abaixo dos níveis pré-Covid, 6% em 2019.

“A normalização da economia chinesa está se mostrando mais instável que o esperado, devido a um forte impulso regulatório e à materialização de riscos desde o final [da primeira metade de] 2o21”, disse Françoise Huang, economista sênior para Ásia-Pacífico na Euler Hermes.

Quando questionados sobre os principais riscos para a economia chinesa neste ano, a maioria dos analistas ouvidos pela pesquisa citou “problemas no mercado imobiliário” entre os três principais motivos. Outro fator são “novos surtos e variantes do Covid” e “redução da dívida e empréstimos para os bancos”.

“O risco mais agudo agora vem da crise da dívida da Evergrande”, disse Dijkhuizen, do ABN AMRO Bank. “Se não for bem administrada, os efeitos de contágio podem se agravar, com um impacto potencialmente forte na economia em geral, dada a importância do setor imobiliário”.

Ting Lu, economista-chefe do Nomura para a China, afirmou que a revisão regulatória também pode afetar o sentimento dos investidores, especialmente no setor privado.

Para o Tommy Wu, economista da Oxford Economics, outro fator que pode prejudicar a recuperação econômica é a política de “prosperidade comum” proposta pelo presidente Xi Jinping.

“Impostos mais altos e custos mais altos de fazer negócios, assim como um risco percebido de mais interferência governamental pesada, provavelmente pesarão sobre o investimento privado”, disse ele. “Há um risco claro de que o impulso da prosperidade comum acabe prejudicando o crescimento econômico.”  (por Nikkei Asia).

Preços de petróleo avançam 4% na semana, sem sinais de melhora na crise de energia

NOVA YORK (Reuters) – O petróleo subiu nesta sexta-feira, ganhando cerca de 4% na semana, enquanto uma crise global de energia elevou os preços dos Estados Unidos à máximas em quase sete anos, ao mesmo tempo que grandes usuários de energia encontram dificuldades para atender à demanda.

Mesmo com o crescimento da demanda mundial, à medida que a atividade econômica se recupera de mínimas pandêmicas, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e produtores aliados (Opep+) disse esta semana que continuará no caminho para trazer gradualmente de volta a produção.

Enquanto isso, o governo dos EUA informou que estava monitorando os mercados de energia, mas não anunciou ações imediatas para diminuir os preços, como a liberação de reservas estratégicas de petróleo, que apoiaram ainda mais o mercado de petróleo.

Os contratos futuros do petróleo Brent avançaram 0,44 dólar, ou 0,5%, para fechar em 82,39 dólares a barril. Anteriormente na semana, a marca de referência mundial atingiu a máxima de três anos de 83,47 dólares.

O petróleo dos EUA (WTI) avançou 1,05 dólar, ou 1,3%, para fechar em 79,35 dólares. Essa foi a máxima de fechamento para a marca de referência dos EUA desde 31 de outubro de 2014.

Os futuros da gasolina dos EUA também fecharam na máxima desde outubro de 2014 nesta sexta-feira.

“O cenário fundamental é de oferta restrita que vai continuar a empurrar esses preços para cima”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York.

Indústria britânica alerta que fábricas podem fechar sem ajuda com o preço do combustível

LONDRES (Reuters) – Os produtores que mais usam energia no Reino Unido, incluindo fabricantes de aço, vidro, cerâmica e papel, alertaram o governo que, a menos que algo seja feito sobre o crescimento do preço do gás, eles podem ser forçados a fechar a produção.

Os preços do gás no atacado aumentaram 400% este ano na Europa, em parte devido aos baixos estoques e à forte demanda da Ásia, exercendo pressão especial sobre as indústrias intensivas em energia.

Chefes da indústria conversaram na sexta-feira com o ministro de negócios Kwasi Kwarteng, mas disseram que não houve solução imediata.

“Se o governo não tomar nenhuma ação, basicamente o que veremos para o setor de aço serão cada vez mais pausas na produção em determinados momentos do dia e essas pausas se tornarão mais longas”, disse Gareth Stace, diretor-geral da UK Steel, à ITV News.

Membro do Banco da Inglaterra alerta para aumentos na taxa de juros antecipados

(Reuters) – O membro do Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra, Michael Saunders, disse que as famílias devem se preparar para aumentos nas taxas de juro “significativamente mais cedo” do que o esperado, segundo reportagem do Telegraph neste sábado.

“A única maneira de manter salários altos é a produtividade”, acrescentou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Cinco mato-grossenses estão entre as 100 mulheres mais poderosas do agro no Brasil

A lista foi elaborada pela Revista Forbes em homenagem ao Dia Internacional da Mulher Rural, comemorado na última sexta-feira.

Publicados

em

Cinco mato-grossenses estão entre as 100 mulheres mais poderosas do agronegócio brasileiro. A lista foi elaborada pela Revista Forbes em homenagem ao Dia Internacional da Mulher Rural, comemorado na última sexta-feira.

Carmen Perez, Emanuele de Almeida e Ida Beatriz, que estão na listas da Forbes das mulheres mais poderosas no agronegócio

A data foi instituída pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1995 com o intuito de elevar a consciência mundial sobre a importância dessa figura feminina como protagonista nas mudanças econômicas, sociais, ambientais e políticas.

Na lista, a Forbes procurou selecionar representantes do movimento de mudança no campo. Por meio delas, o objetivo é homenagear as demais mulheres que atuam no agronegócio – mesmo que o trabalho seja realizado a partir das cidades.

A lista foi divulgada por ordem alfabética. São mulheres que se destacam em diferentes setores do agronegócio: elas estão presentes na produção de alimentos de origem vegetal e animal, na academia, na pesquisa, nas empresas, em foodtechs, em consultorias, em instituições financeiras, na política, nas entidades e nos grupos de classe e, mais do que nunca, nas redes sociais.

Confira abaixo as mato-grossenses citadas:

Leia Também:  Projeto regulamenta atividade de turismo rural

Carmen Perez é pecuarista em Mato Grosso com forte atuação na difusão de técnicas de bem-estar animal. Ativista da causa, Carmen, que também é colunista da Forbes, tem como base os ensinamentos da norte-americana Temple Grandin, reconhecida mundialmente. Neste mês, ela lança o documentário “Quando ouvi a voz da terra”, no qual mostra os caminhos para a transformação das propriedades rurais, das pessoas e das relações estabelecidas no manejo pecuário.

A advogada Emanuele de Almeida assumiu a presidência do Indea-MT (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso ) em janeiro deste, um dos organismos de controle sanitário mais importantes do país por monitorar o maior rebanho bovino brasileiro: 30,9 milhões de animais.  Experiente – ela está há sete anos no órgão – promete um movimento de desburocratização e descentralização, em busca de maior celeridade às demandas dos produtores mato-grossenses.

Fernanda Macitelli Benez, que é zootecnista e doutora na área de comportamento e bem-estar animal, vem formando uma legião de jovens estudantes como orientadora de teses na Universidade Federal de Mato Grosso. Além disso, integra o Grupo Etco (Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal), criado na Unesp em 1983 e que tem como principal nome da ciência o professor Mateus Paranhos. Fernanda é uma fiel discípula.

Leia Também:  Nova linha de pulverizadores da John Deere será lançada na Parecis SuperAgro

A pecuarista Ida Beatriz foi eleita presidente do Sindicato Rural de Cáceres (MT), no coração do Pantanal. É a primeira vez que uma mulher ocupa a cadeira, uma exceção em um mundo liderado por homens. De acordo com uma pesquisa realizada em 2020 pela DBO, plataforma especializada em pecuária, pouco mais de 100 mulheres comandam sindicatos rurais no país. Ida assumiu o cargo em maio do ano passado, em meio a uma das maiores secas e incêndios no bioma. Não por acaso, um dos focos do seu trabalho é diversificar a matriz econômica do Pantanal e fortalecer as brigadas de incêndio.

Norma Rampelotto Gatto, produtora de soja em Mato Grosso, não comanda entidades, não é pesquisadora e nem ganhou algum prêmio espetacular. No entanto, é uma figura presente em palestras e encontros nos quais ouví-la é uma decisão sábia. Norma ganhou relevância como uma mulher que superou a morte do marido e transformou as três propriedades em referência de gestão e produção. Como muitas mulheres que hoje comandam sozinhas fazendas por todo o país. Segundo o IBGE, são 947 mil.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA