Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Agronegócio

33% da terra do mundo está degradada

Publicados

em

Um relatório produzido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) indica que 33% dos solos do planeta Terra já estão degradados. Nesse cenário, o especialista em solo e diretor técnico da SulGesso, Eduardo Silva e Silva, fez uma análise e deu dicas sobre a preservação do solo brasileiro.

“A análise do solo é fundamental. É como se fosse um hemograma do nosso corpo, onde é preciso entender o que falta no solo para recomendar o que é realmente necessário. A precisão da agricultura começa aqui, com a dosagem equilibrada. O solo produtivo é um solo fértil, mas nem todo solo fértil é produtivo”, comenta.

Nesse contexto ele explica que é preciso inicialmente realizar um Diagnóstico físico-químico do solo. Segundo ele, uma “boa amostragem de solo e posterior análise físico-química do solo em laboratórios confiáveis, para suporte a tomada de decisão de corrigir, manter ou repor nutrientes”.

A segunda dica é relacionada a correção do perfil do solo levando em consideração sias camadas e suas peculiaridades, sendo necessário “considerar a amostragem de solo em camadas diferentes, no mínimo de 0-20cm e de 20-40cm, visando construir a fertilidade no perfil de solo e maiores patamares de produtividade”.

Leia Também:  Mais de 1,3 milhão de pessoas no mundo morrem anualmente no trânsito

“Rotação de culturas: conserva o solo, incrementa a produtividade das culturas e, quanto ao controle de doenças, evita a proximidade entre os propágulos de patógenos, agentes causais de doenças, presentes nos restos culturais do solo. Considerar a possibilidade de rotação com culturas consorciadas”, diz ele.

Para finalizar, ele recomenda que se deve realizar o incremento anual de 10t a 13t/ano de palha no solo, com o cuidado de ajustar a relação entre o carbono e o nitrogênio (C/N). Além disso, o manejo deve otimizar “a entrada dos constituintes no sistema como pluviolixiviados, restos culturais e resíduos orgânicos, raízes e exsudatos, organismos do solo (biomassa), substâncias não-húmicas e húmicas”.

Autoria: Agrolink

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Agronegócio

Confira o preço do milho no Brasil

Publicados

em

Os preços do milho no mercado do Rio Grande do Sul chegam a R$ 93,00 em Santa Rosa, segundo informações da TF Agroeconômica. “O mercado de milho está muito lento no RS.  Há pouca disponibilidade de safra velha, a maior parte já nas mãos dos compradores que  estão esperando chegar a safra de verão para aumentarem as compras no estado. Não houve relatos de compras de milho no MS nesta quarta-feira, embora os compradores tenham tentado colocar bids ao redor de R$ 79,00+ICMS CIF sem sucesso”, comenta.

Nesse cenário, Santa Catarina compra 5.000 toneladas no Mato Grosso do Sul e se retira do mercado. “Este recuo pode realmente acontecer quando a safra de verão do RS começar a ser colhida dentro de 30 dias, no final de dezembro, sempre com respingos sobre o estado catarinense, devido à proximidade e frete baixo. Os preços para o produtor mantiveram-se em R$ 76,00/saca no Alto Vale do Itajaí, R$ 76,50  em Campos  Novos, R$ 76,00  Concórdia e Joaçaba, R$  74,00 em Pinhalzinho, R$ 70,25 em Xanxerê”, completa.

Leia Também:  Fred Zeroquatro, do Mundo Livre S/A, anuncia novo projeto "Sonofabit"

No Paraná, o mercado está inalterado e vazio de negócios. “Os vendedores recuaram as suas pedidas de R$ 80,00 puro para a faixa entre R$ 77,00 e R$ 80,00 nesta semana. Em Paranaguá milho de safra velha continua sem indicação e para safra nova indicação de R$ 72,00 para fevereiro/março de 2021. Para safra nova continua a R$ 66,00 para março/abril de 2021 posto fábrica”, informa.

Enquanto isso, foi visto um novo recuo forte do milho no MS nesta quarta-feira. “Para o Rio Grande do Sul ofertas a R$ 80,00 e R$ 80,50 + ICMS para a região de Santa Rosa e Ijuí, e compradores indicando os 79,00  +  ICMS, mas sem reportes de negócios. A volta das chuvas e a perspectiva de recuperação de algumas áreas que antes apresentavam seca assustou os vendedores que se apressaram em aceita as ofertas menores dos compradores”, conclui.

AGROLINK –Leonardo Gottems

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA