Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SEMANAL

Feira Natural do Campo será inaugurada nesta quarta (20)

Ao todo serão sete edições e todas acontecerão sempre às quartas-feiras, no estacionamento do Shopping, das 17h30 às 21hs

Publicados

em

Nesta quarta-feira (20.10) será realizada a primeira edição da Feira Natural do Campo. Ela é uma realização do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), Shopping Estação Cuiabá, Sindicatos Rurais e diversos outros parceiros. Ao todo serão sete edições e todas acontecerão sempre às quartas-feiras, no estacionamento do Shopping, das 17h30 às 21hs.

Dentre os produtos comercializados estão frutas, legumes, verduras, queijos, salames e doces que virão direto do campo para a mesa do consumidor. Os alimentos são agroecológicos, produzidos e comercializados por pequenos produtores rurais atendidos pela Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), do Senar-MT.

A ATeG é o programa que dá suporte para o aumento da produtividade em diversas cadeias produtivas. Ela está entrando em uma nova etapa que é de auxiliar os pequenos produtores até a comercialização. De acordo com o superintendente da instituição, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, mais conhecido como Chico da Pauliceia, a Feira marca o início dessa nova fase no Programa e da instituição.

“É um evento que inaugura uma nova fase da ATeG e uma nova fase de comunicação do Senar-MT com a população urbana. Apesar dos alimentos serem produzidos no campo, quem mais consome é a cidade, e principalmente a capital”, afirmou Chico.

Leia Também:  Seciteci certifica 31 novos técnicos em agropecuária em Novo Horizonte do Norte

Por semana, participarão cerca de 20 produtores rurais de quatro municípios: Várzea Grande, Nossa Senhora do Livramento, Campo Verde e Tangará da Serra. Ao todo, mais de 200 estão cadastrados. O evento respeitará os decretos vigentes e as restrições para a segurança sanitária, em virtude da pandemia da Covid-19.

Serviço:

O que: Feira Natural do Campo

Quando: primeiro evento na Quarta-feira (20.10) das 17h30 às 21h.

Onde: estacionamento do Shopping Estação Cuiabá

Entrada gratuita

Programação:

Outubro

Quarta-feira – 20.10

Quarta-feira – 27.10

Novembro

Quarta-feira – 03.11

Quarta-feira – 10.11

Quarta-feira – 17.11

Dezembro

Quarta-feira – 01.12

Quarta-feira – 08.12

 

Senar/MT/Assessoria

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agricultura Familiar

Embrapa aposta em adubação orgânica na recuperação de áreas degradadas

Publicados

em

Canal Rural

Produtores do Ceará conseguiram recuperar solos degradados e aumentar a produtividade em pequenas propriedades utilizando a adubação com insumos orgânicos. As técnicas simples e customizadas, utilizando insumos de dentro da porteira, resultaram num incremento de 70% na produção de milho e feijão no município de Ibaretama. O resultado foi observado no período de cinco anos, quando foram colhidas três safras.

No município cearense de Sobral, a área de uma nascente que já não abastecia a comunidade por estar degradada foi recuperada com o consórcio de leguminosas e milho. A terceira experiência aconteceu em Irauçuba, numa área em processo de desertificação, que já dá sinais de recuperação. Os experimentos foram realizados no Ceará e os pesquisadores da Embrapa afirmam que resultados semelhantes podem ser obtidos em outros estados do Semiárido brasileiro.

Segundo a Embrapa, os cientistas explicam que mesmo nas áreas em processo de desertificação, como é o caso do município de Irauçuba (CE), o uso de diferentes estratégias de baixo custo contribui para a melhoria dos atributos do solo, com a manutenção da temperatura e aumento da fertilidade. “Uma área desertificada demora cerca de 50 anos para se recuperar naturalmente, ficando fechada, sem uso. Isso é inviável, por isso estamos trabalhando para a recuperação dos solos com a implantação de sistemas de produção sustentáveis”, explica o engenheiro-agrônomo Henrique Antunes, pesquisador da Embrapa Meio-Norte.

Embrapa aposta em adubação orgânica em solos degradados no Ceará. (Foto: Adilson Nóbrega)

Os experimentos dos pesquisadores da Embrapa aconteceram em três municípios do Ceará: Ibaretama, Irauçuba e Sobral. No município de Ibaretama, os cientistas trabalharam em uma área de Caatinga degradada, com solo exposto e sinais de erosão. O engenheiro-agrônomo Roberto Cláudio Pompeu, pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos (CE), explica que a primeira camada do solo é a mais rica e facilmente levada pelas chuvas se o solo não estiver protegido, e que os Sistemas Agroflorestais (SAFs) são uma alternativa para a melhoria dessas áreas.

Leia Também:  Encontros de Mulheres Rurais pretendem reunir mais de 1600 pessoas

Na propriedade em questão, a implantação do SAF foi feita com as espécies sabiá e cajá, consorciadas com milho e feijão. O esterco dos animais e a bagana de carnaúba foram utilizados como adubo e o resultado foi um aumento de 70% na produção do milho e do feijão, em um período de cinco anos, quando foram colhidas três safras.

Técnicas acessíveis

Os pesquisadores utilizaram um conjunto de técnicas acessíveis a qualquer produtor para implantar os SAFs na comunidade Sítio Areias, como o consórcio de culturas de plantas nativas em uma área onde havia uma fonte de água quase seca. A agricultora Regina Souza, moradora do local que participou ativamente do projeto, afirma que os resultados são visíveis na comunidade. “Hoje temos árvores nativas plantadas e outras plantas para a alimentação dos animais, além de água em quantidade que dá para o consumo dos animais e das plantações.”

Pompeu explica que o cultivo das leguminosas pode ser utilizado como meio para adubação verde rica em nitrogênio, visto que os agricultores da comunidade não costumam aplicar fertilizantes que favoreçam os atributos químicos dos solos. “Por outro lado, o consórcio milho-leguminosas pode também ser alternativa para a produção de silagem, já que o teor de matéria seca médio do consórcio crotalária-milho no momento da colheita ficou em 32,9%, faixa ideal para a ocorrência de processo fermentativo adequado, o que não aconteceu com o consórcio milho-cunhã.”

Os resultados também indicaram que o consórcio crotalária-milho apresentou maior produtividade que o cunhã-milho. Em ambos os casos, observou-se uma média de 12,7% no teor de proteína bruta, número superior ao teor mínimo de 7% para o atendimento das exigências em compostos nitrogenados para o adequado funcionamento do rúmen dos animais. Essa produção de proteína pode ajudar a reduzir os custos com a compra de ingredientes proteicos e de adubos nitrogenados para a propriedade.

Leia Também:  Se eleger deputado estadual é a próxima meta de Júlio Campos, político que já foi quase tudo

O plantio conjunto de milho e crotalária demonstrou, de modo geral, melhores resultados em termos de produtividade e qualidade de material para produção de volumoso. Para uso como cobertura morta superficial no solo, ambos os consórcios são interessantes e uma alternativa viável para promover a ciclagem de nutrientes em sistemas agroecológicos.

Manejo inadequado do solo diminui a produtividade

O manejo inadequado do solo e fatores climáticos são as principais causas da degradação que, em alguns casos, compromete a capacidade produtiva da área. As altas taxas de lotação e o superpastejo, que ocorrem quando há excesso de animais na pastagem, diminuem as plantas herbáceas além de desgastar a área, às vezes de forma irreversível. O excesso de pisoteio causa erosões com diferentes graus de intensidade e deteriora progressivamente os recursos do solo e da vegetação, reduzindo a fertilidade da área pela diminuição de nutrientes disponíveis para as plantas.

A retirada da cobertura vegetal deixa o solo exposto à força das chuvas, principalmente no Semiárido, onde os períodos chuvosos são curtos, mas as precipitações são intensas e contribuem com o processo de erosão. Os pesquisadores explicam que a adoção de sistemas agroflorestais ou roçados agroecológicos podem ser alternativas viáveis para recuperação de áreas em processo de degradação, porque os resíduos das árvores mantidas no sistema de produção formam uma camada de serrapilheira que contribui para a ciclagem de nutrientes no solo. Assim, a aplicação de resíduos de plantas (galhos e folhas) para cobertura do solo é uma estratégia para aumentar a sustentabilidade, além de beneficiar as culturas de interesse econômico, o solo e o ambiente.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

POLÍTICA

POLÍCIA

AGRONEGÓCIO

ECONOMIA

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA